🔴 [EVENTO GRATUITO] COMPRAR OU VENDER VALE3? INSCREVA-SE AQUI

Vendedor sincero passa fome! Os cuidados na hora de embarcar nas recomendações de ações

É sempre importante saber o que os analistas da bolsa estão pensando. Tenha um olhar crítico, analise os números e sempre desconfie das intenções de quem te aconselha, inclusive as minhas, claro!

17 de janeiro de 2019
5:13 - atualizado às 15:15
Mercado de ações XP EZTec Copel
Imagem: Shutterstock

Meu plano era encerrar essa coluna com o seguinte parágrafo:

“Não se importe muito com as falas de Bolsonaro sobre o negócio da Embraer com a Boeing. No fim das contas, o que vai definir a decisão do governo brasileiro é o fato de que, sem a parceria, a vida da Embraer vai ficar muito complicada. A maior chance é de que o negócio saia como anunciado e de que o resultado seja positivo para os acionistas”.

Nas primeiras horas do dia 11 (sexta-feira), a notícia se espalhou: “Governo Bolsonaro aprova parceria entre Embraer e Boeing”. O papel chegou a bater quase 10% de alta, mas acabou fechando em modestos 2,57%.

Na quarta-feira, dia 16, tivemos o anúncio dos dividendos de US$ 1,6 bilhão (bom!) e fortes revisões para baixo do guidance (nada bom!). No líquido, fechamos o dia com um baita tombo: papel fechou o dia com queda de 1,19%.

Não adianta, não dá para planejar nada com muita antecedência no mercado – as coisas acontecem rapidamente e tudo muda da noite para o dia.

Se não dá para fazer planos, não dá para acreditar muito em previsões – quando comecei a trabalhar no mercado financeiro, olhava com espanto para os números dos analistas das grandes casas de análise: os caras colocam preço alvo de ação com vírgula e tudo!

Hoje, olho mais com desconfiança do que com admiração.

É muita precisão!

Mais do que técnica e conhecimento apurados, me parece um pouco de exagero acreditar que as planilhas de Excel sejam capazes de prever, com tamanha exatidão, quanto vale uma empresa com mais de 50 mil funcionários, dezenas de fornecedores e centenas de clientes espalhados por cinco continentes.

Acho, sinceramente, que ninguém nem sabe como será o mundo daqui a cinco anos – carro vai precisar de gasolina? As pessoas ainda vão assistir televisão?

No século XIX, se você falasse que a obesidade seria um problema endêmico, é provável que alguém te mandasse ler Malthus. Hoje, já tem gente falando que, em algumas décadas, ninguém mais vai morrer de velhice e/ou doenças.

Como prever vendas e custos daqui a dez anos?

Quando você olha para os relatórios da sua corretora, com as recomendações de compra ou venda e preço alvo das ações para o fim do ano é preciso ter um pouco de senso crítico: até que ponto dá para ter certeza na exatidão daqueles números?

Eu digo isso porque a ideia por trás desses alvos exatos, com precisão de dois dígitos e data para acontecer é exatamente essa: passar a mensagem de certeza, de exatidão técnica e robustez teórica.

Quanto mais você acredita nisso, maior o risco de exagerar a dose, concentrar demais seus investimentos e quebrara a cara com aquela “aposta certeira”.

Olha só: em agosto de 2017, fiz um estudo de atualização sobre Marcopolo (POMO4), a maior fabricante de carrocerias de ônibus do país. Eu já modelei a empresa algumas vezes, visitei a fábrica, estudei o mercado de ônibus e tenho um certo carinho pelas ações, dado que foi a primeira empresa de capital aberto que estudei profissionalmente.

Eu conheço bem o negócio, os gestores, o mercado e me sinto confortável em avaliar se é hora de comprar ou vender.

Eu tinha certeza de que o momento era bom e a coloquei em uma das minhas carteiras sugeridas.

Algumas semanas depois, a notícia de um incêndio na principal planta, em Caxias do Sul. Por sorte, o fogo foi rapidamente controlado e os estragos, apesar do susto, não foram muito grandes.

No fim das contas, as ações subiram e ganhamos dinheiro com a posição. Mas, se o estrago tivesse sido maior e uma porção relevante da fábrica tivesse sido destruída, é muito provável que nem mesmo o seguro contra lucros cessantes tivesse evitado o pior.

Por definição, meus modelos, e o de outros analistas, são incapazes de lidar com o imponderável. Acreditar na exatidão dos números frios é um convite ao fracasso.

O trabalho é vender para você

Além da questão técnica e da imprevisibilidade do futuro, há uma outra, mais profunda – o alinhamento de interesses.

Alguma vez já te falaram “olha, acho que você não deveria levar essa calça. Ela te deixa meio gorda” ou “poxa, acho que hoje não precisa fazer a barba não, dá uma passada na semana que vem” ?

Seu corretor pode ser a alma mais honesta da Faria Lima. O analista do bancão pode ser o mais premiado. Mas ambos precisam colocar comida na mesa e precisam que você opere e compra e venda um monte de ações para isso. Quanto mais melhor.

Reforço, nada tem a ver com a honestidade e caráter de nenhum deles. As pessoas respondem a incentivos e, mesmo que inconscientemente, são guiadas por instintos primitivos – na selva, quem fica parado não come e vendedor sincero passa fome.

No caso dos grandes bancos, há ainda outros interesses no meio da história – as empresas têm operações de crédito, folha de pagamento, fecham câmbio e uma infinidade de relações comerciais. Qual a chance de um banco soltar um relatório negativo sobre uma empresa para qual coordenou o IPO há poucos meses?

É sempre importante saber o que o mercado está pensando. Bom saber a opinião de analistas que, em sua maioria, são inteligentes, diligentes, bem informados e honestos. Eu, sempre que posso, leio os relatórios e converso com os (bons) amigos que tenho na indústria.

Mas eu não confio cegamente na opinião deles. Você também não deveria. Tenha um olhar crítico, analise os números e sempre desconfie das intenções de quem te aconselha, inclusive as minhas, claro!

O analista profissional pode ser muito bem informado e estudado, mas nenhuma das matérias do MBA envolve cartomancia e é pouco provável que os interesses dele sejam os mesmos do que os seus.

Compartilhe

Engordando os proventos

Caixa Seguridade (CXSE3) pode pagar mais R$ 230 milhões em dividendos após venda de subsidiárias, diz BofA

14 de setembro de 2022 - 13:22

Analistas acreditam que recursos advindos do desinvestimento serão destinados aos acionistas; companhia tem pelo menos mais duas vendas de participações à vista

OPA a preço atrativo

Gradiente (IGBR3) chega a disparar 47%, mas os acionistas têm um dilema: fechar o capital ou crer na vitória contra a Apple?

12 de setembro de 2022 - 13:09

O controlador da IGB/Gradiente (IGBR3) quer fazer uma OPA para fechar o capital da empresa. Entenda o que está em jogo na operação

novo rei?

O Mubadala quer mesmo ser o novo rei do Burger King; fundo surpreende mercado e aumenta oferta pela Zamp (BKBR3)

12 de setembro de 2022 - 11:12

Valor oferecido pelo fundo aumentou de R$ 7,55 para R$ 8,31 por ação da Zamp (BKBR3) — mercado não acreditava em oferta maior

Exclusivo Seu Dinheiro

Magalu (MGLU3) cotação: ação está no fundo do poço ou ainda é possível cair mais? 5 pontos definem o futuro da ação

10 de setembro de 2022 - 10:00

Papel já alcançou máxima de R$ 27 há cerca de dois anos, mas hoje é negociado perto dos R$ 4. Hoje, existem apenas 5 fatores que você deve olhar para ver se a ação está em ponto de compra ou venda

NOVO ACIONISTA

Com olhos no mercado de saúde animal, Mitsui paga R$ 344 milhões por fatias do BNDES e Opportunity na Ourofino (OFSA3)

9 de setembro de 2022 - 11:01

Após a conclusão, participação da companhia japonesa na Ourofino (OFSA3) será de 29,4%

Estreia na bolsa

Quer ter um Porsche novinho? Pois então aperte os cintos: a Volkswagen quer fazer o IPO da montadora de carros esportivos

6 de setembro de 2022 - 11:38

Abertura de capital da Porsche deve acontecer entre o fim de setembro e início de outubro; alguns investidores já demonstraram interesse no ativo

Bateu o mercado

BTG Pactual tem a melhor carteira recomendada de ações em agosto e foi a única entre as grandes corretoras a bater o Ibovespa no mês

5 de setembro de 2022 - 15:00

Indicações da corretora do banco tiveram alta de 7,20%, superando o avanço de 6,16% do Ibovespa; todas as demais carteiras do ranking tiveram retorno positivo, porém abaixo do índice

PEQUENAS NOTÁVEIS

Small caps: 3R (RRRP), Locaweb (LWSA3), Vamos (VAMO3) e Burger King (BKBR3) — as opções de investimento do BTG para setembro

1 de setembro de 2022 - 13:50

Banco fez três alterações em sua carteira de small caps em relação ao portfólio de agosto; veja quais são as 10 escolhidas para o mês

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

Passando o chapéu: IRB (IRBR3) acerta a venda da própria sede em meio a medidas para se reenquadrar

30 de agosto de 2022 - 11:14

Às vésperas de conhecer o resultado de uma oferta primária por meio da qual pretende levantar R$ 1,2 bilhão, IRB se desfaz de prédio histórico

Exclusivo Seu Dinheiro

Chega de ‘só Petrobras’ (PETR4): fim do monopólio do gás natural beneficia ação que pode subir mais de 50% com a compra de ativos da estatal

30 de agosto de 2022 - 9:00

Conheça a ação que, segundo analista e colunista do Seu Dinheiro, representa uma empresa com histórico de eficiência e futuro promissor; foram 1200% de alta na bolsa em quase 20 anos – e tudo indica que esse é só o começo de um futuro triunfal

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar