Menu
2019-08-09T12:36:29-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
A tal das privatizações

“O nosso desafio agora é a Eletrobras e a quebra do monopólio da Casa da Moeda”, destaca Salim Mattar

Em sua fala, o secretário falou que “o governo tem R$ 12 bilhões, mas que não deveria usar o montante para expandir a elétrica e sim para áreas que precisam mais. É um contrassenso em um país com problemas de falta de gases em hospitais, por exemplo”

8 de agosto de 2019
12:40 - atualizado às 12:36
salim mattar, secretário de privatizações
Imagem: Reprodução/Ministério da Economia

Com o texto da reforma da Previdência a caminho do Senado, outro assunto que volta a chamar a atenção é o tema das privatizações das estatais federais. Em evento fechado para investidores hoje (8) promovido pelo banco BTG, o secretário de desestatização e desinvestimento, Salim Mattar, disse que "o nosso desafio agora é a (capitalização) da Eletrobras e a quebra do monopólio da Casa da Moeda. Há um pipeline para o Congresso olhar".

Mattar voltou a afirmar que o que vai ocorrer com a Eletrobras é a capitalização porque "há uma necessidade de caixa e não é uma ideologia". No último dia 1º deste mês, o presidente Jair Bolsonaro e o ministro de Minas e Energia Bento Albuquerque autorizaram que a elétrica aprofundasse estudos para sua desestatização.

De acordo com comunicado divulgado ao mercado, a venda deve ocorrer por meio de um aumento de capital social - algo que já vinha sendo ventilado desde o início do governo. O processo acontecerá via oferta pública de ações ordinárias da Eletrobras ou por oferta de ações ordinárias de uma eventual empresa resultante de reestruturação.

Em sua fala, o secretário disse ainda que "o governo tem R$ 12 bilhões, mas que não deveria usar o montante para expandir a elétrica e sim para áreas que precisam mais. É um contrassenso em um país com problemas de falta de gases em hospitais, por exemplo".

Para ele, o maior desafio para a aprovação de projetos de privatização está relacionado à boa relação entre executivo e legislativo. E, para evitar problemas, o secretário comentou que está "comendo pelas beiradas" e que vem procurando orientação para ver como manter uma boa relação com o legislativo.

Venda de imóveis

Ao ser questionado sobre a venda de imóveis da União, o secretário disse que está testando dois modelos, mas que tem oito possíveis modelagens na lista. Segundo ele, o primeiro objetivo com a venda é suprir os órgãos públicos com instalações adequadas, reduzir a dívida da União e verificar como cuidar e administrar os 760 mil imóveis disponíveis.

Nesta semana, o jornal "O Globo" publicou uma matéria em que fala que o governo planeja vender 3.751 imóveis e arrecadar R$ 30 bilhões até 2022.

"A nossa ideia é que daqui a pouco seja possível encontrar placas assim: União, vende ou aluga. Tratar com um número de 0800. Não vamos vender todos os imóveis, mas vamos iniciar um processo que poderá ser continuado depois", finalizou o secretário.

Já sabe quais os melhores investimentos até o fim do ano? Baixe de graça nosso eBook exclusivo com as melhores dicas.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

responsabilização

JBS aprova em assembleia ação contra irmãos Batista

Processo diz respeito a prejuízos causados por crimes revelados nos acordos de colaboração e leniência firmados pela JBS com a Procuradoria Geral da República

em live

Se necessário, voltaremos a fazer transferência do BC para o Tesouro, diz secretário

Em agosto, CMN já havia autorizado o Banco Central a repassar R$ 325 bilhões para o Tesouro Nacional

Balanço do mês

Bitcoin e dólar são os melhores investimentos de outubro; ativos de risco ficaram para trás de novo

Por pouco o Ibovespa não ficou entre os melhores investimentos do mês, mas segunda onda de coronavírus na Europa derrubou as bolsas; risco fiscal, eleições americanas e indefinição quanto a estímulos fiscais nos EUA também pesaram

seu dinheiro na sua noite

O saci à solta nos mercados

Não sei dizer exatamente quando nem quem tomou a iniciativa de importar dos países anglófonos a celebração do Halloween, o Dia das Bruxas. O fato é que desde que as crianças brasileiras começaram a sair fantasiadas pedindo doces no último dia de outubro houve uma série de tentativas de “tropicalizar” o evento. Embora não seja […]

Disparou

Dívida bruta do governo deverá encerrar o ano em 96% do PIB

Endividamento cresceu 20,2 pontos por causa de pandemia.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies