Menu
2019-04-25T17:55:20-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
De olho nas oportunidades

Itaú diz ver potencial de R$ 434 bilhões com venda de ativos e privatizações do governo

Um dos maiores bancos em atividade no país aposta, sobretudo, no setor de óleo e gás como propulsor das iniciativas estatais

23 de abril de 2019
15:10 - atualizado às 17:55
Logo do banco Itaú
Itaú - Imagem: Shutterstock

O Itaú Unibanco espera que o programa de venda de participações e privatizações do governo de Jair Bolsonaro movimente R$ 434 bilhões em até quatro anos, de acordo com o diretor geral de atacado do banco, Caio Ibrahim David.

Dentre os motores para que essa estimativa seja alcançada, segundo ele, estão o segmento de óleo e gás, que deve responder pela maioria, em torno de R$ 257 bilhões, e ainda a privatização e descotização da Eletrobras.

O setor elétrico deve responder, conforme as estimativas do Itaú, por R$ 90 bilhões do programa de privatizações. Na sequência, estão o segmento financeiro, com R$ 36 bilhões, e indústrias globais, com R$ 33 bilhões.

As projeções do banco não consideram ativos imobiliários nem a privatização da Infraero.

Para o mercado de capitais, segundo David, a expectativa do Itaú é de um crescimento "mais expressivo" neste ano.

Em 2018, conforme o executivo, o volume de emissões de dívidas e de ações ultrapassou a casa dos R$ 200 bilhões.

Até o momento o mercado brasileiro, já foi palco em emissões divida e ações. Somente no mercado de renda fixa o montante no primeiro trimestre deste ano totaliza R$ 27 bilhões.

"O mercado de capitais tem suportado bastante bem as grandes empresas do País", disse David, durante abertura do evento Macro Vision 2019, promovido pelo Itaú Unibanco, na manhã desta terça-feira, em São Paulo.

Tanto é que do lado do crédito tradicional a expectativa do banco, conforme o executivo, é de crescimento mais modesto dos empréstimos para as grandes empresas.

Segundo ele, a tendência é a de que a pessoa física continue apresentando uma expansão mais forte por conta do aumento do consumo das famílias no Brasil.

"No mercado de crédito, temos uma boa notícia. Esperamos crescimento em 2019 e 2020, permitindo, que aos poucos o crédito volte a representa ao redor 50% do PIB", destacou David.

Para o Itaú, a relação crédito/PIB deve passar de 47,4% em 2018 para 47,9% neste ano e 48,7% em 2020. Sobre as projeções da carteira do próprio banco, David disse que o banco mantém os guidances divulgados no início do ano. Depois de ver seus empréstimos totais se expandirem em 6,1% no ano passado, o Itaú espera incremento entre 8% e 11% neste exercício.

Um governo disposto

No encerramento do evento do Itaú, o presidente executivo do banco, Candido Bracher, disse que enxerga trabalho e uma disposição grande do governo de Jair Bolsonaro de levar o País a uma estrada de maior produtividade, competitividade e maior equilíbrio fiscal.

Como exemplos, o executivo citou a reforma da Previdência, o projeto de independência do Banco Central, que tende a melhorar a governança, e ainda uma abertura maior da economia brasileira.

"O secretário especial Salim Mattar nos deu um banho de entusiasmo com as perspectivas que a privatização pode atingir no Brasil. Isso nos mostra que efetivamente temos possibilidade de termos um País muito mais produtivo dentro de alguns anos e que esteja à altura da economia que se criou internamente", ressaltou o presidente do Itaú.

Ele lembrou que há dez anos tinha início a crise financeira global enquanto Itaú e Unibanco começavam a trabalhar na fusão que criou o maior banco da América Latina e ainda a maior transação financeira já ocorrida no Brasil.

Bracher mencionou o fato de o banco estar bem posicionado em relação aos seus pares, mas que agora busca figurar entre as mais bem avaliadas empresas globais em termos de satisfação ao cliente, o que o Itaú chama de "mudar de liga". "Temos um caminho a percorrer de maneira séria e célere", concluiu.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Radiocash

“Quando comecei a criar o Me Poupe, eu queria transformar finanças em mainstream”, conta Nathalia Arcuri

A plataforma de conteúdo e educação financeira tem uma CEO com uma jornada polêmica e impactante; confira no RadioCash

Economia na defesa

Privatização da Eletrobrás é ‘entrega elevadíssima’, afirma secretário de Guedes

Segundo associações do setor, o texto aprovado vai aumentar o custo da energia para consumidores em R$ 84 bilhões nas próximas décadas

Entre a cruz e a espada

Bitcoin se aproxima da “Cruz da Morte”: O que isso significa para a criptomoeda?

O bitcoin tocou essa linha imaginária no último final de semana, o que deve determinar o futuro da moeda para os próximos meses

Buscando confiança

Números de abril revelam melhora do IRB, mas queda da ação mostra que desconfiança persiste

Estratégia de rever contratos, principalmente no exterior, diminuiu as receitas fora do Brasil, mas ajudou sinistralidade e resultado final

Economia dos eua

Dirigente do Fed admite inflação alta, mas defende contínuo apoio monetário

Presidente da distrital do banco admitiu que as leituras recentes de inflação estão “altas” e devem ser monitoradas de perto

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies