Menu
2019-07-15T14:27:33-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
na expectativa

Participação de ferrovias na matriz de transportes vai chegar a 30% até 2025, diz ministro

Projeção anunciada por Freitas se deve a uma série de investimentos e concessões no setor, entre as quais o leilão do trecho entre Porto Nacional (TO) e Estrela D’Oeste (SP) da Norte-Sul, vencido pela Rumo

15 de julho de 2019
14:26 - atualizado às 14:27
12/04/2019  Inauguração do Novo Terminal de Passageiros do Aer
Ministro de Estado da Infraestrutura, Tarcisio Freitas. - Imagem: Alan Santos/PR

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, disse que a participação das ferrovias na matriz de transportes do País deve aumentar dos atuais 15% para 30% até 2025. "Em seis anos, o modal ferroviário vai passar por uma mudança bastante significativa", disse

A projeção anunciada por Freitas se deve a uma série de investimentos e concessões no setor, entre as quais o leilão do trecho entre Porto Nacional (TO) e Estrela D'Oeste (SP) da Norte-Sul, vencido pela Rumo. Considerado "histórico" pelo ministro, o leilão foi realizado no primeiro semestre deste ano.

O ministro citou ainda projetos propostos para o futuro, como a Ferrogrão e a Fiol (Ilhéus a Caetité), ambas em estudo; a Fico (Água Boa a Mara Rosa); e a ferrovia Rio - Vitória, as duas em análise pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Além das prorrogações da malha paulista e da estrada de ferro Carajás, estrada de ferro Vitória Minas, a MRS e a ferrovia Centro-Atlântica.

Papel a cumprir

Freitas disse ainda que a Empresa de Planejamento e Logística (EPL) tem sido responsável pela elaboração de estudos para o programa de concessões do governo e, por isso, não deve ser liquidada. Segundo ele, liquidá-la poderia gerar uma economia de R$ 70 milhões por ano ao governo. Porém, a estatal tem um papel a cumprir, disse.

O ministro defendeu a manutenção da empresa como estruturadora de projetos, ao lado do BNDES. "O BNDES talvez não consiga fazer todas concessões. Temos que mitigar risco e diversificar estruturadores", acrescentou.

A EPL, disse o ministro, começou a gerar receitas, pois recebe ressarcimento pelo custo dos estudos quando os leilões de infraestrutura são bem sucedidos. "Ela não pode fazer isso sendo contratada por Estados e municípios?", sugeriu.

Sobre a Valec, o ministro disse que a companhia não é "privatizável" e que, se houver alguma decisão em relação a ela, seria para liquidá-la. Afirmou, no entanto, que a empresa ainda tem ativos que precisam ser transferidos para a iniciativa privada e, portanto, um papel a cumprir.

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Dinheiro no bolso

Banco do Brasil anuncia pagamento de R$ 333 milhões em JCP do 4T20

Dessa forma serão pagos no dia 30 de dezembro e terão como base a posição acionária do dia 11 de dezembro de 2020

seu dinheiro na sua noite

Maradona e o rali da bolsa

O baixinho Maradona passa por dois marcadores, toca para o companheiro e depois corre para disputar a bola na área. Ele dá um salto e, de alguma forma, consegue subir mais que o goleiro inglês Peter Shilton para empurrar (literalmente) a bola para as redes. O lance do antológico gol de mão do craque argentino […]

fechamento dos mercados

Ibovespa desacelera com queda de Petrobras, mas fecha acima de 110 mil com Itaú e Vale e sobe 4% na semana

Bolsas americanas fecham para cima, renovando máximas históricas, em sessão mais curta; por aqui, ações de Petrobras reduziram alta perto do fim da sessão, eventualmente virando e fechando em queda, tirando índice acionário local da proximidade do pico intradiário

Urgente

Guilherme Boulos é diagnosticado com Covid-19

As agendas de campanha foram todas suspensas, e a coordenação da campanha vai propor à TV Globo que o último debate, previsto para hoje, seja feito de forma virtual.

Novidade no mercado

CMN: corretora de título e valor mobiliários pode prestar serviço de pagamento

Com isso, as SCTVM e SDTVM deverão optar entre a manutenção das atuais contas de registro ou a utilização de contas de pagamento.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies