🔴 [EVENTO GRATUITO] COMPRAR OU VENDER VALE3? INSCREVA-SE AQUI

Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Uma maneira diferente de investir

Lucro com propósito: os investimentos que trazem retorno e ao mesmo tempo fazem o bem

Os investimentos de impacto já viraram moda e provam para você que é possível ganhar dinheiro com ações que trazem mudanças sociais

Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
1 de junho de 2019
6:05 - atualizado às 15:18
Ilustração mostra um esquema funcional dos investimentos de impacto, no qual a pessoa ganha dinheiro promovendo ações sociais
Investimentos de impacto - Imagem: POMB

Quando eu era pequeno convivia muito com projetos sociais. A origem católica da família fez com que minha rotina na igreja, para além da missa de domingo às 8 da manhã, fosse cercada de ações de caridade.

Meu avós, por exemplo, eram membros dos chamados “vicentinos”, um grupo que arrecada alimentos e roupas para famílias carentes. Até hoje o seu Manoel, que já ostenta seus 87 anos, participa dessas atividades filantrópicas e se queixa porque os filhos e netos não seguiram seus passos.

Quando comecei a fazer a cobertura jornalística do mercado financeiro, pensava que investimentos e mudanças sociais estavam em campos bem separados - e não vou achar estranho se você também tiver essa ideia.

Mas e se eu te disser que os dois conceitos podem formar uma dupla de sucesso?

Já faz alguns anos que investidores podem contar com a alternativa dos chamados “investimentos de impacto”. Provavelmente você já ouviu falar de algum, mas nunca percebeu que o objetivo final deles era financiar iniciativas que trouxessem mudanças sociais.

Antes que você me pergunte: não, não se trata de filantropia nos mesmos moldes que meu avô faz até hoje. O objetivo aqui é obter retornos financeiros com aquele dinheiro que você já estava pensando em doar para caridade. É uma soma entre rendimento e incentivo a projetos que trazem mudanças sociais.

Nesta matéria vou explicar um pouco como funciona esse setor do mercado e como você pode fazer parte dele.

Pensando fora da caixa

Os investimentos de impacto funcionam de forma muito mais simples do que as pessoas imaginam. Em geral, são gestores que captam recursos dentro do mercado financeiro e investem em projetos de empreendedorismo com objetivos de mudanças socioambientais.

O foco dessas empresas que fazem o "meio de campo" entre a fonte de recursos e o projeto em si é procurar iniciativas nascentes. Ou seja, que possuem uma grande ideia, mas que ainda patinam em termos de estrutura para conseguir consolidá-lo.

O grande diferencial é que os projetos de impacto social acabam se enquadrando dentro da lógica do mercado. Mesmo com o objetivo principal sendo a transformação, existe também a demanda para que o negócio traga resultado aos que investem nele.

Para te ajudar a entender um pouco mais sobre esses projetos, separei para você algumas das principais gestoras de investimentos de impacto do Brasil.

Yunus

Uma das grandes marcas que vêm à cabeça quando o assunto é investimento de impacto é a Yunus. Em atuação no Brasil desde 2013, o grupo foi fundado pelo economista premiado com o Nobel da Paz em 2006 Muhammad Yunus.

A empresa começou focada no microcrédito, mas logo ganhou novas características e passou a olhar para o apoio aos empreendedores sociais. Os critérios para a escolha dos projetos são:

  • urgência do problema social;
  • solidez do modelo de negócio;
  • replicabilidade.

Eu bati um papo com o Luciano Gurgel, gestor da área de investimentos da Yunus no Brasil, e ele me contou que a prioridade da empresa sempre foi o impacto social. Para ele, a grande sacada é criar uma linguagem de mercado que ao mesmo tempo está disposta a resolver problemas sociais.

Com uma estrutura consolidada no Brasil, a Yunus é madrinha de diversos projetos pelo País. Os principais deles são:

  • Assobio: promove o reflorestamento de mata nativa dentro do estado de São Paulo;
  • Instituto Muda: realiza serviços de coleta de resíduos sólidos para condomínios residenciais na Grande São Paulo, sendo que 100% desses materiais a cooperativas de reciclagem;
  • 4YOU2: oferece aulas de inglês com professores estrangeiros, a custos acessíveis, para estudantes de baixa renda;
  • Redação Online: plataforma de conexão entre estudantes e sites de vestibulares e concursos. O foco é ajudar as pessoas que não têm acesso a aulas particulares e que buscam uma melhor formação de redação de texto.

Em abril deste ano, a empresa conseguiu uma captação de R$ 8 milhões na primeira rodada do seu fundo captado com recursos de investidores brasileiros.

Falando de perfil de investimento, o próprio Luciano Gurgel conta que a maneira como essas aplicações se desenvolvem é distinta das tradicionais. “O dinheiro que a gente capta é diferente daquele recurso rápido, que precisa de um retorno imediato. Buscamos investidores que trabalham seu capital com calma, aquele dinheiro que está sobrando e que ele destinaria para uma simples doação.”

Din4mo

Outro importante player dos investimentos de impacto é a Din4mo. Fundada há cinco anos no Brasil, a empresa também tem como missão o empreendedorismo social. Nesse processo, o foco de trabalho se dá por três frentes:

  • Saúde e bem-estar;
  • Educação;
  • Redução da desigualdade.

Convidei o Marco Gorini, um dos fundadores a Din4mo, para uma conversa e ele me contou que a ideia de criar a companhia partiu de um “vácuo” que existia entre os investidores e as aceleradoras de projetos de impacto.

A ideia da Din4mo foi trabalhar com startups que já estão em uma fase mais avançada de negócio, mas que ainda encontram dificuldades em alcançar as fontes de investimentos.

Gorini conta que o seu trabalho sempre carrega um olhar de longo prazo e que ele busca apoiar o empreendedor com consultorias e alavancagem das empresas. Para o executivo, um termômetro de sucesso da Din4mo é o fato de que todas as empresas sob seu comando seguem vivas e gerando impacto, em meio a um mercado no qual a maior parte os projetos acabam afundando no meio do caminho.

Atualmente, o principal projeto da Din4mo é o programa “Vivenda”, que reforma casas de famílias de baixa renda. Para Gorini, o sucesso desse projeto advém da estratégia mais agressiva de investimentos às famílias, ultrapassando o simples ato de reforma das suas casas.

Artemisia

Quando o assunto é aceleração de negócios, uma das referências é a Artemisia.

Fundada em 2004, a empresa nasceu com o objetivo central de combater problemas sociais, mas nos últimos anos a estratégia de negócio mudou e os trabalhos como aceleradora ganharam destaque.

A gerente de Relações Institucionais da empresa, Priscila Martins, também conversou comigo sobre o modelo de negócio praticado por lá.

Nesse bate-papo, ela comentou que as condições sociais do Brasil são muito desafiadoras, com diversos recursos básicos deficitários, e que a proposta é exatamente combater essas situações através do empreendedorismo.

“Nossa missão é criar uma massa de startups que alavanquem o mercado de investimentos de impacto para mudar a realidade do Brasil”, conta.

O primeiro grande projeto da Artemisia foi o movimento “Choice”, que criou uma rede de jovens engajados e dispostos a trabalhar em startups.

A ideia era que esses grupos trouxessem empreendedores interessados em negócios de impacto social. Uma vez selecionado, o projeto passa para a segunda fase de ação, com programas de apoio ao empreendedor e uma aceleradora que atualmente conta com uma parceria do Facebook.

Todos os anos são selecionadas duas turmas com os melhores modelos de negócios. No processo, os participantes ganham vantagens na hora de fazer contatos com potenciais investidores, além de receberem dicas para melhorar o desempenho de suas empresas. Nesse tema, a Artemisia trabalha com três focos:

  • refinamento do impacto social do empreendedor (melhora dos objetivos);
  • estruturação do modelo de negócio;
  • desenvolvimento das competências do empreendedor (formação profissional).

Priscila conta que a mais recente onda de investimentos de impacto tem partido das fintechs. Em geral, essas empresas fazem um trabalho de inclusão financeira. A ideia é promover produtos e serviços que levam a população a fazer uma melhor gestão dos seus recursos.

Para você ter uma ideia, nos últimos sete anos a Artemisia apoiou mais de 500 empreendimentos, sendo que 140 entraram no projeto de aceleração, com investimento total de R$ 150 milhões.

Vox Capital

A gestora pioneira no investimento de impacto no país é a Vox Capital. Fundada em 2009 e com R$ 130,9 milhões sob gestão, a empresa tem entre os fundadores Antonio Ermírio de Moraes Neto, herdeiro do grupo Votorantim.

O primeiro fundo de impacto da Voz, captado em 2012, foi de R$ 84 milhões. O valor teve como destino dez empresas espalhadas entre os setores de educação, saúde e financeiro. A Vox agora trabalha em um segundo fundo, que arrecadou mais R$ 80 milhões.

Mas tudo tem um porém

A ideia de apoiar um projeto de transformação social e ao mesmo ganhar dinheiro com isso atrai o interesse de muita gente. Afinal, quem não quer aliar benfeitorias com rentabilidade?

Ocorre, porém, que ao falarmos especificamente em investimentos de impacto, esse combo “ganhar uma grana + ajudar o mundo” pode não se tornar realidade para todas as pessoas.

Um dos grandes obstáculos dessas aplicações é que elas não são voltadas para investidores de varejo. Quer dizer que, para conseguir entrar em uma dessas rodadas de investimentos, você terá que comprovar uma posição consolidada no mundo dos investimentos, como por exemplo apresentar grandes patrimônios investidos (da ordem dos milhares ou milhões).

Mas como nossa missão aqui no Seu Dinheiro é nunca deixar você sem referências, fui atrás de algumas alternativas que possuem projetos alinhados aos investimentos de impacto.

Foi aí que encontrei as plataformas de crowdfunding, que nada mais são do que projetos alavancados por meio de financiamentos privados e que visam trazer retornos futuros.

Embora as iniciativas de crowdfunding não sejam voltadas especificamente para financiar investimentos de impacto, é possível encontrar nas plataformas projetos com esse objetivo. O repórter Kaype Abreu fez uma matéria especial sobre essa modalidade de investimentos e trouxe algumas dicas para quem quer se aventurar por eles.

Compartilhe

RESULTADO DO LEILÃO

Teste para a Sabesp? Em primeira privatização de Tarcísio, fundo arremata Emae por R$ 1 bilhão

19 de abril de 2024 - 19:51

Com ágio de 33,68%, o fundo arrematou a estatal e passará a gerir um ativo com 906 megawatts (MW) em geração hidrelétrica

RECUOU?

A explicação do ex-conselheiro da Vale (VALE3) após a acusação de interferência do governo na mineradora

19 de abril de 2024 - 19:41

O assunto voltou à tona na resposta a um ofício da CVM, que solicitou esclarecimentos sobre as recentes declarações de José Luciano Eduardo Penido

POR DENTRO DA OPERAÇÃO

Tchau, Vale (VALE3)? Por que a Cosan (CSAN3) vendeu 33,5 milhões de ações da mineradora

19 de abril de 2024 - 19:28

A Cosan também quitou R$ 2 bilhões do saldo remanescente do endividamento e liquidação dos derivativos atrelados às ações da Vale

Cura até coração partido

E agora, Ozempic? Caneta emagrecedora Zepbound se mostra promissora no tratamento da apneia do sono

19 de abril de 2024 - 18:45

De acordo com dados preliminares de ensaios clínicos, a Zepbound foi mais eficaz que um placebo na redução da gravidade da apneia obstrutiva do sono

REPORTAGEM ESPECIAL

Petz (PETZ3) mira fórmula “Raia Drogasil” em fusão com a Cobasi, mas mercado ainda é cético com modelo de negócios

19 de abril de 2024 - 15:35

Fundador da Petz, Sergio Zimerman falou sobre a fusão em teleconferência com analistas, que não contou com a presença de ninguém da Cobasi

RECICLAGEM DE ATIVOS

Log (LOGG3) garante mais de R$ 500 milhões para o caixa com nova venda de galpões para fundo do BTG

19 de abril de 2024 - 10:57

Vale relembrar que o FII foi criado justamente para investir nos imóveis da companhia e já havia comprado cinco outros galpões da Log no ano passado

NEGÓCIO ANIMAL

Petz (PETZ3) e Cobasi selam acordo para fusão que cria gigante do mercado pet; ações disparam mais de 40% na abertura na B3

19 de abril de 2024 - 8:19

Juntas, Petz e Cobasi formarão rede de 483 lojas e faturamento de aproximadamente R$ 6,9 bilhões. Cada rede terá 50% do negócio combinado

NA QUINTA TENTATIVA

Credores aprovam plano de recuperação judicial da Oi (OIBR3) após assembleia se estender até madrugada; veja detalhes

19 de abril de 2024 - 7:17

O documento obteve o aval de 79,87% dos credores presentes no encontro desta quinta-feira (18)

DINHEIRO NO BOLSO

CCR (CCRO3) e Vibra (VBBR3) anunciam mais de R$ 1,2 bilhão em dividendos; confira o cronograma de pagamento de cada uma das companhias

18 de abril de 2024 - 18:32

O maior valor será distribuído pela Vibra, que pagará R$ 676 milhões em duas parcelas; já a CCR depositará R$ 536 milhões na conta dos acionistas

O 'X' DA QUESTÃO

Dividendos da Petrobras (PETR4): governo pode surpreender e levar proposta de pagamento direto à assembleia, admite presidente da estatal

18 de abril de 2024 - 18:03

Jean Paul Prates admitiu a possibilidade de que o governo leve uma proposta de pagamento diretamente à assembleia de acionistas

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar