Menu
2019-05-02T12:45:46-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Ladeira abaixo

Bolsonaro é ótimo ou bom para apenas 28% do mercado financeiro

Segundo pesquisa da XP Investimentos esse percentual era de 86% em janeiro. Reforma da Previdência passa, mas no segundo semestre e efeito sobre Ibovespa e dólar depende do grau de diluição

8 de abril de 2019
11:52 - atualizado às 12:45
Bolsonaro
Presidente da República, Jair Bolsonaro, durante entrevista para o jornal do SBT - Imagem: Alan Santos/PR

Nos últimos dias diferentes pesquisas mostraram queda na aprovação do governo Jair Bolsonaro nos seus primeiros 100 dias. Quadro que também se repete em uma amostra selecionada de 104 investidores institucionais e ouvida pela XP Investimentos entre os dias 3 e 5 de abril.

O percentual de ótimo e bom dado por gestores, economistas e consultores agora em abril caiu para 28%, contra 70% em fevereiro e 86% em janeiro deste ano. A avaliação regular teve alta de 27% para 48% entre fevereiro e abril e percentual de ruim/péssimo avançou de 3% em fevereiro para 24% agora.

Esse ente, "o mercado" mostra forte aprovação à agenda econômica liberal comandada por Paulo Guedes, mas como o restante da sociedade continua receoso sobre o ritmo de implementação dessas medidas, já que o governo ainda não encontrou uma forma efetiva de se relacionar com o Congresso.

Além disso, outras medidas relevantes, como uma reforma tributária parecem continuar condicionadas ao andamento da medida número um, a reforma da Previdência. Enquanto das agenda não andam, as expectativas positivas falham em virar dados econômicos efetivamente melhores e as projeções de crescimento continuam recuando para baixo dos 2% em 2019.

Aprovação Bolsonaro mercados

Já a expectativa com relação ao restante do mandato se mantém positiva para 60%, contra 86% de fevereiro e janeiro. Para 28% a gestão será regular (12% em fevereiro) e para 13% será ruim/péssimo ante 2% em fevereiro.

A avaliação com relação ao Congresso também teve piora. O percentual de ruim/péssimo saltou de 21% em fevereiro para 40% agora em abril. Em dezembro, estava em 63%. A avaliação ótimo/bom caiu pela metade, de 30% para 15%. Ruim e péssimo também dobrou, de 21% para 40%, sempre considerando fevereiro com abril.

Reforma da Previdência

Segundo a XP, continua forte a confiança na aprovação da reforma da Previdência, já que 80% disseram acreditar que a reforma será aprovada em 2019, mesmo percentual do levantamento de fevereiro.

O que mudou foi o momento de aprovação. Para 61% dos agentes de mercado a reforma será votada no plenário da Câmara apenas após o recesso de julho, enquanto 38% esperam que o texto seja votado em junho ou julho. No levantamento anterior, 60% esperavam a votação ocorresse entre maio e julho.

Mas isso não quer dizer que os investidores não estejam preocupados com o tema, já que 45% se dizem “muito preocupados” caso fossem obrigados a ter ativos brasileiros pelos próximos 12 meses. Esse percentual era de 41% em fevereiro e de 48% em janeiro.

Já a provação final (Câmara e Senado) é esperada por 66% dos respondentes apenas para o quarto trimestre de 2019, enquanto 26% esperam que a aprovação se dê já no terceiro trimestre. Em fevereiro, 48% esperavam para o terceiro trimestre e 47% para o quarto trimestre.

A economia esperada com a reforma se manteve em R$ 700 bilhões em 10 anos, ante a proposta do governo de R$ 1,165 trilhão.

Bolsa e câmbio

Esse grau de diluição da reforma é que vai influir no comportamento do Ibovespa e do dólar. Se uma reforma com impacto de 50% da proposta inicial for aprovada, a bolsa pode subir 8%, para 105 mil pontos, e o câmbio se apreciaria 3%, para R$ 3,75.

No cenário de aprovação da reforma como enviada pelo governo, a bolsa poderia subir 24%, para 120 mil, e o câmbio poderia apreciar 10%, para R$ 3,50.

Em um cenário sem reforma, a bolsa cairia 23%, para 75 mil, e o câmbio subiria 16%, para R$ 4,50.

O percentual de investidores que espera queda da Selic ainda em 2019 se mantém em 30%. Com relação à agenda de privatizações do governo, o mercado mantém a avaliação de que R$ 300 bilhões serão obtidos em quatro anos.

Abrindo o perfil da amostra, temos 66% de gestores de recursos, 24% de bancos ou instituições financeiras privadas e 10% de “outros”. Dos participantes, 86% estão no Brasil e o restante em outras localidades. A XP ressalta que o levantamento não reflete a opinião da casa.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

pandemia

Covid-19: Brasil passa das 210 mil mortes causadas pela pandemia

Nas últimas 24 horas, as autoridades de saúde registraram 452 óbitos pela covid-19

seu dinheiro na sua noite

Antes tarde do que mais tarde

Com o uso emergencial de duas vacinas contra o coronavírus aprovado no Brasil, ainda que com muito atraso em relação a outros países (incluindo emergentes), o brasileiro pode enfim vislumbrar a possibilidade de um retorno à vida normal. Está certo que ainda vai demorar, e provavelmente veremos o resto do mundo voltar à normalidade, enquanto […]

Fechamento

Vacina empolga, mas incertezas ainda são muitas e limitam os ganhos do Ibovespa; dólar fica estável

Embora o início da vacinação tenha criado um princípio de euforia, as incertezas ainda são muitas e nublam o cenário

atenção, acionista

Itaúsa anuncia o pagamento de juros sobre capital próprio adicionais

Base do pagamento é a posição acionária final do dia 22 de janeiro; provento tem retenção de 15% de imposto de renda na fonte, resultando em juros líquidos de R$ 0,01768 por ação

insatisfações com a estatal

Petrobras sai em defesa de sua política de preços

Estatal listou uma série de respostas para justificar eventuais aumentos concedidos ou que possam vir a ser feitos este ano, diante de preços de petróleo em franca recuperação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies