Menu
2019-12-21T17:30:30-03:00
Posto Ipiranga

Guedes é o patrão, diz Bolsonaro sobre proposta de novo imposto

Presidente também sinalizou que deseja estender faixa de isenção de imposto de renda para R$ 3 mil reais

21 de dezembro de 2019
15:58 - atualizado às 17:30
Bolsonaro e Paulo Guedes; imposto
Imagem: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Um dia depois de ofender repórteres em uma entrevista coletiva, o presidente Jair Bolsonaro convidou jornalistas para uma visita ao Palácio da Alvorada. Entre outros temas, o presidente falou sobre o Ministro da Economia Paulo Guedes, a quem chamou de "patrão", e política econômica.

Questionado sobre questões econômicas e criação de novos tributos, Bolsonaro disse que Paulo Guedes, “é o patrão”, mas que a determinação é não ter novos impostos, apenas substituir os que já existem. O presidente sinalizou que deseja estender faixa de isenção de imposto de renda para R$ 3 mil reais. "É opinião minha. O Tostes (José Barroso Tostes Neto, secretário-especial da Receita Federal) que faz as projeções”, afirmou.

O presidente também falou sobre a proposta de Reforma Tributária. Bolsonaro disse que prefere deixar “na mão do Paulo Guedes” a discussão de alternativas para desonerar a folha de pagamentos. “Não quero falar algo que possa constranger o Paulo Guedes amanhã por desconhecimento da minha parte. Eu que tenho que me alinhar a ele, não ele a mim. Pelo contrário. Ele que é meu patrão nessa questão, não eu patrão dele”, afirmou.

Segundo Bolsonaro, o governo vai apresentar emendas às duas propostas de reforma tributária que tramitam no Congresso Nacional. Na quarta-feira, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que o governo não vai mais enviar uma proposta de emenda constitucional (PEC), mas ainda enviará propostas próprias - o que poderia ser feito, por exemplo, por projeto de lei.

“As duas propostas de reforma tributária que tramitam no Congresso Nacional estão bastante avançadas e vão na linha do Posto Ipiranga (ministro da Economia, Paulo Guedes). Ele falou que vai apresentar sugestões, em forma de emendas”, disse.

O presidente chegou a dizer que assistiria a uma entrevista do ministro Paulo Guedes para “saber realmente a linha dele”, mas afirmou que não haverá aumento de carga tributária. “Criar imposto não existe. Pode até inventar um novo nome para acabar com outros, uma substituição”, afirmou.

Bolsonaro acrescentou que a reforma tributária, assim como a da Previdência, é “interesse da sociedade” e diz não ver tanta dificuldade para a aprovação. “O que tenho falado com Paulo Guedes é usar mais a palavra simplificação e ver o que pode ser aprovado. Todas as outras tentativas que não deram certo, se tivesse simplificado um pouquinho, hoje talvez não precisasse de uma reforma tributária. Vamos dar um passo”, afirmou.

Sobre o protagonismo do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), na aprovação da reforma da Previdência, Bolsonaro disse que não faz questão de ser o pai da criança. “Toda honra e glória para o Rodrigo Maia. Um beijo pro Rodrigo Maia e para o Davi Alcolumbre. Tá vendo que eu não sou gordofóbico?”, disse.

Israel

O presidente disse que o governo mantém a proposta de transferir a Embaixada do Brasil em Israel para Jerusalém, mas não indicou quando a mudança deve se concretizar. Ainda sobre esse assunto, Bolsonaro disse que o nome de Paulo Jorge de Nápolis, ex-adido militar em Israel, inicialmente cotado para ocupar a embaixada, "saiu do radar".

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Rompimento da barragem

Um ano após Brumadinho, alta cúpula da Vale tenta se defender de acusações

Foi dentro de um jato particular da Vale, durante a viagem de volta ao Brasil, depois de participar do Fórum Econômico de Davos, na Suíça, que Fabio Schvartsman, então presidente da mineradora, recebeu a notícia do rompimento da barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG). Um ano após a tragédia de 25 de janeiro, […]

Fórum Econômico Mundial

Guedes, Doria e Huck sobem a montanha mágica de Davos — mas com intenções distintas

O ministro da Economia, Paulo Guedes; o governador de São Paulo, João Doria; e o apresentador de TV Luciano Huck brigam pelo protagonismo na edição deste ano do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça

Seu mentor de investimentos

Estamos diante de um novo ciclo de alta das commodities?

No passado, dois bull markets de commodities deram enorme força à economia do Brasil. E, para o Ivan Sant’Anna, um novo ciclo de alta desses produtos está se desenhando no horizonte — o que abre enormes possibilidades de investimento

Parceiros

Brasil fecha acordo de cooperação técnica com a Alemanha na agricultura

A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, assinou um acordo de cooperação com a Alemanha para o desenvolvimento do setor — a parceria durará, ao menos, três anos

APOSENTE-SE AOS 40 OU O QUANTO ANTES

3 Erros que vão ATRASAR sua aposentadoria

Aproveitando o clima de começo de ano, em que listas e regras para alcançar objetivos se proliferam mais rápido que o mosquito da dengue, decidi dar a minha contribuição numa lista diferente.

Enxugando

Bancos públicos devem acelerar vendas de ativos em 2020

Juntos, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e BNDES devem vender, só no primeiro semestre de 2020, mais de R$ 60 bilhões em ativos

Obras a todo vapor

A economia brasileira segue patinando, mas o setor de construção dá sinais de força

O segmento de construção continua aquecido, com a retomada nos lançamentos e um crescimento no volume de vendas. E as prévias operacionais da Helbor, Direcional e MRV dão suporte ao otimismo do mercado

Aval do presidente

Bolsonaro aprova fundo eleitoral de R$ 2 bilhões em orçamento para 2020

O presidente Jair Bolsonaro aprovou a inclusão do fundo eleitoral no Orçamento do governo de 2020 — um mecanismo que prevê gastos de R$ 2 bilhões para as campanhas das eleições municipais

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

MAIS LIDAS: Bolha? Que bolha?

A matéria que discute uma suposta bolha nos fundos imobiliários foi a mais lida desta semana. Oi, aposentadoria e bolsa também estiveram entre os assuntos de destaque

Em busca de investidores

Guedes vai a Davos para ‘vender’ o Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, será a principal autoridade brasileira no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements