Menu
2019-12-29T22:01:46-03:00

‘Má gestão levou a maior desigualdade’, diz presidente do Insper

Marcos Lisboa criticou políticas econômicas erradas aplicadas nos anos anteriores.

28 de dezembro de 2019
13:06 - atualizado às 22:01
O economista Marcos Lisboa, presidente do Insper
Imagem: Miguel Ângelo/ CNI / Fotos públicas

O aumento da miséria e da desigualdade social, visto após a recessão iniciada em 2014, é reflexo das políticas econômicas erradas aplicadas nos anos anteriores, na avaliação do economista Marcos Lisboa.

Ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda e hoje presidente do Insper, Lisboa afirma também que o governo Bolsonaro ainda não apresentou um projeto claro para a redução da miséria e da concentração de renda, mas é preciso olhar o longo prazo - fazendo aportes em educação e em programas de cuidados desde a primeira infância. A seguir, os principais trechos da entrevista.

Em 2014, o sr. alertou que a política econômica da época iria gerar uma crise que levaria a um retrocesso na redução da desigualdade. Foi o que ocorreu?

O engraçado é que, depois, as pessoas ficam fazendo análises, como se o que aconteceu fosse um susto. Mas é simples: a desigualdade caiu enquanto a economia cresceu. Quando o País entrou em crise, pela má gestão da política econômica, a desigualdade aumentou. É possível reduzir os abismos sociais quando a economia estiver crescendo e com políticas que olham para as novas gerações, garantindo que elas tenham acesso a uma educação de qualidade e cuidando das crianças desde o nascimento.

Mas os índices que medem pobreza e desigualdade aumentaram depois da recessão. Por que o problema estaria lá atrás?

É porque, no fundo, a política econômica demora anos para ter impacto. O que estamos vendo hoje é um reflexo da política econômica que foi praticada a partir de 2008. O Brasil colheu uma melhora da desigualdade, pelo crescimento da economia e uma série de políticas sociais feitas até o começo dos anos 2000, como a melhora do mercado de crédito. Antes disso, ainda nos anos 90, foi feito o combate à inflação, que era uma fonte de desigualdade, o câmbio flutuante. Tudo isso permitiu um maior crescimento econômico e o resultado foi a queda da desigualdade no mercado de trabalho e ganhos reais de salário muito altos, sobretudo para os trabalhadores de baixa renda.

E isso começou a mudar com a crise internacional?

Sim, quando vieram as políticas de intervenção, a partir de 2008 (já no segundo mandato de Lula), com o governo defendendo empresas e setores com políticas protecionistas, do crédito subsidiado à intervenção no setor elétrico. Ali se construiu um problema, mas que demora um pouco para dar errado. Em 2015 e 2016, se colheu o desastre que havia sido plantado sete anos antes.

A condução da economia mudou desde 2015. Também vai demorar para gerar resultados?

Sim, porque ainda tem muito capital e mão de obra alocados em empresas e em setores em que o País é pouco produtivo, geram pouca renda e poucos empregos. Uma parte do setor formal do País está quebrada ou quase quebrando, como a indústria de transformação e o setor de óleo e gás. Esse grupo está muito fragilizado e não consegue crescer, porque são empresas ineficientes que não sobrevivem sem a proteção do governo que onera os demais setores. O que cresce é o setor de serviços e o de varejo, que têm porcentual maior de informalidade.

É como começar a subir uma escada e parar no meio?

Boa parte da queda da desigualdade foi pelo crescimento dos trabalhadores de baixa renda, muito pelos trabalhadores informais. Se a economia cresce devagar, a desigualdade aumenta. Vimos um aumento generalizado da pobreza no País.

A decisão de criar o Bolsa Família foi acertada?

As políticas sociais são importantes para aliviar a extrema pobreza. Não se resolve a desigualdade sem cuidar das novas gerações. Mas, sem dúvida, é preciso combinar políticas compensatórias para os grupos de extrema pobreza enquanto se desfaz as distorções do passado.

No longo prazo, o que pode ser feito para reduzir tanto a pobreza quanto a desigualdade?

Com uma política sustentável de geração de emprego, reduzindo as restrições ao comércio exterior e resgatando os instrumentos de crédito para as empresas. Quando se pensa nessas questões de pobreza e de desigualdade, as medidas muito voltadas para o curto prazo podem ser prejudiciais no longo prazo. Se o governo acha que está melhorando os índices de emprego, ao apostar em determinados setores ou empresas, como foi feito no passado, estará apenas adiando a solução de um problema.

O governo atual tem se preocupado com a redução da miséria e dos abismos sociais?

O governo não tem uma agenda clara para esses temas. Ele se apega a algumas bandeiras que dão manchete nos jornais, como o acordo do Mercosul com a União Europeia, que vai levar dez anos para ser concluído. Mas não enfrenta a redução de impostos, não revê as regras de conteúdo nacional. Muito daquilo que foi feito nos últimos anos precisa ser revisto, mas tem de ser um processo cuidadoso, porque vários negócios foram construídos com regras antigas, e não são sustentáveis sem elas.

As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

EMPREGOS

Para gerar 1 milhão de empregos, economia tem de crescer 3%, diz secretário

O secretário de Trabalho do Ministério da Economia, Bruno Dalcolmo, evitou nesta sexta-feira, 24, fazer uma previsão oficial para a geração de empregos com carteira assinada em 2020, mas disse acreditar em até 1 milhão de novos postos de trabalho neste ano, caso o Produto Interno Bruto (PIB) tenha uma alta próxima de 3% até […]

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

O que será que será da Selic?

A taxa básica de juros (Selic) vai continuar em queda? Quando fiz essa pergunta recentemente a um gestor de fundos, ele me devolveu com outra pergunta: – Você quer que eu responda o que o Banco Central deveria fazer ou o que ele vai fazer? Pode parecer uma diferença sutil, mas o mercado encontra-se atualmente […]

Dólar teve alta

Tensão com o coronavírus freia os mercados e faz o Ibovespa ficar no zero a zero na semana

O coronavírus trouxe cautela aos mercados, mas não desencadeou uma onda de pessimismo. Como resultado, o Ibovespa ficou praticamente zerado na semana — a nova doença neutralizou o otimismo estrutural visto na bolsa nos últimos dias

OUÇA O QUE BOMBOU NA SEMANA

Podcast Touros e Ursos: Já pensou em conquistar sua independência financeira?

Repórteres do Seu Dinheiro trazem em podcast semanal um panorama sobre tudo o que movimentou os seus investimentos nesta semana

de olho na inflação

BC está confortável com inflação após choque de proteína, diz Campos Neto

“Há um gap de política monetária que a gente tenta comunicar. É importante, porque parte do que foi feito não está totalmente dissipado”, afirmou em seguida

MAIS ESCLARECIMENTOS

BNDES atual pôs R$ 15 milhões a mais em auditoria

O reajuste de 25% aconteceu por meio de um aditivo contratual, publicado no dia 25 de outubro de 2019, e aumentou de US$ 14 milhões para US$ 17,5 milhões o contrato da Cleary Gottlieb Steen & Hamilton, escritório contratado para realizar os serviços de auditoria

CONFIRMADA

Oi confirma venda de participação na angolana Unitel por R$ 1 bilhão

O montante corresponde a venda de 25% da participação que detém na angolana e engloba também os dividendos que a Oi tem o direito de receber, mas que estavam retidos até então

negativas

Bolsonaro nega a ideia de ‘imposto do pecado’

Presidente também descartou a chance de desmembrar o Ministério da Justiça e Segurança Pública em duas pastas

Na bolsa

Itaú reduz participação na Qualicorp para menos de 5%

O banco passou a deter 4,95% do capital da administradora de planos de saúde coletivos após a venda das ações, que acumulam alta de mais de 200% em 12 meses

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta sexta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements