Menu
2019-05-28T16:11:20-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.

Para Itaú, PIB deve decepcionar mais vezes nas próximas projeções

Mesmo sem a divulgação dos resultados deste trimestre, o economista-chefe do Itaú, Mário Mesquita, diz que está preocupado

28 de maio de 2019
13:25 - atualizado às 16:11
Mario Mesquita, economista-chefe do Itaú Unibanco
Mario Mesquita, economista-chefe do Itaú Unibanco - Imagem: Solange Macedo/Itaú

Depois de cortar a estimativa para o PIB do primeiro trimestre para uma queda de 0,2%, o economista-chefe do Itaú, Mário Mesquita, destacou hoje (28) em um evento para jornalistas que a próxima projeção também é preocupante.

Segundo as estimativas preliminares do banco, o PIB deve crescer cerca de 0,1% no próximo trimestre. Mesmo sem a divulgação do PIB do primeiro trimestre - que ocorre nesta quinta (30) -, Mesquita disse que a fraca produção e os dados ruins em termos de crédito e confiança do empresário mostram sinais de alerta.

Dos últimos dados divulgados, o único que veio mais positivo são os do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e que mostraram criação de quase 130 mil vagas.

Já para o ano de 2019, a estimativa, que foi cortada várias vezes nos últimos meses, é de avanço de 1% e de 2% em 2020.

Falta investimento

Segundo as projeções do banco, um dos pontos que preocupam é a produção fraca que está ligada ao baixo investimento público e privado. Nas estimativas dos analistas, os investimentos devem ter queda de 1,1%.

Alguns dos potenciais fatores para o declínio estão relacionados ao ambiente global de desaceleração. E isso já tem tido consequências no âmbitos dos negócios. Na opinião de Mesquita, a fusão recente da Fiat Chrysler com a Renault é um exemplo claro de uma tentativa de superar a falta de investimento e alavancar a produção.

Para ele, outro ponto de atenção é a reforma da Previdência. O economista-chefe disse que ela é necessária para que haja ajuste fiscal, mas fez ressalvas ao destacar que "a reforma é necessária, mas não é tudo".

Na visão de Mesquita, a partir de segunda-feira com a divulgação do resultado, o economista espera que o governo busque mais medidas para estimular a infraestrutura e otimizar os investimentos.

Vai Selic!

Ainda segundo os economistas presentes, a reforma da Previdência deve passar no segundo semestre e se isso ocorrer haverá espaço suficiente para que o Banco Central faça mais um corte da taxa de juros, a partir de setembro deste ano.

"A inflação está benigna e o país tem capacidade ociosa suficiente para conseguir voltar a produzir em larga escala e cortar alguns preços no curto prazo. O aumento de preço que tivemos estava ligado mais a alguns choques temporários. Passado isso, a sinalização é mais positiva", destacou Mesquita.

Ainda assim, o economista alertou que mesmo que a inflação siga uma tendência mais benigna é preciso ficar de olho no câmbio. "Ele segue sendo o potencial de alta da inflação, se a reforma não avançar", afirmou Mesquita.

Mundo afora

Mas não é só no Brasil que as projeções estão menos otimistas. Os números estão em linha com a redução das expectativas de crescimento global e de grandes potências como China e Estados Unidos.

Segundo as estimativas do banco, as economias norte-americanas e chinesas, por exemplo, devem ter crescimento de 2,4% e de 6,2% em 2019, respectivamente. Da mesma forma, a expectativa de crescimento da economia global em 2019 está em 3.3%.

Apenas a título de comparação, a economia norte-americana cresceu 2,9% e o PIB chinês aumentou 6,6% no ano passado.

EUA X China

E a guerra comercial pode impactar bastante no PIB dos Estados Unidos e da China, assim como de outros países mais. De acordo com as estimativas dos analistas do Itaú, o PIB dos norte-americanos, por exemplo, pode ter uma queda de 0,4 pontos percentuais no total por conta da elevação em 25% das tarifas sobre produtos chineses feita por Trump neste mês.

Já a China pode ter um declínio de 0,9 pontos percentuais em seu PIB, enquanto o crescimento mundial pode ter uma queda de 0,7 pontos percentuais graças à mudança na taxação entre as duas grandes potências mundiais.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

O melhor do seu dinheiro

O preço do diesel e o cobertor curto

Na briga do presidente Jair Bolsonaro para tentar baixar o preço dos combustíveis e do gás de cozinha no país, não foi só a Petrobras que apanhou. Pode ser que sobre também para os bancos. E na bolsa, as ações das instituições financeiras já sofreram um bocado nesta segunda-feira por causa disso. Tudo ia bem […]

FECHAMENTO

Brasília força Ibovespa a pisar no freio e bolsa quase zera ganhos após avançar mais de 2%; dólar fica estável

No exterior, as bolsas tiveram dias de ganho expressivo, com os mercados repercutindo de forma positiva a aprovação do pacote de estímulos americano e uma nova opção de vacina

Proposta na mesa

Aumento de tributação aos bancos está sendo discutido para compensar a desoneração do diesel

A lógica proposta seria da CSLL subir para compor a compensação dos tributos com o intuito de zerar a tributação do diesel e do gás de cozinha, tendo um custo total de quase R$ 3,6 bilhões.

Concentrado

Foco de Biden é a aprovação do pacote de US$ 1,9 trilhão, diz Casa Branca

O texto foi avalizado pela Câmara dos Representantes no fim de semana e ainda precisa ser analisado pelo Senado.

Casamento do ano?

Fusão de Hapvida e Intermédica deve revolucionar setor de saúde, apontam analistas; ações sobem mais de 5%

Para analistas, união das companhias não deve encontrar grandes dificuldades para conseguir aprovação do Cade, com o ponto mais crítico sendo, possivelmente, Minas Gerais, onde ambas concentram 16% do mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies