Menu
2019-10-11T18:02:56-03:00
O foco é outro

Presidente do Bradesco diz não ter medo das fintechs, mas das big techs

Octávio de Lazari defendeu a existência de uma tarifa entre os players atuantes do open banking, sistema que permitirá o compartilhamento dos dados dos clientes

11 de outubro de 2019
15:52 - atualizado às 18:02
Octavio de Lazari, presidente do Bradesco
Octavio de Lazari, presidente do Bradesco - Imagem: Divulgação CIAB

O presidente do Bradesco, Octávio de Lazari, afirmou que não tem medo das fintechs, mas das big techs como Amazon, Apple e Google. "Imagine um desses entrando no mercado e, com os milhões de clientes que esses casas têm, acessando os sistemas dos bancos? O sistema trava. Não há tecnologia que suporte", alertou ele, durante o Fórum de Investimentos Brasil 2019.

Nesse contexto, ele defendeu a existência de uma tarifa entre os players atuantes do open banking, sistema que permitirá o compartilhamento dos dados dos clientes. "É preciso ter cuidado para evitar dissabores e tarifas. Temos de corrigir assimetrias de informação. Tudo o que é de graça não é valorizado", enfatizou Lazari.

Quanto à possibilidade da cobrança de tarifas aos participantes do open banking, o sócio fundador do Nubank, David Vélez, ficou ao lado do concorrente Bradesco. De acordo com o executivo, se as big techs obtiverem informações junto à base dos grandes bancos, o inverso também tem de valer. "Os grandes bancos também têm de conseguir ter acesso à base de dados das big techs. É uma questão de reciprocidade", acrescentou.

Segundo Vélez, o Nubank apoia a cobrança de uma tarifa no âmbito do sistema de open banking. Ele ponderou, contudo, a necessidade de esse custo ser apropriado de modo que não inviabilize o novo instrumento no Brasil.

"Nós temos um baixo custo, não temos agência. Os grandes bancos têm um custo mais alto por conta do legado que possuem, mas não são os outros players que têm de pagar por isso", exemplificou.

Questionado pelo Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, o presidente do Bradesco explicou que o banco é a favor de uma tarifa que garanta o bom funcionamento do open banking e que não o inviabilize. Sobre a possibilidade de repasse desse custo para o consumidor, ele disse que isso não será possível em um ambiente de maior concorrência no Brasil.

"Se eu repassar esse custo para meu cliente e o concorrente não, eu posso perder meu cliente", avaliou Lazari.

Para o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, a cobrança de tarifas para players terem acesso a informações de clientes no sistema de open banking é um tema importante. O ponto, conforme ele, ainda está em discussão e não há uma definição a respeito. Não se sabe, por exemplo, o tamanho de uma eventual tarifa e se mudaria dependendo do player.

Campos Neto destacou ainda que o tema da reciprocidade e da proteção de dados também merece atenção no sistema de open banking e, por tanto, o regulador está debruçado numa regulação predeterminada para evitar que experiências ruins aconteçam. "Ter algum vazamento de dados pode fazer com que o open banking perca credibilidade antes de nascer", avaliou.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Mudança de sentimento

Fluxo de capital para emergentes fica positivo em US$ 4,1 bilhões em maio, diz IIF

O resultado, porém, é inferior aos US$ 18,6 bilhões de abril. De qualquer modo, o IIF diz em relatório que houve nas últimas semanas uma “mudança de sentimento” em relação a esses países

Volta de atividades

Volkswagen retoma produção em São Bernardo do Campo em um turno

A fábrica da Volkswagen em São Bernardo do Campo voltou a produzir nesta segunda-feira, 1º de junho, depois de dois meses em que a operação ficou suspensa por causa da pandemia do novo coronavírus

Campos Neto no Congresso

Presidente do BC diz que Brasil foi o que mais sofreu com desvalorização cambial

Campos Neto reforçou que o câmbio é flutuante no Brasil e que a autarquia realiza intervenções quando há “gap (lacuna) de liquidez”

efeito coronavírus

Venda de papelão ondulado cai 10,89% em abril ante março, diz ABPO

Queda, conforme a entidade, interrompe um crescimento interanual dos últimos dois anos e representa o primeiro impacto da pandemia

POLÍTICA

‘STF tomou ação efetiva para barrar projeto autoritário’

Para Marcos Nobre, professor de Filosofia Política na Universidade de Campinas (Unicamp) e presidente do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap), a fidelidade do presidente Jair Bolsonaro a suas “convicções autoritárias” o levaram a instituir um “governo de guerra” em reação à pandemia do coronavírus. Nobre acaba de lançar o e-book Ponto Final – […]

ECONOMIA

Pandemia afeta meta de fundos de pensão

Maior fundo de pensão do País, o Previ, dos funcionários do Banco do Brasil, teve retorno negativo de 12,4% em um de seus planos no primeiro trimestre, com déficit de R$ 23,6 bilhões.

EM MEIO À PANDEMIA

Com receita recorde, agronegócio vai aumentar participação no PIB do país

Com a desvalorização do real, as exportações ficaram mais atraentes ao agricultor

DECLARAÇÕES DO EX-MINISTRO

Moro responde: Bolsonaro ‘desejava rebelião armada contra medidas sanitárias’

Em nota divulgada também nesta segunda, Moro defendeu o isolamento social como medida mais eficaz de combate à pandemia e criticou o que classificou como “ofensas e bravatas” do governo.

varejo em foco

O que fazer com as ações de Magazine Luiza e Via Varejo, segundo o Bradesco

Banco divulgou novas estimativas para ações de varejistas, incluindo B2W e Mercado Livre

VOLTA LENTA

‘Fator medo’ deve permanecer até meados de 2021, diz presidente do BC

“Percebemos que, independentemente do lugar, em grande parte dos lugares, não conseguimos chegar ao padrão de 2019 de circulação de pessoas”, afirmou Campos Neto aos parlamentares.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements