2019-05-15T14:19:01-03:00
Estadão Conteúdo
Transformações tecnológicas

Presidente do Banco Central defende importância do “open banking” para competitividade

Roberto Campos Neto defendeu que o sistema financeiro seja pensado no futuro com foco no papel da evolução tecnológica

15 de maio de 2019
14:19
Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central no governo Bolsonaro
Líder do BC destacou que a Agenda BC+ da instituição foi reavaliada e ampliada - Imagem: Marcos Corrêa/PR

O Banco Central (BC) divulgou nesta quarta-feira, 15, os apontamentos do presidente da instituição, Roberto Campos Neto, que discursa na abertura do Workshop Open Banking, na sede da autoridade monetária. O evento é fechado à imprensa.

"Precisamos nos dedicar ao desenho do sistema financeiro de amanhã, tendo como foco o papel da evolução tecnológica", afirmou Campos Neto, segundo o documento.

"Para o sistema financeiro, essa mudança tecnológica significa: democratizar; digitalizar; desburocratizar; e desmonetizar", completou.

Campos Neto destacou ainda que a Agenda BC+ da instituição foi reavaliada e ampliada, para promover a democratização financeira e reduzir a necessidade de financiamento do governo, abrindo assim espaço para o investimento privado.

"Considero essas premissas necessárias ao provimento dos recursos para o setor produtivo de forma ampla e em condições justas, gerando benefícios para todos os brasileiros", acrescentou.

O presidente do BC voltou a afirmar que pretende ter um "foco especial" no mercado de capitais e que trabalhará para eliminar distorções para melhorar a eficiência do mercado brasileiro. Ele citou novamente os quatro pilares de sua agenda: inclusão, competitividade, transparência e educação financeira.

Campos Neto destacou que o "Open Banking" será um instrumento importante para a competitividade no sistema financeiro.

Entre os fatores que impulsionam a tecnologia, ele elencou o uso mais intensivo e inteligente de dados granulares; a demanda da sociedade por um maior empoderamento das suas informações; e a entrada de novos players, como as fintechs, prestando serviços financeiros.

"Jurisdições como União Europeia (incluindo, o caso particular do Reino Unido), Hong Kong e Austrália, só para citar alguns exemplos, identificaram a necessidade de intervenção regulatória para tratar do assunto, de forma a assegurar o desenvolvimento do mercado e o alcance de seus objetivos, como promover a inovação e a eficiência, aumentar a competição e proteger o consumidor", lembrou o presidente.

O presidente do BC ressaltou ainda que o "Open Banking" está em linha com a edição da Lei de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), de forma que as instituições financeiras compartilharão as informações, desde que autorizadas pelos clientes.

"O Open Banking é inevitável e deve ser considerado pelas instituições como uma oportunidade e não como uma ameaça", avaliou Campos Neto.

"A experiência do cliente deve ser ágil e conveniente, mas, ao mesmo tempo, deve ser segura e confiável. A falta de confiança pode minar a usabilidade do modelo", alertou.

Campos Neto considerou ainda que o projeto de desenvolver o "Open Banking" no País é desafiador tanto para as instituições quanto para o próprio BC, mas deve ser visto como um fator relevante para se alcançar os objetivos de eficiência e inclusão.

"Para o efetivo desenvolvimento do Open Banking, todas as instituições precisam embarcar no projeto, das incumbentes às fintechs", concluiu.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

E AGORA, GOVERNADOR?

Aprovado! Bolsonaro sanciona teto do ICMS sobre combustíveis — mas Estados vão ficar sem benefícios e compensações

Presidente ainda aprovou a proposta de zerar os impostos federais sobre a gasolina e o etanol

EM BUSCA DE INOVAÇÃO

Por que a Suzano (SUZB3) decidiu criar um fundo de US$ 70 milhões para investir em startups

A Suzano Ventures deve investir em até 35 startups, em estágios pré-seed, seed e Série A; a empresa quer se transformar em uma plataforma global no ecossistema de inovação e sustentabilidade

PROBABILIDADES

Mais que a Mega Sena: Quina de São João promete prêmio de R$ 200 milhões; veja como aumentar as chances de ficar milionário

Você sabia que existe como aumentar suas chances de acertar as cinco dezenas da Quina? Entenda como nesta matéria

Novidade boa

Conheça o projeto no Congresso que pode mudar (para melhor) o investimento em previdência privada

Projeto de Lei permite a participante de plano de previdência optar pela tabela de imposto de renda mais vantajosa para si até o momento de começar a resgatar ou receber renda; hoje, escolha só é possível após contratação do plano ou portabilidade

SEXTOU COM O RUY

Quando crescer via aquisições pode ser uma boa para empresas na bolsa — e quando pode ser um desastre

Assim como o investimento em ações, normalmente o que define se as fusões e aquisições serão bem-sucedidas é o preço do negócio

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies