Menu
2019-12-20T17:11:51-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
na ponta do lápis

Estatais federais pagaram R$ 16,3 bi em dividendos para a União até setembro

Resultado dos nove primeiros meses do ano já é 40% maior do que todos os dividendos pagos em 2018, de R$ 11,6 bilhões

20 de dezembro de 2019
15:02 - atualizado às 17:11
banco-do-brasil
Banco do Brasil - Imagem: Shutterstock

As estatais federais já pagaram R$ 16,3 bilhões em dividendos para a União neste ano, de acordo com informações do Ministério da Economia. O valor foi desembolsado pelas cinco principais empresas - BNDES, Banco do Brasil, Caixa, Petrobras e Eletrobras. O resultado dos nove primeiros meses do ano já é 40% maior do que todos os dividendos pagos em 2018, de R$ 11,6 bilhões.

Esse resultado ainda pode aumentar até o fim do ano, afirmou o secretário de Coordenação e Governança das Empresas Estatais do Ministério da Economia, Fernando Antonio Ribeiro Soares. "São dividendos estruturais, que vêm de resultados efetivos das empresas, decorrentes de reestruturação, ajustes, corte de custos e desinvestimentos", comentou.

A soma de dividendos de janeiro a setembro também supera todo o valor pago nos anos de 2015, 2016 e 2017, respectivamente R$ 14,5 bilhões, R$ 3,7 bilhões e R$ 7,4 bilhões. Esses recursos entram no caixa do Tesouro Nacional e ajudam a reduzir o déficit primário.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Os aportes da União ao conjunto de estatais, por outro lado, atingiram o menor valor desde 2012. Até o terceiro trimestre, foram R$ 1,5 bilhão. Há sete anos, foram R$ 700 milhões. Os dados integram o Boletim das Empresas Estatais Federais do terceiro trimestre.

Os cortes, aliados aos desinvestimentos - vendas de subsidiárias -, contribuíram também para a redução do endividamento do conjunto das empresas federais.

O pico, em 2015, foi de R$ 544 bilhões, valor que caiu para R$ 325 bilhões no terceiro trimestre deste ano. De acordo com Soares, a maior contribuição veio da Petrobras, que tem apostado na venda de ativos para reduzir a dívida e privilegiar a exploração de petróleo em águas profundas.

A venda de subsidiárias elevou o lucro das companhias. O resultado líquido no terceiro trimestre das cinco maiores estatais atingiu R$ 85,192 bilhões, ante R$ 50,207 bilhões no mesmo período do ano passado. As estatais dependentes ainda não fecharam seus resultados para o período. "É claro que o mercado como um todo está crescendo, mas tem muita coisa boa sendo feita nas estatais, o que justifica também esse resultado", disse Soares.

Um dos maiores alvos das políticas de corte de custos, o número de empregados do conjunto de estatais federais também caiu. No terceiro trimestre deste ano, o contingente era de 481.850, ante 496.412 em 2018. O pico foi em 2014, quando havia 552.856 funcionários, e desde então o número cai ano a ano.

"Continuamos firmes no trabalho de enxugamento de pessoal", disse Soares. Nos últimos três anos, a despesa com pessoal caiu tanto em termos nominais quanto reais, e os reajustes salariais também ficaram abaixo da inflação - exceto aqueles aprovados em convenções coletivas ou determinados por decisões judiciais. "O objetivo é efetivamente reduzir as despesas com pessoal, e não tirar pessoas", afirmou Soares.

Receita de Dividendos ao Tesouro

O Tesouro Nacional prevê arrecadar R$ 20,8 bilhões em dividendos de empresas estatais em 2019, segundo relatório divulgado nesta sexta-feira, 20, pelo órgão. Praticamente metade desse resultado (R$ 9,5 bilhões) virá do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que mudou sua política de dividendos este ano para pagar à União o máximo permitido, dada sua condição financeira.

O valor das receitas com dividendos é o maior dos últimos anos e retoma patamares de 2014, quando foram arrecadados R$ 18,9 bilhões na esteira da necessidade da União de engordar o caixa e evitar o descumprimento da meta fiscal. Na época, o governo fez um "esforço" que resultou no aumento dos repasses de dividendos pelas empresas, muitas vezes em detrimento de manter recursos em caixa para fazer investimentos.

Neste ano, o governo também contou com a ajuda de dividendos para desbloquear recursos do Orçamento em meados de 2019. Até outubro, segundo dados do relatório mensal do Tesouro, já foram recebidos R$ 15 bilhões em dividendos.

Mas os integrantes da área econômica ressaltam que hoje as políticas de dividendos das estatais são mais saudáveis, garantindo que o repasse seja feito até um limite.

Pela lei, empresas abertas são obrigadas a repassar no mínimo 25% do lucro líquido aos acionistas. Geralmente, no início do ano, as empresas pagam dividendos referentes ao lucro líquido do ano anterior, após fechar os resultados, mas a legislação permite antecipações parciais num mesmo ano.

No caso do BNDES, por exemplo, o banco aprovou uma política interna de dividendos que limitou o repasse à União a 60% do lucro líquido. O pagamento também deve observar o gerenciamento de riscos de capital.

Além do BNDES, os demais bancos públicos e a Petrobras também são grandes fontes de dividendos este ano. Pelas estimativas do Tesouro, a Caixa deve pagar R$ 4,8 bilhões até o fim do ano, enquanto o Banco do Brasil, R$ 3,7 bilhões. Já a Petrobras deve repassar à União R$ 1,3 bilhão.

Valor patrimonial

O recorde de dividendos acompanha a melhora no resultado das empresas estatais. Além disso, essas companhias tiveram um aumento no seu valor patrimonial, que chegou a R$ 319 bilhões no ano passado.

O valor volta ao patamar de 2014, quando estava em R$ 314 bilhões, antes da crise econômica e do auge das investigações da Operação Lava Jato que atingiram em cheio a Petrobras. Em 2015, esse valor caiu a R$ 205 bilhões, passando a R$ 229 bilhões no ano seguinte e R$ 270 bilhões em 2017.

Na avaliação do governo, o dado mostra que as empresas recuperaram credibilidade e que a percepção sobre sua saúde financeira e governança melhorou nos últimos anos.

Gastos para manter dependentes

Ainda no tema das estatais, o governo federal gastou R$ 16,148 bilhões em 2018 para manter o funcionamento de 18 empresas estatais dependentes do Tesouro Nacional. Os dados constam em um relatório divulgado nesta sexta-feira pelo órgão.

O dinheiro não vai para investimentos, mas sim para custeio e pagamento de pessoal. O valor é maior que o dobro dos dividendos recebidos das empresas em que a União é acionista, que somaram R$ 7,7 bilhões no ano passado.

Uma empresa é dependente quando ela não gera receitas suficientes para bancar suas despesas correntes com custeio e salários. Quatro das 18 estatais são 100% dependentes, ou seja, a União é responsável por todos os seus gastos, sem nenhum retorno financeiro.

O gasto com essas empresas tem crescido ano a ano. Em 2014, era de R$ 9,856 bilhões. No ano passado, o valor ficou 9% acima de 2017 e 64% maior que o verificado em 2014. Os dados são do Boletim de Participações Societárias da União.

A equipe econômica tem planos para vender ou extinguir algumas dessas empresas, mas enfrenta resistências nos ministérios a que essas estatais são ligadas. Sem grandes avanços, neste ano o custo dessas empresas pode chegar próximo a R$ 20 bilhões, drenando todas as receitas com dividendos recebidas das empresas em 2019. A estimativa do Tesouro é que a arrecadação com dividendos termine este ano em R$ 20,8 bilhões.

Em 2018, o maior gasto foi com a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), vinculada ao Ministério da Educação e que é responsável pelos hospitais universitários. O Tesouro desembolsou R$ 4,54 bilhões com a empresa, um aumento de 25% ante o ano anterior e 757% na comparação com 2014. A empresa tem 90% de suas receitas oriundas do Orçamento da União.

Em seguida vem a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), vinculada ao Ministério da Agricultura, com uma subvenção de R$ 3,454 bilhões.

"Dentre as 18 empresas estatais federais dependentes, 14 tinham um grau de dependência superior a 80% em 2018. Ou seja, as subvenções representaram mais de 80% de toda a receita obtida por esse conjunto de empresas", informa o boletim do Tesouro.

Mesmo com o recebimento dessas subvenções, o Tesouro destacou que essas empresas dependentes têm registrado prejuízos recorrentes. Entre 2014 e 2018, só não houve prejuízo líquido no ano passado - quando houve lucro de R$ 1,198 bilhão no conjunto das 18 empresas. Ainda assim, descontando as receitas vindas da União, verifica-se que as estatais tiveram prejuízo líquido de R$ 14,877 bilhões no ano passado.

Lista das empresas dependentes e subvenção em 2018

  • Amazul - R$ 326,8 milhões
  • Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) - R$ 965,6 milhões
  • Ceitec - R$ 69,8 milhões
  • Codevasf - R$ 622,6 milhões
  • Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) - R$ 890,2 milhões
  • Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM) - R$ 538,6 milhões
  • Empresa Brasil de Comunicação (EBC) - R$ 478,3 milhões
  • Ebserh - R$ 4,540 bilhões
  • Embrapa - R$ 3,545 bilhões
  • Empresa de Pesquisa Energética (EPE) - R$ 111,9 milhões
  • Empresa de Planejamento e Logística (EPL) - R$ 66,3 milhões
  • Hospital de Clínicas de Porto Alegre - R$ 1,132 bilhão
  • Hospital Nossa Senhora da Conceição - R$ 1,433 bilhão
  • Indústria de Material Bélico do Brasil (IMBEL) - R$ 152,2 milhões
  • Indústrias Nucleares do Brasil (INB) - R$ 374,7 milhões
  • Nuclep - R$ 356,3 milhões
  • Trensurb - R$ 286,4 milhões
  • Valec - R$ 256,5 milhões

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Petrobras à beira da privatização

Caro leitor, São grandes as expectativas do mercado em torno das vendas de ativos estatais para o setor privado durante o governo Jair Bolsonaro. Recentemente, o secretário especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados, Salim Mattar, disse que a meta do governo federal é levantar R$ 150 bilhões em privatizações apenas em 2020. Mas Bolsonaro já […]

De volta aos 118 mil pontos

Noticiário corporativo dá as cartas e Ibovespa sobe mais de 1%; dólar cai a R$ 4,17

Num dia de calmaria no exterior, o Ibovespa fechou em alta firme, impulsionado pelo bom desempenho das ações das siderúrgicas, da Eletrobras e do setor de papel e celulose.

PETRÓLEO

Campo de Lula permanece em 2019 como o maior produtor de petróleo do Brasil

Primeiro campo supergigante brasileiro, Lula foi descoberto em 2006, representando hoje 34,2% da produção do País

PETRÓLEO

Produção de petróleo no Brasil cresce 7,78% em 2019, diz ANP

A maior alta foi registrada pela produção de petróleo na região do pré-sal, de 21,56%, para 633,9 milhões de barris, segundo agência

MAIS ESCLARECIMENTOS

Contrato para abrir ‘caixa-preta’ é da gestão Temer, diz presidente do BNDES

“Não foi esta diretoria que contratou a auditoria. Chegamos em julho no banco e 90% do relatório estava pronto”, afirmou Montezano

OLHO NO VAREJO

XP diz que ações de varejistas não estão caras e coloca Lojas Renner, Via Varejo e Vivara entre as apostas para setor

Para o analista, a alta nos múltiplos é reflexo do aumento das expectativas dos investidores com a melhora do consumo e expansão das varejistas. Mas ponderou que, ao mesmo tempo, tal fato diminui a margem de erro por parte das empresas

Altas e baixas

Eletrobras, siderúrgicas, Marfrig, JBS e Klabin: os destaques do Ibovespa nesta quarta-feira

As ações da Eletrobras reagiram positivamente à recomendação de compra pelo Itaú BBA. Siderúrgicas e Klabin também subiram, enquanto Marfrig e JBS caíram

em compasso de espera

Gol nega revés após Boeing adiar novamente retorno do 737 MAX

Modelo foi suspenso por autoridades em todo o mundo após dois acidentes deixarem centenas de mortos no fim de 2018 e início de 2019

de olho na avaliação

Aprovação de Bolsonaro cai para 47,8% em um ano, diz CNT/MDA

O chefe do Planalto, no entanto, se recuperou quando a comparação ocorre entre a última pesquisa, em agosto, e agora

Bolada no Caixa

BNDES vai repassar R$ 15 bilhões em dividendos para a União

Receita de dividendos do BNDES em 2019 “salvou” o governo num momento em que o Orçamento estava bloqueado e alguns órgãos da Esplanada dos Ministérios operando numa situação de quase paralisação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements