🔴 03/06 – ‘GATILHO’ PARA BUSCAR ATÉ R$ 2 MILHÕES COM CRIPTOMOEDAS PODE SER DISPARADO – SAVE THE DATE

Estadão Conteúdo
Entre interesses

Governo Bolsonaro estimula criação de frentes partidárias

Ao menos dez já foram oficialmente criadas, como as bancadas da bala e de ruralistas até focadas em questões específicas como a da Previdência

Estadão Conteúdo
14 de fevereiro de 2019
8:46 - atualizado às 12:35
Deputado Marco Feliciano - Imagem: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

A escolha do presidente Jair Bolsonaro de dialogar com o Congresso via frentes parlamentares, e não por meio de líderes partidários, teve como efeito a multiplicação do número de grupos criados em defesa de alguma causa no Congresso.

Em menos de duas semanas, pelo menos dez foram formadas oficialmente - das tradicionais, como as que reúnem as bancadas da bala e de ruralistas, até as focadas em propostas específicas, como a que vai defender a reforma da Previdência.

Esta última tem como autor o novato Kim Kataguiri (DEM-SP). Ele tenta tirar do papel a Frente Parlamentar Mista para Defesa e Fomento do Livre Mercado, que vai defender a aprovação da reforma no Congresso. O deputado, um dos líderes do Movimento Brasil Livre (MBL), quer se cacifar para ser o relator da proposta na Câmara e tem se reunido com o ministro da Economia, Paulo Guedes.

Ele, no entanto, nega que a frente será usada para projetá-lo pela relatoria. "A frente é algo perene, que vai ser usada para discussões nos próximos anos", disse.

Até agora, porém, Kim só reuniu 68 assinaturas, número insuficiente para registrar o grupo. Para criar uma frente parlamentar no Congresso, os parlamentares precisam reunir, no mínimo, 198 assinaturas e precisam do aval do presidente da Casa.

Até as mais poderosas, como a ruralista, a da segurança e a evangélica, precisam ser recriadas a cada nova Legislatura. A série de reportagens Os Donos do Congresso, publicada no ano passado pelo jornal "O Estado de S. Paulo", mostrou como estes grupos são influentes na defesa dos seus interesses. Ao longo dos quatro anos do mandato anterior, mais de 300 frentes foram criadas. Poucas, porém, logo no início do mandato, como agora.

Corrupção

Outra prioridade do governo, o pacote anticrime do ministro da Justiça, Sérgio Moro, também terá uma bancada para defendê-lo no Congresso. A deputada Adriana Ventura (Novo-SP) propôs a Frente Ética de Combate à Corrupção, que até já se reuniu com o ministro, e vai atuar em defesa de seu projeto. O grupo é um dos maiores da Casa ao reunir 215 deputados e 6 senadores. A lista vai de Zeca Dirceu (PT-MS) a Alexandre Frota (PSL-SP).

Escalado pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, para fazer a articulação com os parlamentares, o secretário especial da Casa Civil, Carlos Manato (PSL-ES), afirmou que a intenção do governo é abrir espaço para as frentes, mas sem esquecer dos partidos. "A missão é o diálogo com os deputados e senadores. O que nós queremos é que os deputados votem com a consciência deles pelo mérito do projeto. Não queremos que votem porque emenda foi empenhada ou não", disse.

O deputado Arnaldo Jardim (PPS-SP) reconheceu ser uma incógnita se esta negociação com frentes dará certo, mas disse que há uma expectativa para que os grupos sejam protagonistas no Congresso. "Bolsonaro constituiu assim seu governo.

Ninguém sabe qual será a eficácia política quanto à governabilidade. Há uma expectativa de que as frentes se mobilizem e não só entreguem votos, mas também agilizem o diálogo necessário com a sociedade, espero que dê certo", afirmou o parlamentar, que está em seu quarto mandato.

Jardim participou nesta quarta-feira, 13, de evento realizado pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) com outros parlamentares. A intenção é criar uma nova frente para defender os interesses do setor.

A tática de se reunir em grupos não tem sido usada apenas para defender propostas específicas. A oposição também inaugurou a Frente Parlamentar Mista em Defesa da Democracia e dos Direitos Humanos, que propõe um enfrentamento "às concretas ameaças de retrocesso aos direitos democráticos no País". A ideia é alinhar a atuação de entidades civis com a de parlamentares de partidos como PSOL, PT e PCdoB.

Assinaturas

Dentre as frentes registradas até agora, chama a atenção a presença dos deputados Jorge Solla (PT-BA) e Hugo Motta (PRB-PB) em oito delas. Solla disse que está sendo solicitado para assinar a criação de diversas frentes e que, embora apoie, não participará de todas. "A assinatura é de apoio ao parlamentar para que a frente se materialize." Ele disse ser ativo apenas na Frente Parlamentar Mista em Defesa do SUS. A bancada ainda não foi recriada neste ano. Na Legislatura passada, teve adesão de 214 deputados e 26 senadores.

Compartilhe

SEGREDOS DA BOLSA

Esquenta dos mercados: Bolsas estrangeiras iniciam semana no azul, mas ruídos políticos locais seguem causando interferência

18 de julho de 2022 - 6:32

Bolsas sobem lá fora com expectativa de bons resultados trimestrais; no Brasil, partidos se preparam para convenções

VITÓRIA PARA O GOVERNO

Câmara aprova ‘PEC Kamikaze’ em 2º turno após manobras de Lira e uma visita da Polícia Federal; veja os próximos passos da proposta

13 de julho de 2022 - 19:07

O deputado prometeu que quem faltasse na votação ganharia uma falta administrativa e lançou mão de outras manobras para garantir o quórum

LDO 2023

Caiu e passou: Congresso aprova Lei das Diretrizes Orçamentárias sem emendas impositivas de relator; texto vai à sanção presidencial

12 de julho de 2022 - 17:28

O senador Marcos do Val (Podemos-ES) retirou do texto a execução obrigatória das emendas de relator, identificadas como RP 9

ACERTO DE CONTAS

Com teto do ICMS em 17% sobre energia e combustíveis, Câmara propõe compensar arrecadação dos estados; entenda se será suficiente

25 de maio de 2022 - 7:21

A proposta acontece em meio a embates do governo federal contra os estados pela arrecadação do ICMS

Privatização à vista?

Novo ministro de Minas e Energia quer privatizar a Petrobras (PETR4), mas presidente do Senado afirma que as negociações não estão na mesa

12 de maio de 2022 - 14:06

Pacheco avaliou que a desestatização da empresa não é uma solução de curto prazo para o problema da alta dos combustíveis

FOCO NO CENTRO

Com Lula ou Bolsonaro na Presidência, o próximo Congresso será de centro-direita e reformista, diz Arthur Lira

10 de maio de 2022 - 15:04

Em evento em Nova York, presidente da Câmara volta a defender a confiabilidade do sistema eleitoral brasileiro e as reformas no país

ATÉ 2023

Alívio no bolso vem aí? Conheça a PEC que pode zerar impostos sobre combustíveis e gás

3 de fevereiro de 2022 - 20:42

A matéria dispensa o cumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que exige que o governo compense a perda de arrecadação ao cortar impostos com a elevação de outros

RAIO-X DO ORÇAMENTO

Fundo eleitoral, emendas do relator e reajuste dos servidores: 3 pontos do Orçamento para 2022 que mexem com a bolsa esta semana

22 de janeiro de 2022 - 14:45

Entre emendas parlamentares superavitárias e reajuste dos policiais federais, o Orçamento deve ser publicado no Diário Oficial na segunda-feira (24)

PEC DOS COMBUSTÍVEIS

Tesouro pode perder até R$ 240 bilhões com PEC dos Combustíveis e inflação pode ir para 1% — mas gasolina ficará só R$ 0,20 mais barata; confira análise

22 de janeiro de 2022 - 10:58

Se todos os estados aderirem à desoneração, a perda seria de cifras bilionárias aos cofres públicos, de acordo com a XP Investimentos

DE OLHO NAS DÍVIDAS JUDICIAIS

Além do furo no teto: como a PEC dos precatórios afeta os credores, mas abre uma grande oportunidade de investimento

20 de janeiro de 2022 - 7:03

Com a regra fiscal ameaçada, o motivo inicial para a criação da emenda acabou sendo relegado a segundo plano, mas seus desdobramentos podem beneficiar os investimentos alternativos

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar