Menu
2019-10-28T09:53:18-03:00
Mais uma conta digital na área

Stone lança conta digital de olho em pequena empresa

Oficialmente, o produto é uma conta de pagamentos – o que dispensa a necessidade de a Stone atuar com auxílio de um correspondente bancário, algo comum entre as fintechs brasileiras

28 de outubro de 2019
9:53
Montagem de maquininha da Stone em cima de uma mesa vista de cima
Imagem: Montagem Andrei Morais/Divulgação/Shutterstock

A empresa brasileira de pagamentos Stone vai se lançar numa nova área de serviços financeiros: a partir desta segunda-feira, a fintech vai oferecer uma conta digital aos clientes que já utilizam sua máquina de cartões. Desenvolvida há dois anos pela companhia fundada pelo carioca André Street, a iniciativa pretende atrair as pequenas e médias empresas e fidelizar os consumidores em torno das soluções da companhia.

"A vida do lojista é um pesadelo, passando o dia todo falando com muitas pontas. Queremos facilitar", disse Augusto Lins, presidente da Stone. Como tem se tornado padrão recentemente, a conta digital da Stone chega ao mercado sem cobrança de tarifas mensais.

Oficialmente, o produto é uma conta de pagamentos - o que dispensa a necessidade de a Stone atuar com auxílio de um correspondente bancário, algo comum entre as fintechs brasileiras. Para requisitar a conta, o cliente deve baixar o aplicativo da empresa e fazer seu cadastro. Como a fintech já possui dados do lojista, a expectativa é que a aprovação aconteça em minutos. O atendimento da conta também poderá ser feito via app ou com a ida de um agente da empresa até o estabelecimento do cliente. "Ninguém tem tempo de ir até a agência. Vamos fazer o caminho contrário", diz Lins.

Por meio do serviço, o cliente poderá realizar transferências entre bancos (TEDs), registrar a folha de pagamento, pagar boletos e tributos, além de transferências internas para outras contas Stone e portabilidade salarial para funcionários.

Ao contrário do que oferecem alguns rivais, porém, a Stone não terá TEDs gratuitos - cada transação custará R$ 4, informou a fintech. Para os próximos meses, a previsão é de que o empreendedor possa também emitir boletos.

Previsão

O principal diferencial da conta, acredita Lins, porém, será o controle dos recebíveis. Com auxílio de seu sistema de pagamentos, a Stone vai oferecer ao cliente uma visualização simples para saber quando vai receber valores vindos de cartões de débito, crédito ou vales-refeição e alimentação, cada um com prazos diferenciados de depósito na conta do empreendedor ou empresário. "O lojista nunca sabe exatamente quando vai ter dinheiro. Queremos organizar de forma fácil aquele monte de papéis e comprovantes", diz o executivo.

Aos clientes que desejarem, a Stone também vai oferecer um cartão de crédito pré-pago gratuito e sem anuidade, em parceria com a Mastercard. Segundo Lins, a proposta da Stone não é, neste primeiro momento, faturar com o serviço. "Se o cliente entender que o atendimento é bom, ele não vai embora."

Na visão de Edson Santos, consultor e especialista em pagamentos, a estratégia da Stone é simples: oferecer cada vez mais serviços para o lojista, de forma que ele não consiga trocar a empresa por uma rival. "Com a redução de taxas, os líderes do mercado transformaram o setor de pagamentos em commodity, enquanto uma empresa mais nova, como a Stone, tem de trazer serviços de valor agregado", afirma. Para o especialista, é bem possível que, no futuro, processar pagamentos seja só "um pedacinho do que a Stone quer ser".

Para Guilherme Horn, consultor da Associação Brasileira de Fintechs (ABFintechs), oferecer uma conta digital é "um passo natural" para a Stone, uma vez que rivais como a PagSeguro também já têm esse tipo de oferta. "Ter uma conta digital é uma forma de garantir que ela não vai perder clientes, garantir sua fatia de mercado", afirma. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

entrevista

‘Brasil virou pária do investimento internacional’, diz Persio Arida

Um dos signatários da carta de ex-ministros da Fazenda e do BC em defesa de uma retomada econômica “verde”, ele observa que o presidente tem feito uma “política ambiental horrenda” e na contramão do mundo

ao menos sete parlamentares

Verba de gabinete é usada para lucrar na internet

Deputados da base governista recorreram a empresas contratadas com dinheiro da cota parlamentar e assessores pagos pela Casa para gerir canais monetizados no YouTube

entrevista

‘Caminhamos para o precipício ambiental’, diz CEO da Suzano

Walter Schalka diz que a sustentabilidade tem de unir empresas e governo para que o Brasil possa virar uma potência ambiental no mundo

decisão da justiça

Ex-secretário, vereador e empresário de Marília tornam-se réus por fraudes

De acordo com o Ministério Público Federal, o grupo é acusado de corrupção ativa e passiva, peculato, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica.

caso queiroz

Citados em ‘rachadinha’ continuam com cargos

Ex-assessores fazem parte de uma lista de 69 pessoas que trabalharam com Flávio Bolsonaro e tiveram sigilo bancário e fiscal quebrados por decisão da Justiça em abril do ano passado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements