Menu
2019-12-20T10:40:21-03:00
Estadão Conteúdo
Balança comercial

Setor externo tem déficit de US$ 2,164 bilhões em novembro, diz BC

Estimativa do Banco Central para a dívida externa brasileira em novembro é de US$ 326,897 bilhões. Segundo a instituição, o ano de 2018 terminou com uma dívida de US$ 320,612 bilhões

20 de dezembro de 2019
10:30 - atualizado às 10:40
balança comercial
Imagem: Shutterstock

Após o déficit de US$ 7,874 bilhões em outubro, o resultado das transações correntes ficou negativo em novembro deste ano, em US$ 2,164 bilhões, informou nesta sexta-feira, 20, o Banco Central. A instituição projetava para o mês passado déficit de US$ 5,8 bilhões na conta corrente.

O número do mês passado ficou dentro do levantamento realizado pelo Projeções Broadcast, que tinha intervalo de déficit de US$ 5,800 bilhões a déficit de US$ 2,900 bilhões (mediana negativa de US$ 3,500 bilhões). O déficit de US$ 2,164 bilhões de novembro é o melhor resultado para o mês desde 2016, quando houve déficit de US$ 341,8 milhões.

A balança comercial registrou saldo positivo de US$ 2,777 bilhões em novembro, enquanto a conta de serviços ficou negativa em US$ 2,065 bilhões. A conta de renda primária também ficou deficitária, em US$ 2,916 bilhões. No caso da conta financeira, o resultado ficou negativo em US$ 2,266 bilhões.

No acumulado do ano até novembro, o rombo nas contas externas soma US$ 45,047 bilhões. A estimativa do BC, no Relatório Trimestral de Inflação (RTI) publicado na quinta-feira, 19, é de déficit em conta corrente de US$ 51,1 bilhões em 2019 e de US$ 57,7 bilhões em 2020.

Já nos 12 meses até novembro deste ano, o saldo das transações correntes está negativo em US$ 51,163 bilhões, o que representa 2,78% do Produto Interno Bruto (PIB).

Lucros e dividendos

A remessa de lucros e dividendos de companhias instaladas no Brasil para suas matrizes foi de US$ 1,827 bilhão em novembro, informou o BC. A saída líquida representa um volume inferior aos US$ 2,760 bilhões que foram enviados em igual mês do ano passado, já descontados os ingressos.

No acumulado do ano até novembro, a saída líquida de recursos via remessa de lucros e dividendos alcançou US$ 27,630 bilhões. A expectativa do BC é de que a remessa de lucros e dividendos de 2019 some US$ 32,0 bilhões. Para 2020, a projeção é de US$ 34,0 bilhões.

O BC informou também que as despesas com juros externos somaram US$ 1,100 bilhão em novembro ante US$ 1,165 bilhão em igual mês do ano passado.

No acumulado do ano até novembro, essas despesas alcançaram US$ 21,840 bilhões. Para este ano, o BC projeta pagamento de juros no valor de US$ 24,3 bilhões. No caso de 2020, a estimativa é de US$ 22,0 bilhões.

Viagens internacionais

A conta de viagens internacionais voltou a registrar déficit em novembro, informou o Banco Central. No mês passado, a diferença entre o que os brasileiros gastaram lá fora e o que os estrangeiros desembolsaram no Brasil foi de um saldo negativo de US$ 816 milhões. Em igual mês de 2018, o déficit nessa conta foi de US$ 921 milhões.

O desempenho da conta de viagens internacionais foi determinado por despesas de brasileiros no exterior, que somaram US$ 1,247 bilhão em novembro. Já o gasto dos estrangeiros em passeio pelo Brasil ficou em US$ 432 milhões no mês passado.

No ano até novembro, o saldo líquido da conta de viagens ficou negativo em US$ 10,693 bilhões. Para 2019, o BC estima um déficit de US$ 12,0 bilhões nesta conta. No caso de 2020, a projeção é de déficit de US$ 13,5 bilhões.

Dívida externa

A estimativa do Banco Central para a dívida externa brasileira em novembro é de US$ 326,897 bilhões. Segundo a instituição, o ano de 2018 terminou com uma dívida de US$ 320,612 bilhões.

A dívida externa de longo prazo atingiu US$ 253,529 bilhões em novembro, enquanto o estoque de curto prazo ficou em US$ 73,368 bilhões no fim do mês passado.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

objetivo mais ambicioso

CMN fixa meta de inflação em 3,00% para 2024, com margem de 1,5 pp

Objetivo fixado pelo governo é mais ambicioso do que nos anos anteriores e dá sequência ao processo de redução gradual da meta de inflação, iniciado em 2017

inovação

Duratex cria fundo de R$ 100 milhões para investir em startups

Fabricante de madeira, deca e revestimentos cerâmicos planeja realizar aportes em iniciativas em diferentes estágios de evolução, sendo a única cotista do fundo

FECHAMENTO

BC mais brando e novo ‘pacote Biden’ deram o que falar — com inflação em foco, dólar se firma em R$ 4,90 e Ibovespa volta aos 129 mil pontos

A moeda americana registrou o quarto dia consecutivo de queda, com a pressão do pacote de infraestrutura dos EUA e a melhora do cenário local. No mercado de juros, os investidores reduziram as apostas em uma alta agressiva da Selic na próxima reunião

Fome de propostas

Presidente da Câmara quer acelerar reformas e pautas econômicas no Congresso

Lira espera receber ainda hoje o projeto do governo para mudanças no Imposto de Renda e comprometeu-se a votar a privatização dos Correios no mês que vem

Meta ambiental

Vale triplica para até US$ 6 bi previsão de investimentos para reduzir emissões de carbono

O objetivo da empresa é reduzir 33% das emissões diretas e indiretas de carbono até 2030

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies