Menu
2019-10-14T14:22:00-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Novo método

PT quer prévia entre partidos de centro-esquerda para escolher candidato a prefeito em SP

Sugestão foi apresentada pelo vereador Eduardo Suplicy em uma reunião dos diretórios zonais do PT de São Paulo

25 de junho de 2019
17:40 - atualizado às 14:22
Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente do Brasil
Imagem: Shutterstock

O PT de São Paulo discute internamente abrir negociação com os demais partidos de centro-esquerda (PSB, PDT, PSOL e PCdoB) a indicação de um candidato único à Prefeitura de São Paulo. A ideia é reunir os partidos em torno de um programa comum e, a partir disso, escolher o candidato por meio de prévias que envolveriam todos as legendas.

A sugestão foi apresentada pelo vereador Eduardo Suplicy em uma reunião dos diretórios zonais do PT de São Paulo, cerca de duas semanas atrás, e ganhou o apoio de outras lideranças petistas como o deputado Carlos Zarattini (PT-SP), um dos pré-candidatos do partido à sucessão de Bruno Covas (PSDB).

"Primeiro os partidos discutem um programa para a cidade. Depois chegam a um acordo para a escolha do nome permitindo que todos partidos apresentem nomes. Pode ser uma prévia ou uma consulta", disse Zarattini. "É claro que o PT teria mais vantagem por causa do tamanho e da força, mas não podemos fechar a porta".

Além dele, outros dois nomes se colocam como pré-candidatos no PT: o deputado Paulo Teixeira e o ex-deputado Jilmar Tatto. Em reunião realizada na semana passada, o Grupo de Trabalho Eleitoral (GTE) do PT nacional avaliou que nenhum dos três tem chances reais de vencer a eleição.

Outros nomes como o do ex-ministro Aloizio Mercadante e da professora Ana Estela Haddad, mulher do ex-prefeito Fernando Haddad, foram sondados mas se recusaram. O próprio Haddad foi citado pela presidente do PT, Gleisi Hoffmann, como possível candidato, mas tem dito que não vai concorrer.

A falta de nomes competitivos fez com que dirigentes do PT cogitassem a possibilidade de o partido pela primeira vez em sua história não lançar candidato próprio à prefeitura da maior cidade do Brasil, governada três vezes pela legenda.

Lideranças próximas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendem que o PT apoie o ex-governador Marcio França (PSB). Forças ligadas à Gleisi preferem Guilherme Boulos (PSOL).

Zarattini negou que o PT não tenha nomes competitivos para disputar a prefeitura. "O PT tem nome. Queremos a unidade e queremos um programa comum", disse ele.

A proposta de prévias entre os cinco partidos é vista com ceticismo entre os aliados. Todos eles já têm estratégias avançadas para a disputa municipal do ano que vem. O PCdoB deve lançar candidato próprio (a ex-vice-prefeita Nadia Campeão ou o deputado Orlando Silva) como parte da tática para vencer a cláusula de barreira. O PSOL deve lançar Boulos e o PSB, França, que teve grande votação na capital paulista na disputa pelo governo. E o PDT tenta convencer a deputada Tábata Amaral, um dos destaques da nova legislatura, a concorrer pelo partido.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Gestão na crise

Ouro e euro: a combinação do BTG Pactual para proteção e reserva de valor na crise

Fundamentos para alta do ouro continuam válidos, mas não espere um “boom” do metal após valorização recente, diz José Lúcio do Nascimento, sócio e gestor da BTG Asset

Exclusivo SD Premium

Segredos da bolsa: O cachorro louco segue à solta nos mercados

Agenda repleta de balanços corporativos e indicadores econômicos importantes no Brasil, na China, nos EUA e na Europa promete deixar os investidores com os nervos à flor da pele esta semana

Balanço

Saudi Aramco vê lucro cair 73,3% com menor demanda e queda do preço do petróleo

Estatal saudita lucrou apenas US$ 6,6 bilhões no segundo trimestre, em razão de crise desencadeada pela pandemia de coronavírus

Para bater a renda fixa

Queda na bolsa no mês de julho deixou retorno dos fundos imobiliários mais atrativo

Para analistas do Banco Inter, queda dos FII em julho foi apenas um ajuste; com juro baixo e preço menor, rentabilidade potencial cresceu

O tamanho da conta

Conta da pandemia chega a R$ 700 bilhões

Segundo levantamento do Estadão, pandemia deve custar isso só em 2020, o equivalente a quase 10% do PIB e a R$ 3,3 mil para cada brasileiro. Quantia seria suficiente para pagar o Bolsa Família por 21 anos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements