Menu
2019-04-05T15:49:27-03:00
Roda gigante

“Prepare-se para muita volatilidade na Bolsa”

Para Carlos Massaru Takahashi, presidente da gestora BlackRock no Brasil, a oscilação da Bolsa de Valores na última semana assustou, mas não surpreendeu

1 de abril de 2019
8:57 - atualizado às 15:49
Tela mostra cotações de bolsa de valores e gráficos de mercado
Imagem: Shutterstock

A queda de braço entre o presidente da República, Jair Bolsonaro, e o líder da Câmara, Rodrigo Maia, transformou a Bolsa de Valores em uma montanha-russa na última semana. Em menos de uma semana, o índice Ibovespa caiu 9 mil pontos - do patamar histórico dos 100 mil pontos para 91 mil. Para o presidente da gestora BlackRock no Brasil, Carlos Massaru Takahashi, a oscilação assustou, mas não surpreendeu. "O investidor precisa entender que essa volatilidade faz parte do desafio da reforma da Previdência", destaca.

Takahashi lidera desde março a operação brasileira da maior gestora de recursos do mundo, com US$ 5,6 trilhões de recursos administrados e presença considerada ainda tímida no País (que ainda é o quarto mercado da empresa na América Latina). "Nossa missão é transformar o Brasil no principal mercado da região", diz o executivo, que planeja uma revisão no portfólio da gestora.

Leia trechos da entrevista:

Após turbulências entre Jair Bolsonaro e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, a Bolsa caiu 9 mil pontos em poucos dias. O mercado se assustou com o governo?

O mercado trabalha muito em cima das expectativas. O reconhecimento de que o governo estava trazendo uma equipe forte e sensível na área econômica levou a Bolsa para recordes. Mas, à medida que avançam as discussões sobre a reforma da Previdência, isso traz volatilidade. Acho que, apesar disso, estamos agora falando de uma Bolsa que oscila na casa dos 90 mil pontos, um patamar historicamente bastante elevado.

O sr. esperava esse nível de oscilação?

Não desse nível. Mas trabalhamos com um cenário de bastante volatilidade em 2019, em função de todos os fatores. O investidor precisa se preparar para muita volatilidade na Bolsa. Ninguém era ingênuo em achar que a discussão da reforma não seria difícil. Enquanto a discussão estava em um campo em que prevalecia o debate técnico e econômico, isso encontrava um nível de ressonância. Mas, na hora que migra para o campo político, como agora, a reforma traz volatilidade.

Quais setores mais sofrem neste momento?

As ações que têm causado essa grande volatilidade são as relacionadas com o governo e com os bancos, que também foram bastante impactados. Também o setor de commodities e as empresas do sistema elétrico. Há ações que se beneficiam de uma desvalorização do real frente ao dólar, como as das empresas de celulose.

Há 15 dias, alguns bancos e corretoras recomendavam aumentar a carteira de renda variável. Falava-se em 15% do portfólio em ações para um perfil de risco moderado.
Essas previsões precisam ser reconsideradas frente ao desafio da reforma?

O investidor precisa tomar cuidado com a volatilidade, mas precisa começar a diversificar. O brasileiro ficou muito tempo acostumado com aquilo que é o alinhamento perfeito: produtos de liquidez, com baixo risco e melhor retorno, que são os títulos de renda fixa. Mas com taxa de juros de 6,50% ao ano, esse mundo passa a não ser tão perfeito e confortável assim.

O sr. disse que a Bolsa mudou de patamar. Há espaço para crescimento neste ano?

Claro que, se olhar em dólar, ainda tem espaço para crescimento. Mas, por outro lado, se olhar em termos de fundamentos, balanços das empresas, pode ser defensável a tese de que algumas empresas e alguns setores já estão bem precificados.

A BlackRock foi pioneira no Brasil com os ETFs, fundos que replicam índices da Bolsa. Mas esse mercado não ganhou a escala que se imaginava. O que aconteceu?

Foi uma questão de momento do País. O Brasil, até pelas características macroeconômicas, sempre contou com uma previsibilidade menor na economia. No final das contas, ativos domésticos como CDBs sempre foram predominantes. Eu atribuo essa dificuldade muito a um mercado mais fechado, de alguma forma monopolizado pelas grandes instituições.

Muitos investidores reclamam do preço dos ETFs da gestora. Enquanto o Bova11, o mais popular da empresa, tem taxa de administração de 0,54% ao ano, o Dov11, do Itaú, que replica o mesmo índice, tem taxa de 0,3%. Não está no momento de rever os preços dos produtos?

A revisão de portfólio é um exercício permanente. Esse produto está em revisão, mas não se resume ao preço. O preço faz parte, é uma variável, mas não é a única. Pelo histórico de nosso produto, a gente tem um nível de liquidez e volume de negociação maior do que os outros produtos do mercado e achamos que esse é um atributo importante.

Isso envolve o lançamento de fundos multimercados, nicho que ainda são tímidos?

Temos um portfólio acanhado no Brasil. Um foco, inegavelmente, é ampliar a gama de ETFs no Brasil. Ficamos com o olhar viciado no Bova11. Mas há alternativas de diferentes estratégias de ETFs, inclusive ETFs Ativos. Os nossos multimercados são com ativos no exterior. Se o veículo mais adequado para ampliar o acesso do investidor aos ativos internacionais for esse, vamos ampliar também a oferta de multimercados.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

em busca de soluções

Fim de acordo com a Boeing pressiona Embraer a correr para se reestruturar

Atenção do setor agora se volta para as medidas que a fabricante brasileira vai tomar para superar esse duro revés

manifestações americanas

Trump ameaça usar militares para conter atos contra racismo

EUA registraram ontem o sétimo dia seguido de manifestações antirracistas, após a morte de George Floyd, um homem negro de 46 anos, asfixiado por um policial branco

mundo pós-covid

Não podemos entrar em briga tola contra a globalização, diz Mansueto

Secretário do Tesouro afirmou que o Brasil precisa expandir a presença no mercado internacional e aumentar tanto as exportações quanto as importações

R$ 4 bi a mais

CMN amplia limite para contratação de operações de crédito sem garantia da União

Ministério da Economia afirma que os novos limites entram em vigor a partir desta segunda-feira, 1º

mudança histórica

Opportunity vai transformar Hotel Glória em residências de luxo

Inaugurado em 1922 para ser o primeiro cinco estrelas do Brasil, o Glória, em quase um século de existência, foi prestigiado por 19 chefes de Estado, além de artistas e políticos do mundo todo

Ações do mês

Vale, Magazine Luiza, Petrobras e JBS: como se comportaram as principais indicações das corretoras em maio?

As ações mais indicadas pelas corretoras tinham um perfil comum: resiliência e capacidade de adaptação. Elas foram muito testadas durante os últimos 30 dias, mas passaram com louvor

CAÇADOR DE ASSIMETRIAS

Direto ao ponto: comprar ou não comprar dólar?

A verdade é que ninguém sabe se o dólar vai cair, subir, andar de lado, dar cambalhota ou mortal carpado. Diante disso, quando me perguntam “comprar ou não comprar dólar”; eu devolvo com um segunda questionamento: “depende, você já tem dólar?”

Decisão em plenário

Toffoli marca julgamento sobre inquérito das fake news para semana que vem

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, marcou para a próxima quarta, 10, o julgamento sobre a continuidade ou não das apurações do inquérito das fake news

Ministério atualiza dados

Brasil chega a 526,4 mil casos e 29,9 mil mortes por coronavírus

Até o momento, 211.080 pacientes estão recuperados da doença

seu dinheiro na sua noite

O mundo em ebulição

Caro leitor, Não bastasse uma pandemia mundial que paralisou a economia, tensões políticas no Brasil e o retorno da troca de farpas entre Estados Unidos e China, temos assistido também, nos últimos dias, a intensos protestos nos EUA contra o racismo. No último fim de semana, às já habituais manifestações em apoio ao governo aqui […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements