Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-07-09T12:18:40-03:00
Estadão Conteúdo
ampliando os negócios

Vencedora da concessão da BR-163, Conasa mira leilões de infraestrutura

Apesar das raízes no saneamento, a empresa vem ampliando a atuação em rodovias e estuda participar de leilões destacados do mercado

9 de julho de 2021
12:18
Rodovia
Caminhão em rodovia - Imagem: shutterstock

O leilão da BR-163, considerada a principal rodovia da "rota da soja", foi arrematado com proposta única do Consórcio Via Brasil BR 163, liderado pela Conasa Infraestrutura, do Paraná.

Apesar das raízes no saneamento, a empresa vem ampliando a atuação em rodovias e estuda participar de leilões destacados do mercado.

"Não queremos brigar com as grandes, vamos disputar projetos que se encaixem na nossa atuação", afirmou ao Estadão/Broadcast o presidente da Conasa, Mario Marcondes.

A companhia arrematou a BR-163 em consórcio com a Zetta Infraestrutura, construtora Rocha Cavalcante e a M4 Investimentos e Participações. Com sede em Londrina, a Conasa entrou no segmento rodoviário em meados de 2018, quando venceu três concessões rodoviárias estaduais em Mato Grosso. Mas a atuação de Marcondes no modal é mais antiga.

Ele trabalhou como advogado nas primeiras privatizações de rodovias do País, na década de 1990.

"Minha origem é do setor rodoviário", diz o executivo, acrescentando que a Conasa passou a olhar outras áreas além do saneamento a partir de 2016. Hoje, a companhia também atua em contratos de iluminação pública.

Marcondes conta que a empresa está estudando diversos projetos de infraestrutura, majoritariamente de médio porte. No entanto, a Conasa avalia entrar na disputa por ativos almejados por grandes grupos, como a companhia de saneamento do Amapá e rodovias estaduais do Paraná, que serão leiloadas em bloco com ativos federais.

Quando a BR-163 entrar em operação, o que está previsto para acontecer no final de 2022, a Conasa deve quase dobrar o faturamento, estima o executivo. "Nossa empresa vai crescer de forma exponencial."


Ele ressalta que a tendência é de crescimento dos projetos de concessões de todos os portes. "Não falta dinheiro no mercado, faltam projetos de infraestrutura."

O executivo observa, porém, que o BNDES vem modelando projetos de rodovias estaduais, que possivelmente estão fora do radar dos grandes players do mercado. "O nicho de empresas de porte médio vai aparecer e nós certamente vamos ter muito foco nas rodovias movidas pelo agronegócio."

Menina dos olhos

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, disse nesta quinta-feira que a BR-163 é a "menina dos olhos" da região, por ser uma importante rota de escoamento de grãos e também por se tratar da primeira concessão de rodovia federal da região amazônica.

A concessão compreende cerca de mil quilômetros de rodovias e o contrato é de 10 anos, prorrogáveis por mais dois. Os investimentos previstos são da ordem de R$ 1,87 bilhão e os custos operacionais (opex) de aproximadamente R$ 1,2 bilhão.

O consórcio levou o ativo com uma oferta de deságio de 8,09% sobre o valor máximo de pedágio que estava previsto no edital.

Construída em meados da década de 1970, a BR-163 vinha enfrentando disputas relacionadas a questões ambientais e de comunidades indígenas. O leilão chegou a ser suspenso, de forma liminar, devido a esses impasses. A expectativa do mercado é que isso pudesse limitar o interesse no certame.

"O ideal seria que houvesse alguma disputa no leilão, mas pela característica do projeto, o resultado foi positivo", avalia o advogado especializado em infraestrutura e sócio do Castro Barros Advogados, Paulo Dantas.

Sobre a possível insegurança jurídica em torno de questões ambientais e sociais, o presidente da Conasa garante que o consórcio irá trabalhar da melhor forma possível.

"Vamos respeitar as comunidades que estão inseridas na região. Temos uma grande preocupação com as normas ambientais, na BR-163 não vai ser diferente", assegura Marcondes.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Mostrando confiança

BR Distribuidora resolve antecipar R$ 554 milhões em remuneração aos acionistas referente a 2021

Empresa vai pagar os proventos em forma de Juros sobre Capital Próprio, divididos em duas datas, em setembro e em dezembro deste ano

Nova tentativa

Guedes afirma que programa de emprego para jovens terá crédito extraordinário de até R$ 3 bilhões

Segundo ministro, a alternativa foi pensada como forma de enfrentar os efeitos da pandemia no nível de desocupação de jovens, que aumentou no período

SEXTOU COM O RUY

Big Bang, a teoria: As leis da Física e a tributação dos dividendos

As empresas são organismos vivos, que precisam se adaptar às mudanças para sobreviver, como na recente proposta de tributação de dividendos

dinheiro no caixa

Petrobras vende participação em companhias de energia por R$ 160 milhões

Estatal assinou contratos para a venda de suas participações de 20% na Termelétrica Potiguar (TEP) e de 40% na Companhia Energética Manauara (CEM) para a Global Participações Energia S.A. (GPE)

seu dinheiro na sua noite

Mais micro, menos macro: quando os balanços são o destaque na bolsa

Como investidores, sabemos que os mercados estão sujeitos às mudanças no cenário macroeconômico – e, no caso do Brasil e outros países emergentes, os pregões são particularmente suscetíveis também ao noticiário político. Mas, no fim do dia, a bolsa reflete o desempenho das companhias que ali são negociadas. Nas temporadas de balanços trimestrais, analistas e […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies