Menu
2019-11-28T08:03:46-03:00
Estadão Conteúdo
hoje não

Juiz dos EUA nega fiança a ex-presidente da Braskem

Executivo é acusado pelo Departamento de Justiça (DoJ) americano de ter feito pagamentos ilegais, envolvendo de forma parcial a Odebrecht, e que faziam parte de um esquema de falsificação, liberação de dinheiro para subornos e lavagem de dinheiro

28 de novembro de 2019
8:03
Vista da então nova unidade da Braskem Petroquímica em Paulínia, São
Vista da então nova unidade da Braskem Petroquímica em Paulínia, São Paulo. - Imagem: Estadão Conteúdo/Alex Silva

O juiz Steven M. Gold, da Corte Distrital Leste de Nova York, negou o pedido de liberdade ao executivo José Carlos Grubisich, ex-presidente da Braskem. Grubisich, que havia sido preso no último dia 20, ao chegar ao Aeroporto JFK para passar férias com a esposa, ofereceu-se a pagar uma fiança de US$ 5 bilhões para responder processo sobre corrupção e lavagem de dinheiro em liberdade.

O executivo é acusado pelo Departamento de Justiça (DoJ) americano de ter feito pagamentos ilegais, de 2002 a 2014, envolvendo de forma parcial a Odebrecht, e que faziam parte de um esquema de falsificação de documentos, liberação de dinheiro para subornos e lavagem de dinheiro.

"Com base no patrimônio do senhor Grubisich, próximo a US$ 65 milhões, a quantia oferecida na fiança é inadequada e precisa ser elevada", destacou o juiz Gold. "Não consigo imaginar o que são US$ 65 milhões em bens." O magistrado também ponderou que, caso seja oferecido um valor maior para a fiança, o documento precisará ser garantido por pessoas residentes nos EUA.

A defesa de Grubisich, representada pelo advogado Edward Kim, conversará com a família do ex-executivo da Braskem para tratar do novo valor da fiança, e não há data quando apresentará a nova proposta à corte. O ex-presidente da Braskem continuará preso enquanto sua nova proposta de liberdade em fiança não for julgada.

No tribunal, Kim apontou que Grubisich merecia a liberdade em fiança, pois não apresentava risco de fugir dos EUA. "Ele fez 11 viagens a este país e tem vínculos profissionais e familiares", apontou. Por outro lado, a advogada do governo americano, Julia Nestor, apontou que o executivo não merecia a liberdade sob fiança, pois é uma pessoa "com elevados recursos e as conexões com o Brasil são muito grandes, país que não tem tratado de extradição com os Estados Unidos".

A esposa de Grubisich, Kátia, estava presente ao tribunal, mas não foi permitida a comunicação verbal entre os dois.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

OLHA O DRAGÃO

IGP-M pressiona contratos de aluguel

Índice acumula alta de 13,02% nos 12 meses encerrados em agosto e a previsão é bater em 15,28% até dezembro

PRIVATIZANDO

Sabesp mira concessão de água e esgoto em Alagoas

Leilão de serviços em Maceió está sendo estruturado pelo BNDES e vencerá quem oferecer maior valor ao governo estadual

PASSO IMPORTANTE

Privatização da distribuidora de energia de Brasília terá preço mínimo de R$ 1,4 bi

Conselho de Administração aprova convocação de assembleia de acionistas para deliberar sobre venda da estatal

PANDEMIA NO PAÍS

Brasil confirma 14.318 casos de covid-19 nas últimas 24 horas

No mesmo período, foram confirmadas mais 335 mortes, segundo boletim do Ministério da Saúde

Saúde na bolsa

Hapvida ou Notre Dame Intermédica: Quem leva a melhor na corrida expansionista?

Nos últimos anos, as duas operadoras de saúde têm investido pesado na expansão via aquisições. Isso é sinal de boas notícias para os acionistas da companhia? Analistas do mercado respondem

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements