Menu
2019-11-14T13:05:53-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Na ponta do lápis

Natura, brMalls, Qualicorp, JBS e Via Varejo: os balanços que movimentam os mercados nesta quinta-feira

Resultados das companhias vieram mistos, com dados positivos e negativos para todos os lados. Confira cada um deles

13 de novembro de 2019
19:48 - atualizado às 13:05
Fachada de uma loja da Natura
Imagem: Divulgação

A quinta-feira (14) na bolsa de valores promete ser agitada com os investidores digerindo o finalzinho da temporada de balanços do terceiro trimestre de 2019. No penúltimo dia de resultados, várias empresas apresentaram seus números, entre elas gigantes como a Natura.

Os resultados das companhias vieram mistos, com dados positivos e negativos para todos os lados. Separamos para você as principais métricas financeiras de cada empresa.

Natura

A compra da Avon acabou pesando no resultado trimestral da Natura, que fechou o trimestre com queda de 52% no lucro líquido (já considerando os efeitos na norma IFRS16), a R$ 63,8 milhões. Os analistas de mercado projetavam um lucro bem maior, de R$ 119 milhões, mas a empresa acabou lançando no balanço os R$ 36,5 milhões em despesas com custos não recorrentes para a aquisição da rede de cosméticos norte-americana, como pagamento de profissionais e de financiamentos.

Outros indicadores da Natura vieram positivos quando comparamos as projeções feitas pelos analistas. O Ebitda (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) fechou o trimestre em R$ 548,3 milhões, alta de 37,4% ano a ano e acima dos R$ 432,8 milhões projetados. Na receita líquida, avanço de 7,2% ante o mesmo período do ano passado, alcançando R$ 3,4 bilhões.

Vale ficar de olho no cronograma de incorporação das ações da Avon, também divulgados na noite de quarta-feira e que deve fazer preço nas ações da empresa. Segundo a Natura, o prazo limite para a incorporação será 19 de dezembro de 2019, caso ocorra o exercício do direito de retirada pelos acionistas dissidentes.

  • Lucro líquido ajustado: R$ 63,8 milhões (↓52%)
  • Ebitda: R$ 548,3 milhões (↑37,4%)
  • Receita líquida: R$ 3,473 bilhões (↑7,2%)

brMalls

A administradora de shoppings centers fechou o terceiro trimestre voando e ostentando uma alta de 51,4% no lucro líquido ajustado, que fechou o período em R$ 186,8 milhões. O resultado foi impulsionado sobretudo a um volume maior de receitas vindas de aluguéis de lojas e cobranças de estacionamento. E por falar em receita,  brMalls registrou receita líquida de R$ 328,9 milhões, alta de 5,2% na comparação com o mesmo período do ano passado. Fechando a sequência de números positivos, a empresa teve uma geração de caixa medida pelo Ebitda de R$ 211,7 milhões, número que representa uma alta de R$ 16,8% ano a ano.

  • Lucro líquido ajustado: R$ 186,8 milhões (↑51,4%)
  • Ebitda: R$ 211,7 milhões (↑16,8%)
  • Receita líquida: R$ 328,9 milhões (↑5,2%)

Qualicorp

Outra empresa que veio bem no terceiro trimestre e divulgou balanços na quarta-feira foi a Qualicorp. Os principais números do balanço vieram em linha com as projeções de analistas de mercado, confirmando um período bastante positivo para a companhia. O lucro líquido somou R$ 119,1 milhões, alta de 9% na comparação com o terceiro trimestre de 2018 e praticamente em linha com as estimativas (R$ 125 milhões). Na geração de caixa via Ebitda, crescimento de 11,7%, alcançando R$ 271,5 milhões (acima dos R$ 264 milhões esperados pelo mercado). Já a receita líquida fechou o período em R$ 517,7 milhões, alta de 5,4%.

  • Lucro líquido ajustado: R$ 119,1 milhões (↑9%)
  • Ebitda: R$ 271,5 milhões (↑11,7%)
  • Receita líquida: R$ 517,7 milhões (↑5,4%)

JBS

A JBS saiu de prejuízo para lucro líquido o terceiro trimestre, chegando a R$ 356,7 milhões, ante prejuízo de R$ 133,5 milhões no mesmo intervalo de 2018. A companhia apurou receita líquida de R$ 52,184 bilhões, 5,6% acima. O Ebitda alcançou R$ 5,9 bilhões, aumento de 33,6% sobre o terceiro trimestre do ano passado, com margem de 11,3%, ante 9%. A JBS encerrou setembro com um resultado financeiro líquido que corresponde a uma despesa líquida 95,7% maior do que no terceiro trimestre de 2018, para R$ 3,7 bilhões.

*Mais informações em instantes 

  • Lucro líquido: R$ 356,7 milhões (ante prejuízo de R$ 133,5 milhões)
  • Ebitda: R$ 5,9 bilhões (↑33,6%)

Via Varejo

A Via Varejo registrou um prejuízo de R$ 383 milhões no terceiro trimestre, número mais de 4,5 vezes maior que a perda de R$ 83 milhões apurada no mesmo período de 2018. O Ebitda ficou negativo em R$ 176 milhões, ante resultado positivo de R$ 322 milhões de um ano antes. A receita líquida da Via Varejo no trimestre foi de R$ 6,608 bilhões, queda de 10,7% em um ano.

  • Prejuízo: R$ 383 milhões (ante prejuízo de R$ 83 milhões)
  • Ebitda: negativo em R$ 176 milhões (ante resultado positivo de R$ 322 milhões)
  • Receita líquida: R$ 6,608 bilhões (↑18,4%%)

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Resultados da pandemia

Pandemia do coronavírus fecha 39,4% das empresas que suspenderam atividades, diz IBGE

Entre os setores, os serviços tiveram a maior proporção de empresas encerradas em definitivo

Mercado de juro futuro

Estrangeiro diminui posição ‘comprada’ em taxa de juro futuro

Posições líquidas são reduzidas pelo segundo dia seguido, segundo a B3

Exile on Wall Street

Café da Manhã dos Campeões: vá de carona nas Big Techs

Enquanto investidores, podemos ser deixados para trás ou podemos pegar uma belíssima carona exponencial, investindo nas Big Techs.

agora vai?

Appy diz acreditar que há ambiente político para aprovação de reforma tributária

Para o economista, o mais importante seria conseguir reduzir a tributação sobre a folha de pagamento, considerada por ele “completamente injustificável”

dinheiro no caixa

Petrobras conclui venda de dez campos nos polos Pampo e Enchova para Trident

Segundo a estatal, venda vai ajudar a reduzir dívida da empresa e representa mais um passo na estratégia de focar recursos em águas profundas e ultraprofundas, em especial o pré-sal

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements