Menu
2019-06-14T16:57:04-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Será o futuro das transações online?

Crédito, débito ou criptomoeda? Facebook se une a Visa, Mastercard, Paypal e Uber em plano para lançar criptomoeda própria

Quando estiver em funcionamento, a Libra, governada por um consórcio independente, servirá para que os usuários façam compras e transações tanto no Facebook, como também no Instagram, Messenger, WhatsApp

14 de junho de 2019
13:23 - atualizado às 16:57
facebook-bitcoin
Facebook e Bitcoin - Imagem: Shutterstock

Você já ouviu falar da Libra? Não, não estamos falando da libra esterlina, a moeda corrente do Reino Unido. Estamos falando sobre uma nova criptomoeda que deve surgir em breve no mercado e que promete movimentar as redes sociais.

O Facebook tem planos de lançar uma criptomoeda própria para impulsionar as transações onlines. E a empresa não está sozinha nessa. Segundo o The Wall Street Journal, a rede social de Mark Zuckerberg tem apoiadores de peso do mundo da internet, telecomunicações, e-commerce e até mesmo meios de pagamento. De acordo com fontes do jornal, a empresa planejava arrecadar US$ 1 bilhão para o projeto que já está em andamento há mais de um ano.

Segundo a publicação, Visa, Mastercard, Paypal, Uber, Booking.com, entre outras dezenas de nomes, irão investir cerca de US$ 10 milhões cada na (provisoriamente) chamada Libra Association, um consórcio independente que deve ficar responsável por estudar, desenvolver e governar a nova moeda. Buscando solucionar um problema presente em outras criptomoedas, a instabilidade, a Libra deve estar vinculada a a uma série de outras moedas já emitidas pelo governo.

A administração do consórcio acontecerá de forma independente do Facebook e do poder controlador de qualquer uma das empresas envolvidas no projeto. As companhias devem atuar verificando transações e registrando o seu histórico, criando uma nova rede pagamentos.

Manter a Libra Association independente do Facebook pode ser uma forma da empresa de Zuckerberg evitar novas dores de cabeça e se proteger de eventuais problemas com usuários e órgãos regulatórios, mas mesmo assim ainda deve exercer alguma influência no negócio. É bom lembrar que a rede social já enfrenta diversas encrencas jurídicas relacionada ao uso de dados pessoais de seus usuários.

O envolvimento de empresas de pagamento chama a atenção. Segundo o The Wall Street Journal, uma das razões para que as companhias tenham decidido se envolver na implementação da Libra é que participar do projeto possibilitaria estudar as ambições da gigante da internet e se beneficiar de um possível sucesso.

Procurado pelo jornal, um porta-voz do Facebook não se pronunciou sobre o caso.

Crédito, débito ou criptomoeda?

Segundo o portal TechCruch, a previsão é de que a moeda deve ser anunciada no próximo dia 18, mas só deve entrar em operação total em 2020.

Embora as criptomoedas já estejam no mercado a cerca de 10 anos, e contem com diversos exemplos famosos, é raro quem as utilize em transações cotidianas. Para o Facebook, os seus mais de 2,4 bilhões de usuários podem ajudar a mudar o quadro e popularizar a iniciativa.

Quando estiver em funcionamento, a Libra servirá para que os usuários façam compras e transações tanto no Facebook, como também no Instagram, Messenger, WhatsApp e, por que não, outros lugares da internet.

Ainda não há informações claras de como o projeto deve funcionar, mas assim como já ocorre com as outras criptomoedas, a Libra Association deverá esbarrar em diversas regras regulatórias e enfrentar problemas como a sua possível utilização para lavagem de dinheiro ou financiamento de redes terroristas.

De acordo com o TWJ, o Facebook já participou de encontros com Banco da Inglaterra, Tesouro Americano e Western Union para discutir os riscos e oportunidades do projeto.

 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

rearranjo no segmento

Dona da Farm negocia fusão com a Shoulder, de moda feminina

Empresas mantém conversa “em fase preliminar”, em um momento de rearranjo do segmento; Grupo Soma comprou recentemente a NV e a Lauf

Meme bilionário

O que está por trás da valorização de 500% do Dogecoin em uma semana?

O projeto levou várias pessoas a ficarem milionárias, mas pode fazer muita gente perder dinheiro daqui para frente

Chama o doutor

Após desconto em IPO, ações da Mater Dei estreiam em queda na B3

A situação atual do mercado e a fila de companhias de saúde prontas para abrirem o capital prejudica a rede de hospitais

mudanças na estatal

Conselho confirma general indicado por Bolsonaro para presidir Petrobras e novos diretores

Joaquim Silva e Luna assume o cargo então ocupado por Roberto Castello Branco Branco, demitido porque Bolsonaro estava insatisfeito com política de preços

Só a Vale salva

Tá difícil viver de renda: empresas cortaram R$ 38 bilhões em dividendos na pandemia

Muitas companhias optaram por distribuir menos dinheiro aos acionistas e preservar o caixa durante a crise econômica

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies