Menu
2019-03-22T14:31:59-03:00
Estadão Conteúdo
Rede dividida

Reforma da Previdência cria “guerra” de hashtags no twitter

Em São Paulo, paralisação de cobradores e motoristas atingiu mais de um milhão de pessoas na manhã desta sexta-feira. Um protesto está marcado para acontecer às 17 horas

22 de março de 2019
14:22 - atualizado às 14:31
Aplicativo do Twitter
Imagem: shutterstock

A proposta de reforma da Previdência apresentada pelo governo é objeto de debate nesta sexta-feira, 22, no Twitter brasileiro. As duas principais hashtags dizem respeito à reforma previdenciária, opondo apoiadores e detratores da proposta; a #LutePelaSuaAposentadoria está em destaque no dia em que sindicatos e associações de trabalhadores fazem manifestações contra a reforma.

Uma paralisação de motoristas e cobradores de ônibus ocorrida na manhã desta sexta em São Paulo afetou cerca de um milhão de pessoas, segundo a prefeitura. Um protesto ainda está marcado para acontecer na cidade às 17 horas, na Avenida Paulista.

Apoiadores da reforma sobem a #EuApoioNovaPrevidência, em resposta às manifestações dos sindicatos. No entanto, poucos parlamentares e líderes partidários têm feito a defesa da proposta de reforma.

Dos raros deputados a tuitarem pela proposta, estão Vinicius Poit (Novo-SP) e Alexis Fonteyne (Novo-SP).

Para Poit, "um dos grandes desafios na Nova Previdência é lutar contra a desinformação". Alexis declarou apoio à reforma previdenciária argumentando que "não restam dúvidas que o país está caminhando para a insolvência" e incentivando usuários do Twitter a fazerem uma campanha de esclarecimento sobre a reforma usando a hashtag #PergunteSobrePrevidencia.

Além dos parlamentares do Novo, encampam o apoio virtual à proposta do governo o Movimento Brasil Livre (MBL) e o ex-candidato à Presidência da República, também pelo Novo, João Amoêdo.

A mobilização virtual contra a reforma está bem mais fortalecida entre os parlamentares entusiastas das redes sociais e une deputados e senadores de PT, PSOL, PCdoB e Podemos.

O deputado Enio Verri (PT-PR) tuitou dizendo que a reforma da Previdência é "contra pobres" e tem o objetivo de enriquecer os bancos.

A opinião é compartilhada pelo correligionário gaúcho Henrique Fontana, que diz que "Bolsonaro é um fantoche da turma do mercado financeiro e essa gente não se importa com Constituição, direitos, bem-estar social".

Deputado pelo Podemos da Bahia, Bacelar tuitou que a "reforma da Previdência reduzirá valor da aposentadoria".

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

“efeito de três pontos”

O [mau] comportamento dos mercados: as semelhanças entre a trajetória do câmbio e de uma bola de basquete

O câmbio vai oscilar ao gosto das notícias – das guerras comerciais à falta de agenda econômica do governo federal. Mas existe um estranho – e ainda pouco compreendido – “efeito de três pontos”.

DRAGÃO COM FOME

Comida pressiona inflação até o fim do ano, dizem analistas

Dólar em alta, oferta escassa por causa da entressafra e o auxílio emergencial estão provocando o aumento dos preços

CCR: Alerj recomenda retomar concessão de rodovia, mas governo é contra

Assembleia quer retomada da rodovia para reduzir tarifas, consideradas altas devido a irregularidades no contrato de concessão

TRETA

Maia e Alcolumbre criticam Salles após atrito com Ramos

Presidente da Câmara diz que ministro do Meio Ambiente resolveu destruir o próprio governo

SE PROTEJA

Títulos de renda fixa atrelados ao IPCA viram opção

Alta da inflação em outubro faz investidores e gestores avaliarem novas formas de proteção de patrimônio

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies