Menu
2019-05-10T12:45:21-03:00
Banco público

“Foi amor à primeira vista”, disse Bolsonaro, sobre relação com presidente da Caixa

Presidente disse que a imagem distorcida que tinha, não só dos funcionários da Caixa, mas também do Banco do Brasil e da Petrobras, decorria das indicações políticas, que acabaram no seu governo

10 de maio de 2019
10:40 - atualizado às 12:45
Bolsonaro tô casando com vocês congresso
Presidente Jair Bolsonaro na Câmara dos Deputados no dia de sua posse. "Tô casando com vocês", disse. - Imagem: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

O presidente Jair Bolsonaro discursou de improviso em evento que a Caixa Econômica Federal faz anualmente para seus funcionários aqui em Brasília. Além de falar que sua relação com o presidente do banco, Pedro Guimarães, foi amor à primeira vista, disse que tem um “tsunami” para acontecer na semana que vem.

O presidente não explicou que tsunami seria esse, mas é possível inferir que seja a votação da medida provisória que faz uma reforma administrativa. Entre os pontos de maior desgaste na tramitação dessa matéria está a retirada do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) do Ministério da Justiça.

“Temos alguns problemas? Sim. Talvez tenha um tsunami semana que vem. Mas a gente vence esse obstáculo com toda a certeza”, disse.

Bolsonaro foi muito aplaudido na sua chegada ao evento e depois de seu discurso "foi pra galera", pulando do palco para falar com a plateia, composta de gerentes e superintendentes da Caixa.

Ao longo de seu discurso, que tratou de sua trajetória política e de sua decisão de ser presidente, Bolsonaro se emocionou ao lembrar da facada que levou durante a campanha e foi, novamente, muito aplaudido.

Mais uma salva de palmas, essa de pé, aconteceu depois que Guimarães disse que tinha feito um crachá personalizado da Caixa para o presidente, que logo o vestiu.

Bolsonaro disse que a imagem distorcida que tinha, não só dos funcionários da Caixa, mas também do Banco do Brasil e da Petrobras, decorria das indicações políticas, que acabaram no seu governo. O presidente também pediu “produtividade na ponta da linha”.

Abertura de capital

O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, falou primeiro e, depois de reforçar a boa relação que tem com o presidente, anunciou que teve início o processo para abertura de capital da operação de seguros do banco, que será realizada no segundo semestre.

Segundo Guimarães, os formulários e os convites aos bancos coordenadores estão sendo enviados.

Guimarães também anunciou o lançamento do cartão consignado, promessa feita em sua posse, enfatizando que a instituição vai focar as pessoas mais humildes, com crédito mais barato. Ele pediu a emissão de um cartão desses para Bolsonaro e que o presidente tome um crédito consignado.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

entrevista

‘Não se pode esperar para cortar privilégio’, diz ex-secretário do Ministério da Economia

Paulo Uebel defende que o Congresso aprove uma regra de transição na proposta da reforma administrativa para incluir o fim dos privilégios que grupo de servidores atuais ainda goza

Aposente-se aos 40 (ou o quanto antes)

100 dias entre o fundo e topo do mercado

Até aqui, 2020 foi o ano de Amyr Klink, em que aqueles que souberam capotar (entre janeiro e o final de março), passaram pela tempestade sem afundar de vez em mar aberto

inflação de alimentos

Após ouvir cobrança, Bolsonaro reforça que preço do arroz não será tabelado

Ministra da Agricultura avisou que atual patamar de preços só deve baixar mesmo a partir de 15 de janeiro, quando entrar a safra brasileira.

ranking da forbes

Varejo invade lista de mais ricos do Brasil; saiba mais sobre os bilionários

Luiza Trajano, Ilson Mateus e Luciano Hang chegam entre os 10 mais ricos do país, em um ano marcado por mudanças no setor varejista, alta das ações e IPOs

Seu Mentor de Investimentos

Como proteger seus investimentos diante do risco de sanções comerciais por causa das queimadas

País tornou-se um pária no mundo por conta do que acontece no Pantanal e na Amazônia, diz colunista Ivan Sant’Anna; ele aponta uma série de tipos de ativos que podem estar imunes a uma eventual protesto da comunidade internacional

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements