O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-01-29T11:38:51-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Natal cheio de presentes

Shoppings em alta: Iguatemi (IGTI11) fecha o ano com recorde de vendas e supera os níveis de 2019

A Iguatemi (IGTI11) reportou um avanço firme nas vendas no 4º trimestre, confirmando a boa percepção do mercado em relação aos shoppings

29 de janeiro de 2022
11:38
Shopping JK Iguatemi, pertencente ao Iguatemi (IGTI11)
Fachada do shopping JK Iguatemi, em São Paulo - Imagem: Divulgação

Uma das teses de investimento levantadas durante a pandemia era a do 'consumo de vingança': assim que as restrições sociais fossem aliviadas, uma horda de consumidores invadiria os shoppings e centros comerciais, dando vazão à ânsia por compras que ficou reprimida. Pois a Iguatemi (IGTI11) mostrou que, de fato, esse fenômeno se confirmou no quarto trimestre de 2021.

A prévia operacional da companhia não deixa dúvidas: entre outubro e dezembro, os consumidores frequentaram os shoppings e gastaram dinheiro como nunca. É verdade que o fim de ano é uma época sazonalmente mais forte para o varejo, mas, mesmo na comparação com o quarto trimestre de 2019 — portanto, antes da pandemia —, a Iguatemi mostrou evolução em suas métricas de venda.

Ao todo, a empresa registrou vendas totais de R$ 4,75 bilhões nos três últimos meses de 2021, uma cifra 11,8% maior que a reportada no mesmo período de 2019. Chama a atenção o fato de que esse resultado foi conquistado com uma taxa de ocupação menor nos shoppings: o índice caiu de 94% para 92% entre os intervalos em questão.

De certa maneira, o bom desempenho já era esperado: há alguns dias, a Multiplan (MULT3) também mostrou um crescimento sólido nas vendas e nas demais métricas operacionais, mostrando o aquecimento do setor de shoppings no quarto trimestre. Ainda assim, os números da Iguatemi surpreendem positivamente.

Afinal, as vendas de R$ 4,75 bilhões não só superaram as cifras de 2019: elas também representam um novo recorde histórico para a Iguatemi num único trimestre. Um resultado que diz muito sobre o comportamento dos consumidores, considerando o mau momento das varejistas online, como Magazine Luiza (MGLU3), Via (VIIA3) e Americanas (AMER3).

O ato do consumo

É preciso levar algumas questões em consideração ao analisarmos o bom desempenho da Iguatemi (IGTI11) e do setor de shoppings como um todo no quarto trimestre. Há o ponto do 'consumo de vingança' citado acima, mas também é preciso lembrar do impacto das festas de fim de ano.

Shoppings são particularmente beneficiados nesse período. Pare para pensar: se você precisa comprar presentes para inúmeras pessoas, nada melhor que um centro comercial com diversos tipos de loja — exatamente a proposta da Iguatemi, Multiplan, Aliansce Sonae e BR Malls, entre outras.

Varejistas como Magalu, Via e Americanas também veem um aumento nas vendas nos três últimos meses do ano. Contudo, suas lojas físicas possuem um escopo relativamente limitado, focado em eletroeletrônicos e itens para o lar; os e-commerces têm uma oferta maior, mas as compras online não tem o mesmo apelo de uma ida ao shopping.

E eis o segundo trunfo: shoppings embutem um fator de laser às compras. Ao contarem com serviços, cinemas, restaurantes e outros estabelecimentos, eles trazem algo a mais à mesa. E, para deixar a coisa toda ainda melhor, o quarto trimestre foi justamente o período de maior relaxamento nas regras de distanciamento social.

As preocupações geradas pela ômicron, afinal, emergiram apenas em janeiro; sendo assim, os shoppings ofereciam um combo muito atraente ao consumidor em dezembro: compras, diversão e relaxamento — isso, é claro, se você for do tipo que gosta de andar num corredor cheio de lojas.

Iguatemi: os números do trimestre

Outros números operacionais mostram que a Iguatemi (IGTI11) teve um trimestre robusto. O indicador de vendas mesmas lojas (SSS, na sigla em inglês), por exemplo, mostra um salto de 15% em relação ao mesmo período de 2019 — mais um sinal de que os estabelecimentos cresceram.

Já o indicador de alugueis mesmas lojas (SSR) avançou 28% na comparação com o quarto trimestre de 2019. Portanto, a Iguatemi está concedendo menos descontos e arrecadando mais com a cobrança pelo uso dos espaços comerciais nos seus shoppings — o que tende a impulsionar diretamente a receita líquida.

"Apesar de termos aumentado a cobrança, a inadimplência líquida teve uma queda para 1,4% versus o terceiro trimestre, valor próximo ao patamar pré-pandemia; o custo de ocupação atingiu 11,3% no 4º trimestre de 2021", destaca a empresa.

  • O podcast Touros e Ursos desta semana já está no ar! A equipe do Seu Dinheiro discutiu os próximos passos do banco Central, que deve elevar a Selic para além dos 10% na próxima semana. É só dar play!

IGTI11: bom momento dos shoppings

Na bolsa, as units da Iguatemi (IGTI11) têm se destacado na ponta positiva do Ibovespa: desde o começo do ano, já acumulam ganhos de mais de 9%, impulsionadas pela percepção de recuperação do setor de shoppings.

Outras empresas desse segmento também estão tendo um começo de ano animador no mercado de ações: a Multiplan é outra que sobe na esteira dos dados operacionais do quarto trimestre; já Aliansce Sonae (ALSO3) e BR Malls (BRML3) avançam em meio às negociações para uma eventual fusão.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

DISTRIBUINDO MAIS DO QUE COMBUSTÍVEIS

Dividendos e JPC: Vibra Energia (VBBR3) anuncia o pagamento de R$ 131 milhões em proventos; confira prazos

Ao todo, a distribuidora de combustíveis já pagou R$ 663 milhões em dividendos e juros sobre capital próprio no exercício de 2021

CSN (CSNA3) e CSN Mineração (CSNA3) vão recomprar até 164 milhões de ações; veja o que muda para os acionistas

As duas companhias aproveitam o momento descontado na B3 para encerrar os programas atuais e iniciar novas operações com duração de um ano

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Inflação derruba bolsas, Hapvida vai às compras e a varejista que ameaça o Magalu; confira os destaques do dia

Depois de um dia de animação, preocupações com o movimento dos preços e a atividade econômica pelo mundo estragaram o humor dos investidores

FECHAMENTO DO DIA

Inflação americana come margem de grandes empresas e derruba bolsas globais; Ibovespa cai mais de 2% e dólar cola em R$ 5

Com inflação pressionando e China voltando a fechar cidades, o Ibovespa caiu menos que as bolsas em Wall Street, mas ainda assim amargou fortes perdas

BR Properties (BRPR3) vende 80% do portfólio para fundo canadense, em transação de quase R$ 6 bilhões

Além de representar um movimento importante no atual cenário macroeconômico brasileiro, a transação marca a saída de boa parte do capital do fundo soberano de Abu Dhabi (ADIA) da empresa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies