Menu
2019-04-04T14:00:48-03:00
Na equipe de Guedes

Novo presidente da Caixa “vira o volante” e diz que banco focará em pequenos empréstimos e crédito imobiliário

Pedro Guimarães se mostrou alinhado com Paulo Guedes ao dizer que a Caixa não pode manter o foco em grandes empresas

2 de janeiro de 2019
19:28 - atualizado às 14:00
Caixa Econômica Federal
Novo presidente da Caixa promete novos rumos para o banco - Imagem: Itaci Batista/Estadão Conteúdo

O novo presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, disse que o banco passará a ter como foco os pequenos tomadores de empréstimos e ampliará a sua vocação para atuar no crédito imobiliário. Alinhado com o ministro da Economia, Paulo Guedes, ele disse que o banco público não pode continuar a ter uma parte importante de sua carteira destinada para as grandes empresas.

"Concordo 100% com Guedes quando ele fala em desestatizar o crédito. Até que ponto a Caixa pode ter mais de R$ 100 bilhões emprestados para grandes companhias que têm acesso ao crédito privado, inclusive internacional? Nosso foco será nos pequenos", enfatizou.

Guimarães lembrou que a Caixa tem mais de 94 milhões de CPFs - considerando quem recebe benefícios pagos no banco estatal -, mas apontou que 78 milhões desses potenciais clientes não adquirem produtos da instituição. "Vamos aproveitar as vantagens competitivas da Caixa", acrescentou.

O banqueiro ainda fez questão de citar a sua amizade pessoal com o novo presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, para dizer que os bancos atuarão em conjunto e buscarão reduzir custos por meio de parcerias em compras e no desenvolvimento tecnológico.

"A Caixa terá forte atuação no crédito imobiliário e o BB no agrícola. Não sei se já houve um alinhamento de ideias tão grande entre os bancos antes. Não haverá uma competição deletéria entre Caixa e BB, e sim uma atuação complementar", afirmou.

Questionado se isso não poderia gerar preocupações da parte do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), Guimarães respondeu que essa atuação conjunta não acontecerá nas questões mais específicas. "Vamos manter a competição natural, não haverá conluio", completou.

Apesar da sua nomeação já ter sido publicada no Diário Oficial da União, a cerimônia de transferência de cargo acontecerá no Palácio do Planalto na próxima segunda-feira (7), quando Rubem Novaes assumirá o BB e Joaquim Levy o BNDES. "Já faremos anúncios importantes na segunda-feira", prometeu.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

balanço da doença

Brasil acumula 4,55 milhões de casos e 137,2 mil mortes por covid-19

Nas últimas 24 horas, o Brasil registrou 377 mortes por covid-19, segundo o Ministério da Saúde

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Razão e Sensibilidade no mercado financeiro: a recente pressão de preços e possíveis alternativas

De todos os romances de Jane Austen, prefiro “Razão e Sensibilidade” — talvez pelo fato de estar em um ambiente tão atrelado à ambivalência: os mercados financeiros

Disputa com a Stone

Linx se recusa a assinar protocolo de oferta da Totvs, que sobe tom contra conselheiros da empresa

Totvs ainda não desistiu do negócio, mas disse que os conselheiros independentes da Linx trataram a oferta da companhia de forma desigual em relação à proposta feita pela Stone

seu dinheiro na sua noite

A segunda onda (e o primeiro teste)?

A bolsa brasileira ganhou 1 milhão de pessoas físicas nos últimos seis meses. São novos investidores que praticamente não sabem o que é perder dinheiro na renda variável. O Ibovespa registrou uma alta de respeitáveis 40% entre março — o epicentro do terremoto nos mercados provocado pela crise do coronavírus — e agosto. O ganho […]

abertura de capital

Bradesco planeja IPO da Ágora e corretora deve se separar do banco até o fim do ano

Analistas do Goldman Sachs tiveram conferência com os diretores do Bradesco, Leandro Miranda e Carlos Firetti. O plano é realizar o IPO depois de a Ágora conquistar o segundo lugar do setor em termos de participação de mercado — o que é previsto para acontecer dentro de 4 ou 5 anos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements