Menu
2019-04-04T14:41:50-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Sob nova direção

Na posse como presidente do BNDES, Levy fala de plano de desinvestimentos à criação de um FGC

Novo presidente do banco defendeu uma política de desinvestimentos e evitou dar números sobre o pagamento de dívidas com a União

8 de janeiro de 2019
16:05 - atualizado às 14:41
joaquim-levy
Joaquim Levy: "o momento é bom (para desinvestir), a gente tem visto a Bolsa evoluindo bem" - Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O novo presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Joaquim Levy, disse nesta terça-feira, 8, que o governo voltará a avaliar as alternativas para a criação de um fundo de garantia para operações de crédito. O novo chefe do banco de fomento concedeu uma entrevista coletiva após a cerimônia de transmissão de cargo, na sede do BNDES, no Rio de Janeiro.

Segundo ele, há oferta de recursos internacionais para esse fim e, com o fundo, os bancos privados poderão ser mais ativos na concessão de crédito corporativo.

O assunto havia voltado à pauta dos ministérios da Fazenda e do Planejamento no fim do governo passado, após ser discutido pelo Grupo de Trabalho do Mercado de Capitais. Para Levy, a modelagem de novos instrumentos de garantia é importante, mas complexa.

Questionado se ativos do próprio BNDES poderiam ser usados para constituir o fundo, o novo presidente do banco, que já foi ministro da Fazenda e atuou em organismos internacionais, disse que as alternativas serão estudadas, mas que é preciso avaliar a qualidade da carteira. "Vamos ver como evolui (a discussão). Se é um ativo de risco, não podemos usar para tomar mais risco", completou.

Pagamentos em aberto

Levy também afirmou que o valor definitivo a ser pago neste ano ao governo referente à dívida do BNDES com a União dependerá do ritmo da retomada da atividade econômica e de uma análise do balanço do banco. "O exato valor da definição vai ser em função tanto das perspectivas de retomada da economia quanto desse melhor uso do nosso balanço", disse o novo presidente, que evitou citar valores.

O economista disse que não queria se antecipar, pois seria preciso fazer um levantamento para definir as metas, tanto de desembolsos quanto de devoluções antecipadas da dívida com a União. Conforme uma reestruturação da dívida firmada em julho do ano passado, o BNDES devolveria R$ 26,6 bilhões neste ano, mas a equipe do Ministério da Economia já sinalizou que quer mais e a devolução poderá chegar a R$ 100 bilhões.

Saldão do BNDES

Sobre o tema desinvestimentos, Levy disse que a forma como o banco venderá seus ativos ainda será definida. Ele destacou, no entanto, que é preciso olhar o impacto das vendas da carteira bilionária do BNDES no mercado. "O momento é bom (para desinvestir), a gente tem visto a Bolsa evoluindo bem", disse.

O executivo afirmou também que a venda de ativos da holding de participações societárias BNDESPar deve ser parte da estratégia de mudança da estrutura de capital do banco. "Parte da mudança da estrutura de capital será exatamente com a BNDESPar, como vamos desinvestir. Temos que olhar o impacto no mercado da venda desses ativos", disse.

Relatório divulgado na segunda-feira pelo banco BTG avalia em cerca de R$ 100 bilhões a carteira de ativos da holding. Quase 70% disso está alocado em Petrobras e Vale, mas há participações relevantes em outras empresas como AES Tietê, Tupy e JBS.

Ao explicar a importância de focar o crédito às empresas de médio porte, Levy disse que a política monetária "é favorável". "Quando houver aumento de demanda, a oferta terá capacidade de responder sem inflação", afirmou o executivo.

Questionado se o atual nível de desembolsos do BNDES - R$ 69,16 bilhões em 2018, menor patamar desde 1996 - não poderia frear o crescimento quando a demanda retomar em ritmo mais acelerado, Levy disse que temos que "separar desembolsos de apoio".

"Se eu usar outros instrumentos, como garantias, posso ter desembolsos com recursos privados, mas em que eu vou estar proporcionando parte da estrutura de financiamento", afirmou Levy, sem citar valores. Ele frisou, porém, que, com o aumento da demanda avançando, a expansão do crédito poderá vir do setor privado. "Em projetos mais complexos, o BNDES tem um papel a cumprir", disse Levy.

E a Eletrobras?

O novo presidente do BNDES foi reticente em relação à privatização da Eletrobras, mas se mostrou otimista quanto a venda das estatais federalizadas do setor elétrico. "A privatização da Eletrobras continua em discussão e vamos apoiar a política que se fixar", disse.

Levy defendeu o modelo de desestatização como saída "diante dos desafios fiscais de muitos Estados". Questionado sobre as declarações do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, que é contrário à privatização da Cedae, Levy disse que a experiência em outros Estados é de que a venda das estatais ajudou a reduzir perdas e ineficiências "que se arrastavam", mas prometeu apoiar as decisões tomadas.

"Cada Estado tem que avaliar sua situação e ver as implicações jurídicas de suas decisões", afirmou. "Nosso papel é de apoiar as decisões tomadas. Somos prestadores de serviço, temos que apoiar o cliente", completou.

Nada a declarar

Após falas polêmicas envolvendo o presidente Jair Bolsonaro na semana passada, o novo presidente do BNDES evitou comentar a operação de compra da divisão de jatos comerciais da Embraer pela americana Boeing. Vale lembrar que o BNDES é o maior acionista individual da Embraer e que o ex-presidente do banco, Dyogo Oliveira, vinha defendendo a operação.

"Como participante minoritário, não é adequado me manifestar neste momento", disse Levy, ao ser questionando sobre sua posição em relação à operação. A Embraer tem uma "golden share" nas mãos de União, que pode vetar a operação. Como acionista, o BNDES poderá votar a favor ou contra o negócio na assembleia de acionistas que apreciará o tema.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

PESSIMISMO

Risco fiscal impede Brasil de aproveitar bom momento dos mercados globais

Rogério Xavier, da SPX Capital, e Carlos Woelz, da Kapitalo Investimentos, criticam duramente falta de interesse em controlar contas públicas

Substituição barrada

Investidores de debêntures da Rodovias do Tietê rejeitam venda da empresa para Latache

Venda para fundo foi rejeitada pelos debenturistas da concessionária, que possui pelo menos R$ 1,5 bilhão em dívidas, a maior parte na mão de pequenos investidores

Termômetro da crise

Pedidos de auxílio-desemprego sobem 30 mil na semana nos EUA, a 778 mil

O total de pedidos da semana anterior foi ligeiramente revisado para cima, de 742 mil para 748 mil.

Número se manteve

PIB dos EUA sobe à taxa anualizada de 33,1% na 2ª leitura do 3º tri

A próxima leitura do BEA sobre o PIB americano será divulgada em 22 de dezembro, às 10h30 (de Brasília).

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quarta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies