Menu
2019-07-14T19:56:24-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Roxo e valioso

Nubank pode virar segunda fintech mais valiosa do mundo com aporte do Softbank

A rodada de investimentos faria com que a empresa fosse avaliada em até US$ 10 bilhões, ficando atrás apenas da americana Stripe no ranking das maiores startups do setor financeiro, segundo o portal Vox

7 de junho de 2019
12:51 - atualizado às 19:56
Cartão e aplicativo do Nubank
Cartão e aplicativo do Nubank - Imagem: Shutterstock

Startup mais valiosa da América Latina, o Nubank pode se tornar a segunda fintech com maior valor de mercado do mundo. É o que diz o portal Vox ao afirmar que a empresa negocia aporte com o Softbank.

Segundo a publicação, a rodada de investimentos faria com que a empresa fosse avaliada em até US$ 10 bilhões (R$ 38,6 bilhões, nas cotações de hoje) ficando atrás apenas da americana Stripe — dona de um software de pagamentos.

Ainda em outubro de 2018, a startup brasileira recebeu um aporte de US$ 180 milhões da chinesa Tencent, uma das maiores empresas de tecnologia do mundo, na qual foi avaliada em US$ 4 bilhões.

Também não é a primeira aposta do Softbank, que chegou à América Latina neste ano com um fundo de venture capital de US$ 5 bilhões. O grupo já anunciou rodada de investimentos na Loggi (US$ 150 milhões) e na colombiana Rappi (US$ 1 bilhão).

Procurado pelo Seu Dinheiro, o Nubank declarou o mesmo que havia dito para a reportagem da Vox. Disse que "está sempre avaliando oportunidades de novas captações de investimentos". Mas que não tinha interesse em comentar as informações publicadas pelo portal.

Em ascensão

Ao investir no Nubank, os fundos miram não a última linha do resultado, que traz o lucro ou prejuízo, mas nas outras linhas do balanço.

A aposta é que a empresa vai liderar o processo de “disrupção” na oferta de serviços financeiros no Brasil — algo que já estaria acontecendo, com o cartão crédito sem a cobrança de anuidade, por exemplo.

Recentemente, a empresa lançou também a NuConta, com a qual ampliou a gama de serviços (e potenciais fontes de receita).

Aliás, o Nubank encerrou o ano passado com um total R$ 10,7 bilhões em ativos, um aumento de 128% em relação a dezembro de 2017. A receita total da fintech mais que dobrou e alcançou R$ 1,233 bilhão ainda em 2018.

Mas todo esse crescimento ainda não é suficiente para cobrir as despesas operacionais e com provisões para calotes, por isso a empresa ainda opera no vermelho.

A expectativa do mercado é que o Nubank venha em breve para a bolsa e faça uma oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês). No entanto, caso o aporte do Softbank se concretize, os planos provavelmente serão adiados.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

votação pode ser adiada

Senado vai realizar sessão presencial em agosto

Atividades presenciais do plenário do Senado e das comissões permanentes da Casa foram suspensas em março

retomada em breve?

Mercado de trabalho parou de piorar; melhora depende do ritmo da recuperação, diz FGV

Forte alta no Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp), de 14 pontos na passagem de maio para abril, aponta mais para uma “redução no pessimismo”, segundo especialista da instituição

balanço

Diesel e gasolina fecham semestre em queda, diz Ministério de Minas e Energia

Segundo o MME, o fator de utilização das refinarias da Petrobras também foi reduzido no final do primeiro semestre

Pedra no sapato do governo

Congresso poder por obstáculo às vendas de estatais

Para o Congresso, a companhia não poderia ter transferido as refinarias para novas empresas criadas apenas para serem vendidas ao setor privado

agenda do governo

Sem privatizar estatais, governo quer liquidar Ceitec

Maior desejo do governo ainda é privatizar a Eletrobras, mas, para isso, será preciso convencer o Congresso a aprovar um projeto de lei que autorize capitalizar a companhia e reduzir a participação da União

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements