Menu
2019-04-03T17:49:16-03:00
Estadão Conteúdo
Tragédia

Troca de e-mails indica que Vale sabia de falha em sensores de Brumadinho

Polícia Federal de Minas teve acesso a troca de e-mails entre funcionários da mineradora e fiscalização, em que eles discutem “discrepâncias” nas informações dos equipamentos

7 de fevereiro de 2019
6:44 - atualizado às 17:49
Fernando Moreno/Estadão Conteúdo/Futura Press
Bombeiro realiza resgate em Brumadinho, MG -

Uma troca de e-mails entre funcionários da Vale e de empresas que atuavam na fiscalização da barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), indica que a mineradora já havia identificado problema em dados dos sensores da estrutura dois dias antes do rompimento, que deixou até ontem 150 mortos e 182 desaparecidos.

A Polícia Federal de Minas teve acesso a essa troca de e-mails, em que eles discutem “discrepâncias” nas informações dos equipamentos.

No depoimento aos policiais, ao ser questionado sobre o que faria se tivesse um filho no local e soubesse das informações contidas na troca de e-mails, o engenheiro Makoto Namba, da Tüv Süd, disse que o mandaria sair imediatamente. E afirmou que acionaria a Vale para disparar o plano de emergência. A informação foi revelada ontem pela repórter Andreia Sadi, da GloboNews, e confirmada pelo "Estado de S. Paulo".

A barragem de Brumadinho se rompeu em 25 de janeiro. Os e-mails foram trocados entre os dias 23 e 24, antevéspera e véspera da tragédia e citam dados “discrepantes” colhidos no dia 10 de janeiro, ou seja, 15 dias antes da tragédia. O Estado mostrou ontem que o relatório da Tüv Süd, que atestou a estabilidade da barragem, trabalhava com uma margem de segurança muito baixa para a hipótese da liquefação dos rejeitos - fenômeno apontado como a provável causa do colapso.

Os funcionários da Tüv Süd André Jum Yassuda e Makoto Namba prestaram depoimento ao delegado Luiz Augusto Nogueira da Polícia Federal de Minas e responderam perguntas sobre os e-mails em posse da PF. Os dois foram presos na semana passada e tiveram ordem de soltura expedida anteontem, 05, pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). A PF disse que não comentaria o caso, porque o inquérito está sob sigilo.

Questionado a respeito de “dados discrepantes obtidos através da leitura dos instrumentos automatizados (piezômetros) no dia 10/01/2019, instalados na barragem B1 do CCF (Complexo Córrego do Feijão), bem como acerca do não funcionamento de 5 (cinco) piezômetros automatizados”, Namba afirmou que os dados dos sensores só foram levados a seu conhecimento pela Vale após o rompimento.

Pressão

Namba também afirmou ao delegado federal que se sentiu pressionado por um funcionário da Vale durante reunião para falar sobre a assinatura do laudo de estabilidade da barragem feito por ele. De acordo com o engenheiro, o funcionário o questionou se a Tüv Süd iria assinar a declaração de estabilidade. Embora a princípio tenha respondido que só assinaria após o cumprimento de suas recomendações, recuou e avalizou a segurança da barragem por se sentir pressionado.

Ele também disse à PF ter conhecimento sobre nascente de água próxima do reservatório da barragem, o que poderia comprometer sua estabilidade. Segundo ele, “a água excedente corria para dentro da barragem”. “O declarante não sabe dizer ao certo, mas pode afirmar que desde o fim de julho/2018 foi construída uma barreira e colocada uma tubulação na nascente para desviar a água do reservatório”, diz trecho do relatório da PF sobre o relato.

Segundo ele, ainda em setembro de 2018 solicitou à Vale a construção de um equipamento específico para que o excedente de água fosse retirado da barragem. Sobre a localização do refeitório e da sede administrativa da empresa, destruídos pelo rompimento e onde estavam algumas das vítimas, o engenheiro disse que, se o Plano de Ação de Emergência de Barragens de Mineração (PAEBM) mostrou que estavam no caminho da lama, a Vale deveria ter transferido todas essas construções para outros locais.

Defesa

A Tüv Süd, por meio de nota, afirmou que após o desastre a empresa deu início a uma investigação sobre o caso. “Faremos tudo o que estiver ao nosso alcance para contribuir para uma investigação abrangente desse caso”, diz a nota. Segundo a empresa, além de contatar um escritório para conduzir uma investigação independente, será contratado “um especialista” para fazer uma avaliação de questões técnicas.

Também por meio de nota, a Vale afirmou que vem colaborando “proativamente e da forma mais célere possível com todas as autoridades que investigam as causas do rompimento da barragem”. “Como maior interessada no esclarecimento das causas desse rompimento, além de materiais apreendidos, a Vale entregou voluntariamente documentos e e-mails, no segundo dia útil após o evento, para procuradores da República e delegado da Polícia Federal.”

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Dinheiro no bolso

Banco do Brasil anuncia percentual do lucro que vai pagar em dividendos em 2020 e 2021

Banco pretende distribuir 35,29% do lucro líquido do ano de 2020 aos acionistas e 40% do resultado deste ano

Seu Dinheiro na sua manhã

Pendurados em São Pedro

O desempenho pífio da economia brasileira nesta última década, quem diria, pode ter nos livrado de um grande problema: um novo racionamento de energia. A ameaça vem desde 2013, quando o país passou a consumir um volume muito grande de energia das hidrelétricas, o que derrubou o nível dos reservatórios — mais uma herança do […]

Pré-mercado

Em dia de feriado na B3, bolsas internacionais reagem a notícias sobre covid-19 e balanços

Semana nas bolsas será marcada pela divulgação dos balanços dos pesos pesadíssimos da tecnologia Microsoft, Apple, Facebook, Tesla e Amazon

Mais uma baixa

Wilson Ferreira Junior vai deixar a presidência da Eletrobras

A saída do presidente da Eletrobras enfraquece ainda mais a ala liberal do governo Bolsonaro e deve jogar ainda mais terra no plano de privatização da companhia

Entrevista

Como blindar a Petrobras do populismo com o preço dos combustíveis? Para Adriano Pires, a solução está na venda das refinarias

O diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE) também defende o uso do gás do pré-sal para afastar o risco de um novo racionamento de energia no país

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies