Menu
2019-04-25T17:30:24-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Botando gás no banco

Caixa traça plano para retomar liderança do crédito imobiliário e fala em desafios sobre funding

Instituição, que desembolsou cerca de R$ 13,3 bilhões em crédito imobiliário no ano passado, perdeu o topo do ranking de concessão para o Bradesco

16 de abril de 2019
14:20 - atualizado às 17:30
Caixa Econômica Federal
No ano passado a Caixa teve de desacelerar a concessão de recursos por questões de capital - Imagem: Itaci Batista/Estadão Conteúdo

A Caixa Econômica Federal pode voltar à liderança nos desembolsos de crédito imobiliário com recursos da poupança, o chamado SBPE, a partir do reforço da atuação do banco neste segmento em 2019.

No ano passado, a instituição, que originou cerca de R$ 13,3 bilhões, perdeu o topo do ranking depois de anos nesta posição para o Bradesco, que somou R$ 15,1 bilhões.

Entre janeiro e fevereiro, o banco público, com R$ 2,490 bilhões em recursos no crédito imobiliário com funding da poupança, ainda segue atrás do concorrente privado, que acumula R$ 2,599 bilhões, conforme dados da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip).

"A tendência natural é retomarmos a liderança. Temos 69% de share no mercado de crédito imobiliário. Então, acaba sendo meio natural", disse o vice-presidente de Habitação da Caixa, Jair Luis Mahl, a jornalistas, após participar do Summit Imobiliário Brasil 2019, promovido pelo jornal O Estado de S. Paulo, em parceria com o Sindicato da Habitação do Estado de São Paulo (Secovi-SP).

O executivo lembrou que no ano passado a Caixa teve de desacelerar a concessão de recursos por questões de capital, mas que este ano o foco é reforçar o crédito nas linhas de SBPE. Ponderou, contudo, que a volta da liderança da instituição na modalidade tende a vir com o tempo e não imediatamente nos rankings mensais e trimestrais do setor.

Sobre o crescimento da carteira de crédito imobiliário do banco público neste ano, Mahl disse que não poderia dar guidances.

No ano passado, a Caixa entregou crescimento de 3,0% no estoque de empréstimos para o setor da habitação ante 2017, totalizando R$ 444,657 bilhões.

Um desafio chamado funding

Mahl também comentou que o funding para o setor imobiliário é um desafio e que tem de ser trabalhado pelo setor.

"Operamos o Minha Casa Minha Vida. Temos mandado para isso como banco público, mas temos de verificar a questão do funding. Temos de ter muita atenção sobre como continuaremos a usar de forma inteligente o FGTS", enfatizou o executivo.

Apesar da questão do funding no setor imobiliário, o vice-presidente da Caixa disse que os fundamentos do setor de crédito imobiliário são sólidos e que 2019 será um ano de expansão como já sinalizam os números do segmento.

Imóveis retomados

Sobre o volume elevado de imóveis retomados nas mãos da Caixa, o vice-presidente do banco público disse que há uma "preocupação imensa" e que a instituição está atenta a isso. "Temos 64 mil imóveis retomados, que nos torna a maior imobiliária do planeta", comparou.

De acordo com Mahl, a Caixa conversa com entidades do setor e construtoras de médio e grande porte em busca de soluções em conjunto que possam desonerar o balanço do banco e retornar os imóveis retomados para as pessoas.

O diretor do Santander, Gustavo Viviani, disse que o banco também olha o assunto dos imóveis retomados com atenção. Sobre suas expectativas para 2019, afirmou que está otimista. "A produção e concessão de crédito estão muito fortes neste ano. Estamos no mercado fomentando a incorporação e o financiamento às pessoas físicas, mas dá para fazer muito mais", concluiu ele.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

pacote comercial

Brasil e EUA assinam acordo para facilitar comércio e desburocratizar regulação

O Acordo de Comércio e Cooperação Econômica vinha sendo negociado pelos dois países desde 2011, mas estava em hibernação até a eleição do presidente Jair Bolsonaro

Relatório de produção

Vale: Produção de minério vai a 88,676 milhões/toneladas, alta anual de 2,3%

No relatório que divulgou nesta segunda-feira, 19, a companhia informa que está evoluindo com seu plano de estabilização e entregou uma forte produção de minério de ferro no terceiro trimestre.

Buscando eficiência

Infraestrutura anuncia início do plano de incorporação da Valec e EPL

Segundo a pasta, um dos principais objetivos da incorporação é “otimizar os gastos por meio de uma empresa mais enxuta, eficiente e sustentável”.

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Segurando o teto

Hoje foi dia de descolamento entre o Ibovespa e as bolsas americanas novamente. E tudo por causa dos impasses que vêm pesando sobre as perspectivas dos investidores nos últimos tempos. Mas desta vez o jogo virou. Foi a bolsa brasileira que se saiu bem, enquanto as bolsas americanas amargaram perdas. Lá fora, o vaivém das […]

Agora vai?

Agora é oficial: CSN entra com pedido de IPO da unidade de mineração

A abertura de capital da unidade da CSN que inclui a mina Casa de Pedra é aguardada há pelo menos uma década, a ponto de ganhar status de lenda urbana no mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies