Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-08-02T14:29:59-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
matemática do banco

Com nova gestão da Caixa, Nordeste recebe apenas 2,2% dos empréstimos

Dados são de um levantamento feito pelo Estadão/Broadcast; presidente do banco nega qualquer tipo de direcionamento

2 de agosto de 2019
13:43 - atualizado às 14:29
Fachada da Caixa Economica Federal
Imagem: Shutterstock

A Caixa reduziu a concessão de novos empréstimos para o Nordeste neste ano, mostra levantamento feito pelo Estadão/Broadcast com base nos números do próprio banco e do sistema do Tesouro Nacional.

Em 2019, até julho, o banco autorizou novos empréstimos no valor de R$ 4 bilhões para governadores e prefeitos de todo o País. Para o Nordeste, foram fechadas menos de dez operações, que juntas totalizam R$ 89 milhões, ou cerca de 2,2% do total - volume muito menor do que em anos anteriores.

No ano passado, a região recebeu R$ 1,3 bilhão, o equivalente a 21,6% dos R$ 6 bilhões fechados pela Caixa em operações para governos regionais. Em 2017, o banco contratou R$ 7 bilhões, dos quais R$ 1,3 bilhão foi direcionado para governadores e prefeitos nordestinos (18,6% do total).

Segundo apurou o Estadão/Broadcast com fontes do banco e da área econômica, a ordem para não contratar operações para os Estados e municípios do Nordeste veio do presidente Pedro Guimarães. Sob condição de anonimato, elas confirmam que ouviram a orientação em mais de uma ocasião.

Na quarta-feira, 31, ao saber do teor da reportagem, Guimarães prometeu conceder uma entrevista na última quinta-feira, 1º, sobre esse ponto. O banco, porém, apenas enviou uma nova nota. Nela, afirmou que as contratações (novas concessões) apresentam "sazonalidade" e variação ano a ano, "dependendo ainda do número de pleitos recebidos bem como da aprovação dos ritos anteriormente relacionados". Segundo o banco, de R$ 2,8 bilhões desembolsados neste ano para Estados e municípios, R$ 706 milhões foram para o Nordeste, "número expressivo em âmbito nacional".

Os desembolsos são diferentes das contratações porque estão relacionados a contratos que foram firmados em anos anteriores. A Caixa não respondeu sobre os números de contratações neste ano.

Na semana passada, o banco orientou a reportagem a fazer a procura no site. Depois, ao ser questionada sobre a queda na participação do Nordeste na comparação com o que foi contratado nos anos anteriores, a Caixa destacou "problemas de endividamento" decorrentes da crise pela qual passam alguns Estados e municípios, inclusive das regiões Norte e Nordeste.

As operações do Nordeste neste ano saíram para seis municípios baianos, um de Pernambuco e outro de Sergipe.

Fila

Ao contrário do que diz o banco, o Estadão/Broadcast apurou que há uma fila de pedidos de empréstimos para a região Nordeste que não foram autorizados pela instituição. Entre eles, está o de um financiamento de R$ 133 milhões para a prefeitura de São Luís (MA), para bancar obras de infraestrutura. O pedido do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT) foi feito no dia 9 de maio e até hoje não houve uma resposta.

A orientação para a área técnica, segundo apurou a reportagem, era de não aprová-lo mesmo estando tudo certo. A estratégia foi protelar até os documentos vencerem em 30 de junho. A prefeitura de São Luís foi procurada, mas não se manifestou.

Situação oposta teve a prefeitura de Florianópolis, de Gean Loureiro (sem partido). O pedido de crédito de R$ 100 milhões para obras de infraestrutura, transporte, energia e logística feito no início de julho foi atendido em menos de uma semana e anunciado solenemente por Pedro Guimarães no dia 17 de julho, quando visitou a cidade. Para a solenidade estava prevista a presença do presidente Jair Bolsonaro, que cancelou a ida.

O governo da Paraíba, de João Azevedo (PSB), também fez um pedido de R$ 188 milhões no dia 11 de junho e também ficou sem resposta. O Estado informou que ainda aguarda aval da Caixa para operação.

'Paraíba'

Neste mês, antes de um café da manhã com jornalistas estrangeiros, em uma conversa informal com o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que daqueles "governadores de 'paraíba', o pior é o do Maranhão; tem que ter nada pra esse cara". Depois, se justificou dizendo que fez uma crítica de "três segundos" aos governadores do Maranhão e Paraíba, que são "intragáveis".

Para conseguir um desembolso de R$ 293 milhões em 8 de julho, o governador do Piauí, Wellington Dias (PT), precisou recorrer à Justiça e, mesmo depois de decisão favorável, teve que esperar algumas semanas. A operação foi travada por pendências de documentação. O governo estadual, porém, as sanou e conseguiu que a Justiça determinasse o repasse.

Já Goiânia recebeu sinalização de que vai conseguir R$ 780 milhões para mobilidade urbana mesmo sem aval da União (ou seja, se o município der calote, o governo federal não cobre). O pedido de Iris Rezende (MDB) foi feito em 7 de julho.

Sazonalidade

Para justificar a queda na participação do Nordeste no total de empréstimos aprovados para Estados e municípios neste ano, a Caixa afirmou que as contratações das operações apresentam "sazonalidade ao longo do exercício" e também variação ano a ano, dependendo ainda do número de pleitos recebidos. O banco ressaltou ainda que a aprovação depende ainda das câmaras municipais e assembleias legislativas, além da Secretaria do Tesouro Nacional, entre outros ritos.

A Caixa informou que tem 589 operações de financiamento ativas com a Região Nordeste, totalizando R$ 20,2 bilhões. Não foi informado o total com as outras regiões. Segundo o banco, esses contratos envolvem aportes em saneamento básico, infraestrutura urbana, mobilidade urbana, energia e construção naval.

O banco disse ainda que o presidente Pedro Guimarães e membros da alta gestão visitaram todos os Estados do Norte do País e já estiveram em seis Estados do Nordeste: Bahia, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Piauí e Rio Grande do Norte. O banco afirmou que, "tendo observado a crise pela qual passam alguns Estados e municípios, inclusive das Regiões Norte e Nordeste", que estão com problemas de endividamento, oferece assistência técnica gratuita que "acompanha e orienta o ente na equacionalização da saúde financeira." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Bolsonaro cobra explicações

Logo após ser informado sobre o tema, o presidente da República, Jair Bolsonaro, contestou a reportagem sobre o baixo número de empréstimos a Estados e municípios do Nordeste. Para ele, as prefeituras da região são as mais inadimplentes do País. "Houve um equívoco nessa informação. As prefeituras do Nordeste são as mais inadimplentes e a Caixa precisa de garantias para poder emprestar", disse.

Ao ser questionado sobre a reportagem, ele ligou para o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, e colocou no viva-voz para que os jornalistas que o aguardavam na saída do Palácio da Alvorada pudessem ouvir a explicação.

Guimarães respondeu que "não existe nenhuma indicação para não favorecer uma região ou outra". "Este ano liberamos muito mais dinheiro para a Região Nordeste. O que acontece é que você tem uma série de esteiras de análise. Neste momento, estamos analisando inclusive para o Estado da Paraíba e para o município de São Luís (MA)", disse.

O presidente da Caixa afirmou ainda não reconhecer o dado de 2,2% de empréstimos à região como mostrou reportagem do Broadcast na quinta-feira, 1º de agosto, e do jornal O Estado de S. Paulo nesta sexta. "Esse dado não é algo que reconhecemos. Simplesmente pegaram um dado específico, mas vai ser normalizado. Mas se é 20%, 15%, essa é uma análise técnica. É matemática", disse.

Ao encerrar a ligação, Bolsonaro afirmou que "isso é igual o desmatamento", em referência a dados oficiais contestados por ele recentemente.

Câmara entra no jogo

O presidente da Frente Parlamentar do Pacto Federativo e vice-líder do PRB, deputado Silvio Costa Filho (PE), afirmou que vai encaminhar um ofício à Comissão de Fiscalização e Controle da Câmara para que Guimarães seja convidado a comparecer ao colegiado para discutir os repasses.

"Isso gera uma preocupação que eu tinha, tendo em vista várias conversas com empresários de Pernambuco e do Nordeste. Havia essa preocupação da falta de prioridade da Caixa para fomentação de novos empreendimentos no Nordeste", disse Costa.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

ECONOMIA X COVID

Economia monitora variante ômicron da covid-19, mas programas de auxílio dependem da PEC dos Precatórios; pasta evita falar em gastos fora do teto

Ministério da Economia evita falar em crédito extraordinário, como acontece nos casos de guerras ou calamidades públicas

Black Friday em números

Varejo cresce 6,3% na Black Friday e vê crescimento de lojas virtuais com e-commerce aquecido; confira dados

Apesar do aumento em relação à Black Friday de 2020, o patamar de faturamento do varejo foi 9,1% inferior ao registrado em 2019

Desdobramentos da crise

Presidente da Latam, Roberto Alvo diz que recusou oferta ‘incompleta’ e ‘insuficiente’ da Azul

O conteúdo dela é confidencial”, afirmou, em entrevista coletiva. Procurada, a Azul não quis comentar

Solana no MB

Exclusivo: Solana (SOL), 5ª maior criptomoeda do mundo, chega Mercado Bitcoin com alta de mais de 12.000% no ano

A quinta maior criptomoeda do mundo vem conquistando o mercado porque se coloca como uma blockchain alternativa ao ethereum (ETH)

Pandemia em curso

Variante ômicron da covid-19 já está em dez países, mas chefe da associação médica da África do Sul vê “sintomas médios” da doença em estudo preliminar

Até o fechamento desta matéria, não haviam informações sobre infecções por essa variante da covid-19 nas Américas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies