Menu
2019-07-14T19:56:24-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Roxo e valioso

Nubank pode virar segunda fintech mais valiosa do mundo com aporte do Softbank

A rodada de investimentos faria com que a empresa fosse avaliada em até US$ 10 bilhões, ficando atrás apenas da americana Stripe no ranking das maiores startups do setor financeiro, segundo o portal Vox

7 de junho de 2019
12:51 - atualizado às 19:56
Cartão e aplicativo do Nubank
Cartão e aplicativo do Nubank - Imagem: Shutterstock

Startup mais valiosa da América Latina, o Nubank pode se tornar a segunda fintech com maior valor de mercado do mundo. É o que diz o portal Vox ao afirmar que a empresa negocia aporte com o Softbank.

Segundo a publicação, a rodada de investimentos faria com que a empresa fosse avaliada em até US$ 10 bilhões (R$ 38,6 bilhões, nas cotações de hoje) ficando atrás apenas da americana Stripe — dona de um software de pagamentos.

Ainda em outubro de 2018, a startup brasileira recebeu um aporte de US$ 180 milhões da chinesa Tencent, uma das maiores empresas de tecnologia do mundo, na qual foi avaliada em US$ 4 bilhões.

Também não é a primeira aposta do Softbank, que chegou à América Latina neste ano com um fundo de venture capital de US$ 5 bilhões. O grupo já anunciou rodada de investimentos na Loggi (US$ 150 milhões) e na colombiana Rappi (US$ 1 bilhão).

Procurado pelo Seu Dinheiro, o Nubank declarou o mesmo que havia dito para a reportagem da Vox. Disse que "está sempre avaliando oportunidades de novas captações de investimentos". Mas que não tinha interesse em comentar as informações publicadas pelo portal.

Em ascensão

Ao investir no Nubank, os fundos miram não a última linha do resultado, que traz o lucro ou prejuízo, mas nas outras linhas do balanço.

A aposta é que a empresa vai liderar o processo de “disrupção” na oferta de serviços financeiros no Brasil — algo que já estaria acontecendo, com o cartão crédito sem a cobrança de anuidade, por exemplo.

Recentemente, a empresa lançou também a NuConta, com a qual ampliou a gama de serviços (e potenciais fontes de receita).

Aliás, o Nubank encerrou o ano passado com um total R$ 10,7 bilhões em ativos, um aumento de 128% em relação a dezembro de 2017. A receita total da fintech mais que dobrou e alcançou R$ 1,233 bilhão ainda em 2018.

Mas todo esse crescimento ainda não é suficiente para cobrir as despesas operacionais e com provisões para calotes, por isso a empresa ainda opera no vermelho.

A expectativa do mercado é que o Nubank venha em breve para a bolsa e faça uma oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês). No entanto, caso o aporte do Softbank se concretize, os planos provavelmente serão adiados.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Fechamento da semana

Inflação americana e minério de ferro vivem ‘dias de luta e dias de glória’, monopolizando a semana; dólar avança e bolsa recua no período

O minério de ferro puxou Vale e siderúrgicas para cima – mas depois derrubou. A inflação americana também assustou, mas conseguiu acalmar o ânimo dos investidores. Confira tudo o que movimentou a semana

Engordando o caixa

Petrobras gera US$ 2,5 bilhões com desinvestimentos em 2021; venda mais recente é para fundo árabe

E a estatal não deve parar por aí, pois o diretor financeiro da empresa já reafirmou a intenção de continuar com o programa de venda de ativos

Em evento do BofA

Presidente do BC revela preocupação com análise de autonomia no STF e planos para PIX internacional

Campos Neto e o ministro da Economia, Paulo Guedes, têm conversado com ministros da Corte sobre os questionamento acerca do tema

Confiança em alta

Casa Branca não vê fator gerador de inflação que Fed não possa controlar

A presidente do Conselho de Consultores Econômicos do governo ressaltou que é importante focar nas tendências para os índices ao invés de oscilações semanais ou mensais

Política monetária em detalhes

Diretor do BC afirma que Selic em 2% não era mais necessária e defende centro da meta inflacionária

Bruno Serra explicou que a retomada da atividade econômica foi mais rápida do que se imaginava e justificou a elevação da taxa básica de juros

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies