Menu
2019-05-15T14:19:01-03:00
Estadão Conteúdo
Transformações tecnológicas

Presidente do Banco Central defende importância do “open banking” para competitividade

Roberto Campos Neto defendeu que o sistema financeiro seja pensado no futuro com foco no papel da evolução tecnológica

15 de maio de 2019
14:19
Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central no governo Bolsonaro
Líder do BC destacou que a Agenda BC+ da instituição foi reavaliada e ampliada - Imagem: Marcos Corrêa/PR

O Banco Central (BC) divulgou nesta quarta-feira, 15, os apontamentos do presidente da instituição, Roberto Campos Neto, que discursa na abertura do Workshop Open Banking, na sede da autoridade monetária. O evento é fechado à imprensa.

"Precisamos nos dedicar ao desenho do sistema financeiro de amanhã, tendo como foco o papel da evolução tecnológica", afirmou Campos Neto, segundo o documento.

"Para o sistema financeiro, essa mudança tecnológica significa: democratizar; digitalizar; desburocratizar; e desmonetizar", completou.

Campos Neto destacou ainda que a Agenda BC+ da instituição foi reavaliada e ampliada, para promover a democratização financeira e reduzir a necessidade de financiamento do governo, abrindo assim espaço para o investimento privado.

"Considero essas premissas necessárias ao provimento dos recursos para o setor produtivo de forma ampla e em condições justas, gerando benefícios para todos os brasileiros", acrescentou.

O presidente do BC voltou a afirmar que pretende ter um "foco especial" no mercado de capitais e que trabalhará para eliminar distorções para melhorar a eficiência do mercado brasileiro. Ele citou novamente os quatro pilares de sua agenda: inclusão, competitividade, transparência e educação financeira.

Campos Neto destacou que o "Open Banking" será um instrumento importante para a competitividade no sistema financeiro.

Entre os fatores que impulsionam a tecnologia, ele elencou o uso mais intensivo e inteligente de dados granulares; a demanda da sociedade por um maior empoderamento das suas informações; e a entrada de novos players, como as fintechs, prestando serviços financeiros.

"Jurisdições como União Europeia (incluindo, o caso particular do Reino Unido), Hong Kong e Austrália, só para citar alguns exemplos, identificaram a necessidade de intervenção regulatória para tratar do assunto, de forma a assegurar o desenvolvimento do mercado e o alcance de seus objetivos, como promover a inovação e a eficiência, aumentar a competição e proteger o consumidor", lembrou o presidente.

O presidente do BC ressaltou ainda que o "Open Banking" está em linha com a edição da Lei de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), de forma que as instituições financeiras compartilharão as informações, desde que autorizadas pelos clientes.

"O Open Banking é inevitável e deve ser considerado pelas instituições como uma oportunidade e não como uma ameaça", avaliou Campos Neto.

"A experiência do cliente deve ser ágil e conveniente, mas, ao mesmo tempo, deve ser segura e confiável. A falta de confiança pode minar a usabilidade do modelo", alertou.

Campos Neto considerou ainda que o projeto de desenvolver o "Open Banking" no País é desafiador tanto para as instituições quanto para o próprio BC, mas deve ser visto como um fator relevante para se alcançar os objetivos de eficiência e inclusão.

"Para o efetivo desenvolvimento do Open Banking, todas as instituições precisam embarcar no projeto, das incumbentes às fintechs", concluiu.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Energia elétrica

IPCA pode ir a 6,5% na bandeira vermelha

A bandeira vermelha 2, que tem custo adicional de R$ 6,243, iria a R$ 7,571 caso adotada a proposta da consulta pública

Esquenta dos Mercados

Relatório da inflação, leitura do PIB dos EUA e queda de ministro devem guiar a bolsa hoje

Assim como uma noite no deserto, o investidor deve ficar atento aos sinais para atravessar um momento de dificuldade

Volta ao original

Câmara rejeita emendas do Senado e retoma texto original de MP que eleva imposto para bancos

Deputados retomaram a alíquota de 25% na CSLL também para as agências de fomento e bancos de desenvolvimento estaduais

Para dar e vender

Defensivas e com potencial de crescimento: como as ações do setor de saúde ainda podem dar muitas alegrias na bolsa

A combinação de baixo endividamento, bons níveis de caixa e espaço para consolidação tornam as ações do segmento muito atrativas, segundo analistas

Fernando Cirne

A importância das fusões e aquisições para a Locaweb

Já avaliamos mais de 1.900 empresas e, desde o IPO, concluímos 10 importantes aquisições, que se somaram às outras seis concretizadas antes da abertura de capital

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies