Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-12-02T17:41:47-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Explicando

Se mercado de dólar ficar disfuncional, BC atuará novamente, diz Campos Neto

Segundo presidente do BC, Roberto Campos Neto, atuações acontecerão sempre que o BC entender que preço do dólar está descolado dos fundamentos ou com problemas de liquidez

26 de novembro de 2019
19:11 - atualizado às 17:41
Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, em audiência na CAE.
Imagem: Pedro França/Agência Senado

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, afirmou que se o mercado brasileiro de dólar se descolar de outros países, sem fundamento e com problemas (gap) de liquidez, o BC voltará a atuar no mercado como atuou nesta terça-feira.

“Hoje tivemos movimento bastante atípico, porque o câmbio descolou de outras moedas com gap de liquidez. Nós entendemos que era o momento em que o câmbio não estava funcional e fizemos duas intervenções, exatamente na linha do que tenho dito. Se amanhã nós entendermos que, de novo, tenha movimento disfuncional e que o câmbio brasileiro está descolando de outros países, sem fundamento e com gap de liquidez, nós vamos voltar a fazer intervenção como fizemos hoje”, disse Campos Neto em evento do jornal “Correio Braziliense”.

O dólar teve um pregão de forte volatilidade nesta terça-feira, parte dela atribuída às declarações do ministro da Economia, Paulo Guedes, de que o dólar alto não gerava preocupação. Depois de fazer máxima a R$ 4,2772, o dólar comercial terminou o dia com alta de 0,61%, a R$ 4,24, nova máxima histórica nominal, mesmo após duas vendas no mercado à vista - veja a cobertura completa de mercados.

Princípios importam

O presidente aproveitou para explicar que o BC trabalha com o princípio da separação e que tem lido que suas declarações estariam gerando controvérsia, mesmo falando sempre a mesma coisa.

“Acreditamos que a política monetária se faz com juro. Que o câmbio é flutuante e que as intervenções são feitas no sentido de atenuar movimentos que estão fora do padrão normal ou quando existe gap de liquidez. A política macroprudencial é voltada para a estabilidade financeira”, disse.

Campos Neto reforçou que esse princípio da separação é muito importante e que o histórico de BCs que o seguem mostra ganho de credibilidade, pois é algo entendido por todos e que gera transparência.

Ele também explicou, novamente, o princípio que norteia as intervenções cambiais. As atuações do BC não buscam mudar a tendência do mercado ou defender uma linha de preço, mas sim suavizar eventuais movimentos de estresse do mercado. Tal estratégia é conhecida como “leaning against the wind” ou “inclinar-se contra o vento” em tradução literal.

“É importante entender que acreditamos no princípio da separação e entendemos que as intervenções não fazem com que o movimento de longo prazo seja revertido. A intervenção não tem capacidade de fazer com o que o câmbio mude uma tendência natural que é feita por variáveis macroeconômicas. Mas sim atenua movimentos”, disse.

Encerrada a parte do câmbio, Campo Neto se disse feliz por ser um banqueiro central que fala pouco sobre inflação, mas que a mensagem que o BC quer deixar é que a melhor política de crescimento que podemos ter é inflação baixa e estável.

Com relação à taxa de Selic, Campos Neto manteve a mensagem da última reunião, de que o BC entende que há espaço para corte adicional de juros. “A consolidação do cenário benigno para a inflação prospectiva deverá permitir um ajuste adicional, de igual magnitude ao realizado na reunião de outubro”.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

o melhor do seu dinheiro

Mercados na semana: O destino da Evergrande, uma análise da Vale e seis ações indicadas por analistas

A semana que termina nos mercados foi marcada pela incerteza quanto ao futuro da incorporadora chinesa Evergrande e seus desdobramentos sobre a economia global. A crise na empresa, que tem um passivo oscilando à beira da insolvência, é consequência do aperto monetário e regulatório sobre o setor promovido pelo governo chinês desde o final do […]

Estimativas

Carrefour (CRFB3) divulga projeção para Atacadão e estima R$ 100 bi em vendas em 2024

A projeção de vendas brutas da rede no exercício social que se encerrará em 31 de dezembro de 2021 é de R$ 60 bilhões

PODCAST MESA PRA QUATRO

Da Conga até o Tik Tok: Gretchen conta de sua carreira artística e como administra seu dinheiro

Aos 60 anos, Gretchen relata sobre sua independência financeira e histórias de família e de carreira

aniversário do seu dinheiro

Onde investir: Natura (NTCO3) e outras 2 ações ESG para os próximos 3 anos

Essas empresas se importam realmente com as boas práticas ESG e estão a preços convidativos em um momento em que a bolsa brasileira oferece oportunidades de compra

em busca de inovação

Hospital Mater Dei compra fatia da A3Data, de inteligência artificial, por R$ 40 milhões

A3Data foi fundada em 2014 e desenvolve projetos de grande impacto nas organizações, líderes em seus segmentos, voltado para o aumento de receita, redução de custos e melhora na experiência dos clientes

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies