Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-01-30T12:57:05-02:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Guerra comercial

Bolsonaro não tem culpa. BRF diz que restrição a frango brasileiro pela Arábia Saudita não foi política

Pedro Parente, presidente da produtora brasileira de alimentos, atribuiu a decisão do governo saudita a uma política para controlar a oferta de frangos no país

30 de janeiro de 2019
12:04 - atualizado às 12:57
Pedro Parente, CEO da BRF
Pedro Parente, CEO da BRF - Imagem: José Cruz/Agência Brasil

Bolsonaro não tem culpa. A decisão da Arábia Saudita de descredenciar unidades brasileiras habilitadas a exportar carne de frango para o país não tem relação com a intenção do governo brasileiro de transferir a embaixada em Israel de Tel Aviv para Jerusalém. A afirmação é de Pedro Parente, presidente da produtora de alimentos BRF.

Parente atribuiu a decisão do governo saudita a uma política para controlar a oferta de frangos no país. Uma tentativa prévia já havia ocorrido com uma mudança regulatória, mas a BRF se adaptou rapidamente às novas normas, segundo Parente.

"A medida foi outra maneira de controlar a oferta", afirmou o presidente da BRF, que participa de evento para investidores promovido pelo Credit Suisse.

Parente disse que o descredenciamento não teve impacto material para a empresa, já que só uma das unidades que foram descredenciadas exportava para a Arábia Saudita.

Mais agressivo

O presidente da BRF cobrou, porém, uma postura comercial mais agressiva do governo brasileiro.

"O que está em jogo é a criação de empregos e divisas para o Brasil", afirmou.

Críticas à parte, Parente disse ainda ter "muita esperança" no trabalho do novo time do Ministério da Agricultura e elogiou a visão "pró-negócio" da ministra Tereza Cristina.

Guerra comercial

A guerra comercial entre Estados Unidos e China afetou negativamente os negócios da BRF, embora tenha sido boa para os produtores brasileiros, segundo Parente.

Isso aconteceu porque o preço de commodities como o milho no mercado interno aumentaram, graças à demanda chinesa. A BRF consome 15% da produção de milho brasileira.

"Ao mesmo tempo, o produtor americano teve que baixar os preços, o que ajudou as empresas de proteínas nos EUA", afirmou.

Esse jogo, contudo, pode virar dependendo do avanço das negociações entre os dois países, ainda segundo Parente.

Novo governo

Parente também fez elogios ao novo governo e à prioridade dada às reformas, como a da Previdência.

"O governo optou por um caminho, que eu concordo, de que as decisões nacionais não podem ser feitas em clima de barganha", afirmou.

O problema, disse Parente, é como será a capacidade de execução do novo governo nesse contexto. "Se as coisas andarem no setor público tenho certeza que setor privado vai responder."

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Fechamento Hoje

Tensão entre Rússia e Ucrânia e expectativa com reunião do Fed derrubam bolsas pelo mundo, e Ibovespa cai quase 1%, mas NY vira para o azul na reta final

Wall Street consegue uma virada impressionante e fechar em alta, depois de índices terem chegado a cair mais de 3%; Ibovespa reduziu perdas, mas ainda fechou com queda significativa, enquanto dólar subiu

NOVOS NEGÓCIOS

Google está de olho nas criptomoedas e vai criar unidade de negócio dedicada ao blockchain; entenda o que está por trás da decisão

Antes de se aventurar, gigante de tecnologia assistiu com cautela as movimentações das concorrentes para entrar no mercado de criptomoedas

MELHORA ARTIFICIAL

Pedidos de recuperação judicial caem em 2021 ao menor nível desde 2014

Para os especialistas os números do ano passado não representam uma recuperação econômica, mas uma melhora artificial no ambiente de negócios promovida por políticas públicas pontuais

APOSTA NA SIDERURGIA

A vez da Usiminas: BTG estima alta de mais de 55% para USIM5 nos próximos meses; saiba o que pode impulsionar as ações

Segundo os analistas, a empresa negocia nos múltiplos mais baixos da década e deve surfar na recuperação dos preços do aço

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies