Menu
2019-10-11T11:55:41-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Vídeo

Como as emoções interferem nas suas decisões financeiras – e o que fazer para controlá-las

Saiba o que a ciência já descobriu sobre a influência do nosso lado mais irracional nos processos de tomada de decisões financeiras e o que fazer para driblá-la

11 de outubro de 2019
12:00 - atualizado às 11:55

Para ser um investidor de sucesso, sem dúvida você precisa de informação de qualidade e conhecimentos básicos sobre economia e finanças - além de algum dinheiro para começar, é claro. Mas ter um bom equilíbrio emocional e saber usar as nossas armadilhas mentais a nosso favor podem ajudar e muito na hora de tomar boas decisões financeiras. No vídeo a seguir eu falo sobre o que a ciência já descobriu sobre a influência das nossas emoções nos processos de tomada de decisão:

Leia a transcrição do texto sobre como as emoções afetam as suas decisões financeiras

A ciência econômica e a psicologia já descobriram que as nossas emoções e comportamentos intuitivos afetam até mesmo as tomadas de decisão que deveriam ser mais ponderadas, como aquelas relacionadas às finanças e aos investimentos. O problema é que, muitas vezes, o nosso lado mais irracional nos leva a tomar decisões equivocadas, embora elas pareçam adequadas à primeira vista. Saber lidar com as suas emoções e sentimentos pode ajudar você a investir melhor. Emoções e investimentos: e eu com isso?

O nosso pensamento intuitivo e de curto prazo sempre teve uma função muito importante para a nossa sobrevivência como espécie. Ele nos ajuda a reagir com rapidez a situações de perigo e leva a gente a se preocupar mais com as nossas necessidades imediatas do que com o futuro distante.

O problema é que a intuição muitas vezes erra, e a procrastinação nos leva a situações difíceis quando o futuro finalmente chega. A gente pode acabar fazendo compras por impulso, investindo sem fazer a devida análise ou deixando de poupar para a aposentadoria. Além disso, a gente tem uma tendência a adiar decisões financeiras importantes, como começar a poupar, quitar dívidas ou rebalancear a nossa carteira de investimentos.

Um dos movimentos intuitivos mais comuns dos investidores no mercado é o chamado “movimento de manada”, que nada mais é do que fazer o que todo mundo está fazendo e seguir a tendência do mercado. Se o mercado está subindo, o cara que está seguindo a manada compra; se está caindo, ele vende.

Existe o raciocínio de que, se está todo mundo fazendo alguma coisa, ela deve fazer sentido; ou então o medo de ficar de fora de uma grande oportunidade. O problema de seguir a manada é que muitas vezes ela se comporta de forma irracional e exagerada, o que pode levar o investidor a sempre comprar na alta e vender na baixa.

Outra característica da mente humana é a aversão a perdas. A ciência já descobriu que nós somos mais avessos a perder do que a correr riscos. Isso significa que a gente está mais disposto a correr risco para não perder o que já tem do que para ganhar mais.

No mercado financeiro, essa tendência pode nos levar a nos agarrar demais a investimentos ruins e perdedores, na esperança de que, um dia, eles vão se recuperar, mesmo que os fundamentos não apontem para isso. Nossa hesitação para realizar prejuízos e seguir em frente é muito grande.

Por fim, a gente sofre também de um grande mal chamado excesso de confiança. A gente se acha mais capaz de cuidar do nosso dinheiro do que qualquer outra pessoa. Só que ninguém sabe tudo, e deixar de reconhecer o que a gente não sabe pode nos levar a tomar riscos excessivos e fazer muita besteira.

Mas o fato de que a nossa mente nos prega peças não significa que a gente esteja condenado a investir mal para o resto da vida. Existe uma série de truques que podem nos ajudar a driblar os nossos impulsos e vieses.

Por exemplo, manter sempre uma reserva de emergência em investimentos seguros, e só destinar a investimentos de risco recursos dos quais a gente possa prescindir; dividir a poupança em objetivos de curto, médio e longo prazo; manter uma carteira diversificada, com todas as classes de ativos, independentemente do momento econômico; automatizar os nossos investimentos e a nossa rotina financeira ao máximo, para tirar a emoção e a procrastinação da jogada; e tirar tempo pra pensar e pesquisar antes de tomar qualquer decisão de compra ou investimento.

Outra dica que ajuda a neutralizar as emoções é rebalancear a carteira a cada três ou seis meses mantendo sempre as mesmas proporções em cada classe de ativos. Dessa forma, você se certifica de sempre realizar lucros nas aplicações que subiram mais e comprar na baixa os investimentos que se desvalorizaram.

E se você sente que não tem tempo ou segurança suficientes para tomar as próprias decisões de investimento, não deixe de recorrer a especialistas. Uma boa pedida pode ser investir por meio de fundos, que têm gestão profissional.

Gostou do vídeo? Então não se esquece de se inscrever no canal do Seu Dinheiro no YouTube e clicar no sininho para receber as notificações. E pode deixar dúvidas e sugestões para outros vídeos no campo dos comentários.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Após vacinação e apoio fiscal

Economia dos EUA está “em ponto de inflexão” positivo, diz Powell, do Fed

Economia norte-americana está prestes a começar a crescer muito mais rapidamente, afirmou presidente do banco central norte-americano em entrevista

nos estados unidos

Remuneração de CEOs cresceu em meio à pandemia

Recuperação do mercado de ações impulsionou ganhos de executivos em 2020, que tiveram remuneração média de US$ 13,7 mi no período

Após estremecimentos

China quer parceria estratégia com Brasil, diz chanceler asiático

Chanceler chinês, Wang Yi, falou com o novo ministro das Relações Exteriores do Brasil, Carlos Alberto Franco França.

entrevista

Bittar reafirma que Guedes sabia de acordo para destinar verba a emendas

Apontado como um dos artífices da “maquiagem” no Orçamento, o senador Marcio Bittar diz que não chegou sozinho ao valor de R$ 29 bilhões em emendas

Apesar da pandemia

Saúde perde espaço em emendas parlamentares

Números mostram estratégia dos parlamentares para destinar recursos para obras e projetos de interesse eleitoral em seus redutos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies