Menu
2019-12-02T17:41:47-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Explicando

Se mercado de dólar ficar disfuncional, BC atuará novamente, diz Campos Neto

Segundo presidente do BC, Roberto Campos Neto, atuações acontecerão sempre que o BC entender que preço do dólar está descolado dos fundamentos ou com problemas de liquidez

26 de novembro de 2019
19:11 - atualizado às 17:41
Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, em audiência na CAE.
Imagem: Pedro França/Agência Senado

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, afirmou que se o mercado brasileiro de dólar se descolar de outros países, sem fundamento e com problemas (gap) de liquidez, o BC voltará a atuar no mercado como atuou nesta terça-feira.

“Hoje tivemos movimento bastante atípico, porque o câmbio descolou de outras moedas com gap de liquidez. Nós entendemos que era o momento em que o câmbio não estava funcional e fizemos duas intervenções, exatamente na linha do que tenho dito. Se amanhã nós entendermos que, de novo, tenha movimento disfuncional e que o câmbio brasileiro está descolando de outros países, sem fundamento e com gap de liquidez, nós vamos voltar a fazer intervenção como fizemos hoje”, disse Campos Neto em evento do jornal “Correio Braziliense”.

O dólar teve um pregão de forte volatilidade nesta terça-feira, parte dela atribuída às declarações do ministro da Economia, Paulo Guedes, de que o dólar alto não gerava preocupação. Depois de fazer máxima a R$ 4,2772, o dólar comercial terminou o dia com alta de 0,61%, a R$ 4,24, nova máxima histórica nominal, mesmo após duas vendas no mercado à vista - veja a cobertura completa de mercados.

Princípios importam

O presidente aproveitou para explicar que o BC trabalha com o princípio da separação e que tem lido que suas declarações estariam gerando controvérsia, mesmo falando sempre a mesma coisa.

“Acreditamos que a política monetária se faz com juro. Que o câmbio é flutuante e que as intervenções são feitas no sentido de atenuar movimentos que estão fora do padrão normal ou quando existe gap de liquidez. A política macroprudencial é voltada para a estabilidade financeira”, disse.

Campos Neto reforçou que esse princípio da separação é muito importante e que o histórico de BCs que o seguem mostra ganho de credibilidade, pois é algo entendido por todos e que gera transparência.

Ele também explicou, novamente, o princípio que norteia as intervenções cambiais. As atuações do BC não buscam mudar a tendência do mercado ou defender uma linha de preço, mas sim suavizar eventuais movimentos de estresse do mercado. Tal estratégia é conhecida como “leaning against the wind” ou “inclinar-se contra o vento” em tradução literal.

“É importante entender que acreditamos no princípio da separação e entendemos que as intervenções não fazem com que o movimento de longo prazo seja revertido. A intervenção não tem capacidade de fazer com o que o câmbio mude uma tendência natural que é feita por variáveis macroeconômicas. Mas sim atenua movimentos”, disse.

Encerrada a parte do câmbio, Campo Neto se disse feliz por ser um banqueiro central que fala pouco sobre inflação, mas que a mensagem que o BC quer deixar é que a melhor política de crescimento que podemos ter é inflação baixa e estável.

Com relação à taxa de Selic, Campos Neto manteve a mensagem da última reunião, de que o BC entende que há espaço para corte adicional de juros. “A consolidação do cenário benigno para a inflação prospectiva deverá permitir um ajuste adicional, de igual magnitude ao realizado na reunião de outubro”.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

pandemia

Covid-19: Brasil passa das 210 mil mortes causadas pela pandemia

Nas últimas 24 horas, as autoridades de saúde registraram 452 óbitos pela covid-19

seu dinheiro na sua noite

Antes tarde do que mais tarde

Com o uso emergencial de duas vacinas contra o coronavírus aprovado no Brasil, ainda que com muito atraso em relação a outros países (incluindo emergentes), o brasileiro pode enfim vislumbrar a possibilidade de um retorno à vida normal. Está certo que ainda vai demorar, e provavelmente veremos o resto do mundo voltar à normalidade, enquanto […]

Fechamento

Vacina empolga, mas incertezas ainda são muitas e limitam os ganhos do Ibovespa; dólar fica estável

Embora o início da vacinação tenha criado um princípio de euforia, as incertezas ainda são muitas e nublam o cenário

atenção, acionista

Itaúsa anuncia o pagamento de juros sobre capital próprio adicionais

Base do pagamento é a posição acionária final do dia 22 de janeiro; provento tem retenção de 15% de imposto de renda na fonte, resultando em juros líquidos de R$ 0,01768 por ação

insatisfações com a estatal

Petrobras sai em defesa de sua política de preços

Estatal listou uma série de respostas para justificar eventuais aumentos concedidos ou que possam vir a ser feitos este ano, diante de preços de petróleo em franca recuperação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies