Menu
2019-04-11T11:55:44-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Investimentos

RB Capital lança plataforma de investimentos que já nasce com R$ 1,1 bilhão

Empresa tem mais de 20 anos no mercado e aposta na reputação conquistada junto aos investidores profissionais para atrair a pessoa física

11 de abril de 2019
5:02 - atualizado às 11:55
Investimentos; moedas
Investimentos: Imagem: Shutterstock

O investidor pessoa física conta com mais uma opção de plataforma para realizar seus investimentos em renda fixa, renda variável, fundos, ações e Tesouro Direto. A RB Capital, que tem 20 anos no mercado e mais de R$ 35 bilhões em produtos financeiros emitidos, lançou a RB Investimentos.

Como a oferta de plataformas abertas é crescente, a pergunta que surge, naturalmente, é o que essa plataforma tem ou terá de diferente das demais concorrentes, como XP, Órama, Easyinvest e outras.

Ninguém melhor para responder do que a própria empresa e foi sobre isso que conversei com sócio-diretor da RB Investimentos, Adalbero Cavalcanti.

“Pegamos a nossa história, o fato de estarmos no mercado há tanto tempo. Para nós, essa reputação que construímos é um diferencial”, afirma.

Segundo Cavalcanti, o nome RB Capital é muito presente entre os investidores qualificados e profissionais, pois ao longo dos anos de atuação, esse público já teve bastante contato com a empresa e seus produtos de securitização, CRIs, fundos imobiliários, debentures entre outros.

Esse público, explica Cavalcanti, têm uma preocupação com quem são as pessoas que estão sustentando a plataforma, com a história, a reputação, para onde o dinheiro está sendo enviado.

“O investidor em geral não tem essa percepção de risco que vai além do produto, como governança, compliance, reputação”, afirma.

Sinal da confiança na RB Capital é que a plataforma nasce “bem formada”, segundo Cavalcanti, com cerca de R$ 1,1 bilhão em ativos e quase mil clientes, que chegaram por meio de parcerias com agentes autônomos, gestores, family offices e consultores, que se dispuseram a participam do projeto quando souberem dele.

“Não somos uma startup ou algo que está saindo do zero. Isso é importante para a gente, pois antes de lançar, já ter esse reconhecimento todo de parceiros é muito importante. É um carimbo de estar acreditando na plataforma que estamos desenvolvendo”, avalia.

Esse bom relacionamento com os agentes que prestam serviço para pessoas físicas e precisam de plataforma e produtos é um ponto que a empresa vai explorar para perseguir a meta de conseguir entre R$ 30 bilhões a R$ 40 bilhões dentro de cinco anos.

A plataforma é aberta e já conta com cerca de 40 fundos de 20 gestores e emissores bancários diferentes. Até o fim do mês, operações de Tesouro Direto estarão disponíveis e, em maio, deve começar a funcionar o “Home Broker”, cobrindo ações, derivativos e fundos imobiliários, setor no qual a RB também atua. Não há cobrança de custódia ou custo para abertura de conta.

Investidor quer e precisa de um bom produto

“No fim do dia, o investidor quer que o dinheiro dele renda o máximo possível dentro do seu perfil de risco. E para fazer o dinheiro dele render, a solução é o produto”, diz Cavalcanti.

Segundo Cavalcanti, ao observar as demais plataformas e suas grades de produtos há uma intersecção muito grande, coisa de 90% ou mais são praticamente a mesma coisa, os mesmos gestores, mesmas ofertas, mesmos emissores bancários.

“Queremos pegar o que fizemos esse tempo todo e oferecer para investidores e parceiros produtos realmente diferenciados, produtos que só nós temos, pois originamos, estruturamos e distribuímos há bastante tempo. Queremos sim nos diferenciar via produto, o que o investidor quer e precisa é de um bom produto”, afirma.

A RB Investimentos também conta com uma mesa de mercado secundário muito ativa, mas pelas regras em vigor esses produtos seguem restritos aos investidores qualificados (aqueles com mais de R$ 1 milhão).

Educação financeira

Segundo Cavalcanti, a importância da governança e compliance das plataformas de investimento é pouco comunicada para o investidor pessoa física. Assim, haverá um esforço na criação de conteúdos para reforçar esse ponto.

Com a evolução do mercado e com as pessoas físicas se educando cada vez mais, a expectativa de Cavalcanti é que os investidores de varejo enxerguem os riscos por trás dos produtos.

“Todas as empresas de educação financeira dificilmente falam sobre isso, elas falam, geralmente sobre rentabilidade e produto, mas falta um pouco dessa parte. Vamos trabalhar muito isso. Queremos que a percepção de risco dos investidores com relação à RB seja a menor possível”, conclui.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

pandemia

Covid-19: número de mortes sobe para 361,8 mil no Brasil

Nas últimas 24 horas, foram registradas mais 3.459 mortes no país

seu dinheiro na sua noite

Petróleo, minério e tudo que há de bom

Entre o fantasma do Orçamento com pedaladas, a besta da PEC “fura-teto”, o gigante da CPI da Covid e o monstro da pandemia, o Ibovespa conseguiu hoje engatar a terceira alta seguida e fechar acima dos simbólicos 120 mil pontos, marca que o índice não via desde fevereiro. Mas como pode? Bem, mais uma vez […]

hoje não

Hering rejeita proposta da Arezzo para potencial fusão

Segundo a Cia. Hering, a proposta “não atende ao melhor interesse dos acionistas e da própria companhia”

Polêmica na privatização

CVM vai investigar CEEE por suposta omissão na divulgação de informações

A autarquia começará a apuração de uma denúncia de omissão de fatos relevantes sobre a privatização da estatal gaúcha

FECHAMENTO

Commodities em alta levam o Ibovespa acima dos 120 mil pontos pela primeira vez desde fevereiro; dólar recua

O clima incerto em Brasília segue assombrando os investidores, mas ainda assim a bolsa brasileira consegue fôlego com as commodities para se manter no azul

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies