Menu
2019-05-28T16:11:20-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.

Para Itaú, PIB deve decepcionar mais vezes nas próximas projeções

Mesmo sem a divulgação dos resultados deste trimestre, o economista-chefe do Itaú, Mário Mesquita, diz que está preocupado

28 de maio de 2019
13:25 - atualizado às 16:11
Mario Mesquita, economista-chefe do Itaú Unibanco
Mario Mesquita, economista-chefe do Itaú Unibanco - Imagem: Solange Macedo/Itaú

Depois de cortar a estimativa para o PIB do primeiro trimestre para uma queda de 0,2%, o economista-chefe do Itaú, Mário Mesquita, destacou hoje (28) em um evento para jornalistas que a próxima projeção também é preocupante.

Segundo as estimativas preliminares do banco, o PIB deve crescer cerca de 0,1% no próximo trimestre. Mesmo sem a divulgação do PIB do primeiro trimestre - que ocorre nesta quinta (30) -, Mesquita disse que a fraca produção e os dados ruins em termos de crédito e confiança do empresário mostram sinais de alerta.

Dos últimos dados divulgados, o único que veio mais positivo são os do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e que mostraram criação de quase 130 mil vagas.

Já para o ano de 2019, a estimativa, que foi cortada várias vezes nos últimos meses, é de avanço de 1% e de 2% em 2020.

Falta investimento

Segundo as projeções do banco, um dos pontos que preocupam é a produção fraca que está ligada ao baixo investimento público e privado. Nas estimativas dos analistas, os investimentos devem ter queda de 1,1%.

Alguns dos potenciais fatores para o declínio estão relacionados ao ambiente global de desaceleração. E isso já tem tido consequências no âmbitos dos negócios. Na opinião de Mesquita, a fusão recente da Fiat Chrysler com a Renault é um exemplo claro de uma tentativa de superar a falta de investimento e alavancar a produção.

Para ele, outro ponto de atenção é a reforma da Previdência. O economista-chefe disse que ela é necessária para que haja ajuste fiscal, mas fez ressalvas ao destacar que "a reforma é necessária, mas não é tudo".

Na visão de Mesquita, a partir de segunda-feira com a divulgação do resultado, o economista espera que o governo busque mais medidas para estimular a infraestrutura e otimizar os investimentos.

Vai Selic!

Ainda segundo os economistas presentes, a reforma da Previdência deve passar no segundo semestre e se isso ocorrer haverá espaço suficiente para que o Banco Central faça mais um corte da taxa de juros, a partir de setembro deste ano.

"A inflação está benigna e o país tem capacidade ociosa suficiente para conseguir voltar a produzir em larga escala e cortar alguns preços no curto prazo. O aumento de preço que tivemos estava ligado mais a alguns choques temporários. Passado isso, a sinalização é mais positiva", destacou Mesquita.

Ainda assim, o economista alertou que mesmo que a inflação siga uma tendência mais benigna é preciso ficar de olho no câmbio. "Ele segue sendo o potencial de alta da inflação, se a reforma não avançar", afirmou Mesquita.

Mundo afora

Mas não é só no Brasil que as projeções estão menos otimistas. Os números estão em linha com a redução das expectativas de crescimento global e de grandes potências como China e Estados Unidos.

Segundo as estimativas do banco, as economias norte-americanas e chinesas, por exemplo, devem ter crescimento de 2,4% e de 6,2% em 2019, respectivamente. Da mesma forma, a expectativa de crescimento da economia global em 2019 está em 3.3%.

Apenas a título de comparação, a economia norte-americana cresceu 2,9% e o PIB chinês aumentou 6,6% no ano passado.

EUA X China

E a guerra comercial pode impactar bastante no PIB dos Estados Unidos e da China, assim como de outros países mais. De acordo com as estimativas dos analistas do Itaú, o PIB dos norte-americanos, por exemplo, pode ter uma queda de 0,4 pontos percentuais no total por conta da elevação em 25% das tarifas sobre produtos chineses feita por Trump neste mês.

Já a China pode ter um declínio de 0,9 pontos percentuais em seu PIB, enquanto o crescimento mundial pode ter uma queda de 0,7 pontos percentuais graças à mudança na taxação entre as duas grandes potências mundiais.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Socorro

Parecer no Senado inclui trabalhador intermitente no auxílio emergencial

Senado Federal vai estender o auxílio emergencial de R$ 600 a trabalhadores intermitentes que estão com o vínculo inativo, ou seja, não estão atuando no momento

Associações fazem cobrança

Varejistas encaminham lista de pedidos e cobram agilidade de BC e ministério

Conjunto de cinco associações nacionais de varejistas disparou na manhã desta segunda-feira, 30, uma lista de pedidos para que o governo federal agilize medidas de socorro à economia brasileira

Demissões

Até 40% das empresas cortaram pessoal por pandemia, diz Fed de Nova York

Levantamento do Fed aponta que 40% das empresas do setor de serviços e 30% daquelas do setor manufatureiro estão informando reduções de pessoal

Já caiu tudo o que tinha?

Recuperação será firme, mas não se sabe se mercado chegou ao fundo do poço, diz CEO da BlackRock

“Por mais dramático que isto tenha sido, acredito que a economia se recuperará de modo firme, em parte porque a situação carece de alguns dos obstáculos à recuperação de uma crise financeira típica”, escreveu Fink

Altas e baixas

Klabin, Eletrobras, Ultrapar e BR Distribuidora: os destaques do Ibovespa nesta segunda-feira

As units da Klabin (KLBN11) reagem positivamente à compra de ativos da IP Brasil, enquanto as ações da Eletrobras sobem após o balanço trimestral da companhia

recomendação

Magazine Luiza, Pão de Açúcar e Vivara são melhores opções do varejo, diz XP

Corretora divide as ações das empresas em duas categorias: ganhadoras de curto prazo – o que inclui serviços essenciais – e de longo prazo – varejistas com sólido caixa

período é de crise

GM propõe suspensão temporária de contratos e redução de salários, diz sindicato

Liberação dos funcionários foi uma reivindicação do sindicato, por meio de licença remunerada e sem redução dos salários.

diante da crise

Paradas, pequenas empresas não têm fôlego nem para um mês

Segundo especialistas, a maioria não tem fluxo de caixa suficiente para bancar um período longo sem receitas

Riscos

Metade das grandes empresas tem caixa para suportar até 3 meses sem receita

Metade das empresas de capital aberto tem recursos para aguentar até três meses sem faturar, segundo levantamento com 245 companhias

Horizonte negativo

Fitch revisa perspectiva do setor bancário do Brasil de estável para negativa

Segundo a Fitch, o choque macroeconômico global por causa da doença impõe “desafios de execução para todos os setores no Brasil”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements