Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-04-11T11:55:44-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Investimentos

RB Capital lança plataforma de investimentos que já nasce com R$ 1,1 bilhão

Empresa tem mais de 20 anos no mercado e aposta na reputação conquistada junto aos investidores profissionais para atrair a pessoa física

11 de abril de 2019
5:02 - atualizado às 11:55
Investimentos; moedas
Investimentos: Imagem: Shutterstock

O investidor pessoa física conta com mais uma opção de plataforma para realizar seus investimentos em renda fixa, renda variável, fundos, ações e Tesouro Direto. A RB Capital, que tem 20 anos no mercado e mais de R$ 35 bilhões em produtos financeiros emitidos, lançou a RB Investimentos.

Como a oferta de plataformas abertas é crescente, a pergunta que surge, naturalmente, é o que essa plataforma tem ou terá de diferente das demais concorrentes, como XP, Órama, Easyinvest e outras.

Ninguém melhor para responder do que a própria empresa e foi sobre isso que conversei com sócio-diretor da RB Investimentos, Adalbero Cavalcanti.

“Pegamos a nossa história, o fato de estarmos no mercado há tanto tempo. Para nós, essa reputação que construímos é um diferencial”, afirma.

Segundo Cavalcanti, o nome RB Capital é muito presente entre os investidores qualificados e profissionais, pois ao longo dos anos de atuação, esse público já teve bastante contato com a empresa e seus produtos de securitização, CRIs, fundos imobiliários, debentures entre outros.

Esse público, explica Cavalcanti, têm uma preocupação com quem são as pessoas que estão sustentando a plataforma, com a história, a reputação, para onde o dinheiro está sendo enviado.

“O investidor em geral não tem essa percepção de risco que vai além do produto, como governança, compliance, reputação”, afirma.

Sinal da confiança na RB Capital é que a plataforma nasce “bem formada”, segundo Cavalcanti, com cerca de R$ 1,1 bilhão em ativos e quase mil clientes, que chegaram por meio de parcerias com agentes autônomos, gestores, family offices e consultores, que se dispuseram a participam do projeto quando souberem dele.

“Não somos uma startup ou algo que está saindo do zero. Isso é importante para a gente, pois antes de lançar, já ter esse reconhecimento todo de parceiros é muito importante. É um carimbo de estar acreditando na plataforma que estamos desenvolvendo”, avalia.

Esse bom relacionamento com os agentes que prestam serviço para pessoas físicas e precisam de plataforma e produtos é um ponto que a empresa vai explorar para perseguir a meta de conseguir entre R$ 30 bilhões a R$ 40 bilhões dentro de cinco anos.

A plataforma é aberta e já conta com cerca de 40 fundos de 20 gestores e emissores bancários diferentes. Até o fim do mês, operações de Tesouro Direto estarão disponíveis e, em maio, deve começar a funcionar o “Home Broker”, cobrindo ações, derivativos e fundos imobiliários, setor no qual a RB também atua. Não há cobrança de custódia ou custo para abertura de conta.

Investidor quer e precisa de um bom produto

“No fim do dia, o investidor quer que o dinheiro dele renda o máximo possível dentro do seu perfil de risco. E para fazer o dinheiro dele render, a solução é o produto”, diz Cavalcanti.

Segundo Cavalcanti, ao observar as demais plataformas e suas grades de produtos há uma intersecção muito grande, coisa de 90% ou mais são praticamente a mesma coisa, os mesmos gestores, mesmas ofertas, mesmos emissores bancários.

“Queremos pegar o que fizemos esse tempo todo e oferecer para investidores e parceiros produtos realmente diferenciados, produtos que só nós temos, pois originamos, estruturamos e distribuímos há bastante tempo. Queremos sim nos diferenciar via produto, o que o investidor quer e precisa é de um bom produto”, afirma.

A RB Investimentos também conta com uma mesa de mercado secundário muito ativa, mas pelas regras em vigor esses produtos seguem restritos aos investidores qualificados (aqueles com mais de R$ 1 milhão).

Educação financeira

Segundo Cavalcanti, a importância da governança e compliance das plataformas de investimento é pouco comunicada para o investidor pessoa física. Assim, haverá um esforço na criação de conteúdos para reforçar esse ponto.

Com a evolução do mercado e com as pessoas físicas se educando cada vez mais, a expectativa de Cavalcanti é que os investidores de varejo enxerguem os riscos por trás dos produtos.

“Todas as empresas de educação financeira dificilmente falam sobre isso, elas falam, geralmente sobre rentabilidade e produto, mas falta um pouco dessa parte. Vamos trabalhar muito isso. Queremos que a percepção de risco dos investidores com relação à RB seja a menor possível”, conclui.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

De volta ao jogo

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 6,25%

Renda fixa “voltou ao jogo”, mas ainda não dá para ficar rico. Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras agora que o Banco Central elevou a Selic mais uma vez

entrevista

BC briga para recuperar a credibilidade e poderia ter acelerado alta da Selic, diz economista-chefe da gestora Garde

Para Daniel Weeks, BC passou mais tempo do que o necessário com a sinalização de que manteria taxa de juros muito baixas; ele avalia que aumento poderia ter sido de 1,25 ponto e que discussão sobre fim do ciclo de ajustes ainda não acabou

Seu Dinheiro na sua noite

Seguindo a rota planejada

Decisão da Selic pelo Copom, juros nos Estados Unidos, dólar em alta e muitas outras notícias que mexeram com o mercado hoje

Vai mudar

Ultrapar (UGPA3): Marcos Lutz, ex-presidente da Cosan, assumirá como CEO em janeiro de 2022

Lutz já era membro do conselho de administração da Ultrapar (UGPA3) e, após o período como CEO, deve virar presidente do colegiado

Bota para subir

Após nova alta da Selic, FMI apoia aperto monetário adotado pelo Banco Central para combater inflação

Os diretores do órgão também aprovam o compromisso do BC intervenções limitadas para conter condições desordenadas de mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies