Menu
2019-06-12T10:47:09-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Atividade fraca no setor

Vendas no varejo recuam 0,6% em abril, segundo IBGE

Setor varejista apresentou recuo em cinco das oito atividades pesquisadas, puxado pela queda nas atividades nos hipermercados e vestuário

12 de junho de 2019
9:50 - atualizado às 10:47
Varejo
Imagem: shutterstock

Após dois meses de estabilidade o volume de vendas do comércio caiu 0,6% em abril, em relação a março. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (12) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na Pesquisa Mensal de Comércio.

O resultado veio abaixo da mediana de expectativas dos analistas ouvidos pelo Broadcast. Na comparação anual, com abril de 2018, as vendas no varejo tiveram um crescimento de 1,7%. Em 2019, as vendas no varejo acumula uma alta de 0,6% e no acumulado dos últimos 12 meses houve avanço de 1,4%.

O setor varejista apresentou recuo em cinco das oito atividades pesquisadas. O setor de hipermercados apresentou a 3ª queda consecutiva, recuando 3,4% de fevereiro a abril, e o de vestuário caiu pela 2ª vez. Depois de duas altas, a venda de artigos farmacêuticos também apresentou uma baixa de 0,7%. O índice sofreu influência do reajuste dos medicamentos em abril. Artigos de uso pessoal e doméstico e Equipamentos e Material para Escritório fecham as categorias que apresentaram queda no mês.

Segundo Isabella Nunes, gerente da pesquisa, as variações do comércio em 2019 o mantém no mesmo nível de dezembro do ano passado. “De janeiro a abril não acumulou nada. É como se o ano de 2019 não tivesse dado nenhuma contribuição para a recuperação da trajetória de queda iniciada em 2014”. Ainda segundo a pesquisadora,as vendas dos supermercados têm sido afetadas tanto por um aumento nos preços dos alimentos consumidos no domicílio quanto pela estabilidade da massa de rendimentos dos trabalhadores.

"A atividade econômica em baixa, a alta capacidade ociosa, o desemprego chegando a 13 milhões de pessoas e mesmo o emprego gerado é na informalidade. Tudo isso faz com que a massa de rendimentos não cresça de forma suficiente para estimular o consumo, que fica restrito às necessidades mais básicas, como supermercado e setor farmacêutico", enumerou Isabella.

No varejo ampliado, que inclui o volume de vendas de veículos e material de construção, os números ficaram estáveis no mês de abril. Em março, a atividade do setor havia avançado 1,1%.

O IBGE também revisou o resultado de vendas no varejo em março ante fevereiro. De uma alta de 0,3%, o avanço passou a ser de 0,1%. Em fevereiro ante janeiro o resultado passou de estabilidade para queda de 0,1%, enquanto janeiro ante dezembro de 2018 passou de 0,5% para 0,6%.

*Com Estadão Conteúdo

 

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Nova operação

Lava Jato mira ex-funcionário da Petrobras pela 2ª vez por US$ 2,2 mi em propinas

Agentes cumprem dois mandados de busca e apreensão em Angra dos Reis e Araruama, no Rio de Janeiro

diversificação

BR Distribuidora entra para o mercado de comercialização de eletricidade

Empresa adquire participação na comercializadora Targus Energia por R$ 62,1 milhões, de olho na atração de novos clientes

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

9 notícias para começar o dia bem informado

Os investidores estão no meio de um cenário nebuloso. Neste momento, não dá para enxergar com clareza o que vem pela frente. Há chances grandes de esbarramos nas seguintes situações: A segunda onda de covid-19 chega ao Brasil e o isolamento social fica mais forte. Shoppings e restaurantes voltam a ser fechados nas grandes cidades. A pandemia […]

esquenta dos mercados

Com bolsas americanas fechadas, embate entre Guedes e Campos Neto ganha os holofotes

O ministro da Economia rebateu as críticas do presidente do Banco Central, que disse que o governo precisa de um plano mais concreto para passar credibilidade e maior confiança com o cenário fiscal,

NOVAS METAS

Petrobras planeja investir US$ 55 bilhões até o final de 2025

Plano estratégico prevê que maior parte dos recursos serão destinados ao pré-sal e redução da dívida bruta a US$ 60 bilhões até 2022

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies