Menu
2019-04-25T17:55:20-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
De olho nas oportunidades

Itaú diz ver potencial de R$ 434 bilhões com venda de ativos e privatizações do governo

Um dos maiores bancos em atividade no país aposta, sobretudo, no setor de óleo e gás como propulsor das iniciativas estatais

23 de abril de 2019
15:10 - atualizado às 17:55
Logo do banco Itaú
Itaú - Imagem: Shutterstock

O Itaú Unibanco espera que o programa de venda de participações e privatizações do governo de Jair Bolsonaro movimente R$ 434 bilhões em até quatro anos, de acordo com o diretor geral de atacado do banco, Caio Ibrahim David.

Dentre os motores para que essa estimativa seja alcançada, segundo ele, estão o segmento de óleo e gás, que deve responder pela maioria, em torno de R$ 257 bilhões, e ainda a privatização e descotização da Eletrobras.

O setor elétrico deve responder, conforme as estimativas do Itaú, por R$ 90 bilhões do programa de privatizações. Na sequência, estão o segmento financeiro, com R$ 36 bilhões, e indústrias globais, com R$ 33 bilhões.

As projeções do banco não consideram ativos imobiliários nem a privatização da Infraero.

Para o mercado de capitais, segundo David, a expectativa do Itaú é de um crescimento "mais expressivo" neste ano.

Em 2018, conforme o executivo, o volume de emissões de dívidas e de ações ultrapassou a casa dos R$ 200 bilhões.

Até o momento o mercado brasileiro, já foi palco em emissões divida e ações. Somente no mercado de renda fixa o montante no primeiro trimestre deste ano totaliza R$ 27 bilhões.

"O mercado de capitais tem suportado bastante bem as grandes empresas do País", disse David, durante abertura do evento Macro Vision 2019, promovido pelo Itaú Unibanco, na manhã desta terça-feira, em São Paulo.

Tanto é que do lado do crédito tradicional a expectativa do banco, conforme o executivo, é de crescimento mais modesto dos empréstimos para as grandes empresas.

Segundo ele, a tendência é a de que a pessoa física continue apresentando uma expansão mais forte por conta do aumento do consumo das famílias no Brasil.

"No mercado de crédito, temos uma boa notícia. Esperamos crescimento em 2019 e 2020, permitindo, que aos poucos o crédito volte a representa ao redor 50% do PIB", destacou David.

Para o Itaú, a relação crédito/PIB deve passar de 47,4% em 2018 para 47,9% neste ano e 48,7% em 2020. Sobre as projeções da carteira do próprio banco, David disse que o banco mantém os guidances divulgados no início do ano. Depois de ver seus empréstimos totais se expandirem em 6,1% no ano passado, o Itaú espera incremento entre 8% e 11% neste exercício.

Um governo disposto

No encerramento do evento do Itaú, o presidente executivo do banco, Candido Bracher, disse que enxerga trabalho e uma disposição grande do governo de Jair Bolsonaro de levar o País a uma estrada de maior produtividade, competitividade e maior equilíbrio fiscal.

Como exemplos, o executivo citou a reforma da Previdência, o projeto de independência do Banco Central, que tende a melhorar a governança, e ainda uma abertura maior da economia brasileira.

"O secretário especial Salim Mattar nos deu um banho de entusiasmo com as perspectivas que a privatização pode atingir no Brasil. Isso nos mostra que efetivamente temos possibilidade de termos um País muito mais produtivo dentro de alguns anos e que esteja à altura da economia que se criou internamente", ressaltou o presidente do Itaú.

Ele lembrou que há dez anos tinha início a crise financeira global enquanto Itaú e Unibanco começavam a trabalhar na fusão que criou o maior banco da América Latina e ainda a maior transação financeira já ocorrida no Brasil.

Bracher mencionou o fato de o banco estar bem posicionado em relação aos seus pares, mas que agora busca figurar entre as mais bem avaliadas empresas globais em termos de satisfação ao cliente, o que o Itaú chama de "mudar de liga". "Temos um caminho a percorrer de maneira séria e célere", concluiu.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta sexta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Mercados hoje

Ibovespa abre o dia em queda, seguindo o mau humor que persiste no exterior

Assim como no restante da semana, o humor dos investidores é pressionado pela proximidade das eleições americanas e novas medidas de lockdown na Europa

TUDO EM PAZ

Fim de briga: Ânima e Ser fecham acordo e encerram disputa por ativos da Laureate

Empresas decidem dividir parte do portfólio, com a Ser tendo direito a receber duas faculdades e com opção de compra de mais três instituições

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

11 notícias para começar o dia bem informado

Quando a bolsa cai, as reportagens trazem imagens de operadores de mercado em pose de desespero. O sofrimento é tanto que desconfio que sejam fotos de torcedores do Corinthians na hora do gol do adversário  – e algum tipo de montagem para inserir terno e gravata e um painel da Bloomberg ao fundo. Brincadeiras à […]

RECUPERANDO

PIB da zona do euro sobe 12,7% no 3º trimestre, superando estimativas

Maiores economias da união monetária europeia também apresentam crescimento robusto no período, puxando PIB agregado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies