Menu
Vinícius Pinheiro
O melhor do Seu Dinheiro
Vinícius Pinheiro
2019-10-25T19:06:51-03:00
Seu Dinheiro na sua noite

As maquininhas de guerra

25 de outubro de 2019
19:06
O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

Se você decidisse montar uma padaria ou qualquer outro comércio ali no começo da década, precisaria obrigatoriamente colocar no caixa duas marcas de maquininhas para aceitar pagamentos no cartão: uma da Rede e outra da Cielo.

A primeira, que tem como dono o Itaú Unibanco, era a única que passava cartões com bandeira Mastercard. Já a outra, que tem como principais acionistas o Banco do Brasil e o Bradesco, tinha exclusividade com a Visa.

Nem preciso dizer que esse território demarcado era extremamente fértil e lucrativo para os bancões. O jogo só começou a virar quando o Banco Central abriu os olhos e decidiu acabar com a exclusividade.

Foi então que começaram a surgir empresas ligadas a outros bancos e também independentes. Para ganhar mercado, os novos competidores derrubaram os preços cobrados dos lojistas e deram início ao que passou a se chamar de “guerra das maquininhas”.

Essa concorrência tem sido ótima não só para os donos de lojas como para os consumidores. Mas até mesmo as guerras precisam seguir certas convenções.

Em uma ofensiva lançada em maio deste ano para recuperar parte do espaço perdido, o Itaú anunciou que os lojistas que fizessem suas vendas no cartão de crédito pelas maquininhas da Rede receberiam o dinheiro em dois dias, em vez dos 30 dias tradicionais.

Só que quando a esmola é demais o santo desconfia. E o Cade também. Saiba por que as armas usadas pelo Itaú na guerra das maquininhas chamaram a atenção do órgão de defesa da concorrência.

Quem é que sobe

Os investidores terminaram a semana da mesma forma que começaram: comprando ações e vendendo dólar. Após a queda de ontem, o Ibovespa voltou a subir, embora tenha ficado distante das máximas do dia, quando chegou a superar os 108 mil pontos, e o dólar caiu para a marca dos R$ 4,00. Os bons balanços de Petrobras e Vale e a alta das bolsas lá fora contribuíram para sustentar o otimismo que se instalou após a aprovação da reforma da Previdência. A Julia Wiltgen traz para você tudo o que movimentou os mercados hoje e na semana.

Entrada, prato principal e sobremesa

Depois de servir uma degustação em grande estilo com a divulgação dos dados de produção do terceiro trimestre, a Petrobras deixou os investidores com água na boca para o balanço. E o prato principal não decepcionou. O lucro ficou acima do esperado pelos analistas com a queda nos custos de exploração do petróleo, e o endividamento voltou a cair. A companhia aproveitou para servir ainda uma bela sobremesa, na forma de dividendos. O resultado desse banquete se refletiu nas ações da estatal, como você confere nesta matéria.

Dirigindo na contramão

Não é segredo para ninguém que a queda da Selic a mínimas históricas vai mudar o perfil do investidor. Mas, pelo menos quando o assunto é Tesouro Direto, os investidores aparentemente ainda guardam um apego ao bom e velho título atrelado à variação dos juros. Mesmo com a perspectiva de novos cortes nas taxas, o Tesouro Selic liderou os investimentos entre os papéis do governo disponíveis na plataforma em setembro. O Eduardo Campos traz todos os números nesta matéria.

Afinados na economia

Jair Bolsonaro nunca escondeu que deseja uma maior proximidade do Brasil com os Estados Unidos. Por isso criou-se uma grande expectativa para a visita do presidente à China. Mas o encontro com o chinês Xi Jinping não só foi bastante amistoso como ainda trouxe a perspectiva de uma série de negócios entre os dois países em várias áreas. Foi o próprio Bolsonaro quem relatou os detalhes da conversa.

#Sextou com convidado

O happy hour do Seu Dinheiro contou com um convidado mais do que especial: o nosso colunista Ivan Sant’Anna participou da edição desta semana do podcast Touros e Ursos. O Victor Aguiar e o Nicolas Gunkel (que faz sua estreia no podcast) trataram de um tema especial com o mestre: os 90 anos da crise de 1929. Os três comentam as lições, os grandes perdedores e os ganhadores (sim, houve vários) da quebra da bolsa de Nova York. Então som na caixa!

Este artigo foi publicado primeiramente no "Seu Dinheiro na sua noite", a newsletter diária do Seu Dinheiro. Para receber esse conteúdo no seu e-mail, cadastre-se gratuitamente neste link.

*Colaboração Fernando Pivetti.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

conflito internacional

Trump revela ‘plano de paz’ para Oriente Médio; palestinos são contrários ao projeto

Israel teria controle sobre a totalidade de Jerusalém como sua capital. O plano também propõe a criação de uma capital da Palestina na periferia a leste de Jerusalém

Vendas de iPhones aumentam e Apple supera estimativas no 4º trimestre

Vendas do produto somaram US$ 55,96 bilhões, ao passo que as estimativas eram de US$ 51,6 bilhões e o desempenho do quarto trimestre de 2018 havia sido de US$ 52 bilhões.

Bolsa

Sem Petrobras, Vale, bancos e frigoríficos, Ibovespa é índice mais caro do mundo, diz SPX

Small caps também são vistas com ressalvas por gestores de fundos, que falaram sobre as oportunidades que (ainda) veem na bolsa após a forte alta dos últimos anos

MUDANÇA DE CARGO

Marinho anuncia novo presidente do INSS e diz que cronograma está mantido

Atualmente, 1,3 milhão de solicitações de benefício estão sem análise há mais de 45 dias, prazo legal para que o INSS dê uma resposta

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

O que fazer diante do coronavírus

Caro leitor, A essa altura, você talvez já saiba que o coronavírus causa infecções do trato respiratório superior, cujos sintomas principais são coriza, dor de garganta e febre. A doença pode chegar ao trato respiratório inferior, o que é mais comum em pessoas com doenças cardiopulmonares, com sistema imunológico comprometido ou idosos. Você também já […]

De volta aos 116 mil pontos

Dia de correção: Ibovespa se recupera e fecha em alta de mais de 1,5%; dólar cai a R$ 4,19

Após amargar perdas de mais de 3% na segunda-feira, o Ibovespa teve um dia de alívio e encerrou com ganhos firmes, acompanhando o tom de maior calmaria no exterior. O coronavírus, no entanto, segue trazendo cautela às negociações

VEM, CHINESES

Doria diz que continua estimulando chineses a comprar instalações da Ford

No ano passado, Doria tentou ajudar o grupo brasileiro Caoa a comprar a planta da Ford e chegou a convocar uma coletiva de imprensa para anunciar um acerto entre as duas empresas. No entanto, as negociações não prosperam

DÍVIDA

Dívida pública federal sobe 1,03% em dezembro, e fecha 2019 em R$ 4,248 trilhões

A DPF inclui a dívida interna e externa. A Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi) subiu 1,22% em dezembro fechou o ano em R$ 4,033 trilhões

DE OLHO NOS GASTOS

Gasto de estrangeiro fica estagnado

Apesar do aumento no volume de pessoas de países com isenção de visto que vieram ao Brasil, isso não se refletiu no montante total de gastos dos turistas de fora

AVALIAÇÃO NEGATIVA

Após aumento de custos e queda nos lucros, Credit Suisse corta preço-alvo para ações da Cielo

Entre os pontos de atenção citados pelos analistas no relatório está a queda de margens, que alcançaram os menores níveis já vistos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements