Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-06-27T14:29:49-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
O que vem depois da alta?

Após maior valor em 17 meses, bitcoin perde quase US$ 2 mil em minutos

Criptomoeda viu seu valor passar de US$ 7,5 mil para US$ 13,88 mil em 17 dias. Hoje, por volta do meio-dia, a moeda estava cotada a US$ 11,9 mil. Apesar da queda, acumulado dos últimos 3 meses é de 183%

27 de junho de 2019
12:27 - atualizado às 14:29
A criptomoeda bitcoin
Bitcoin: criptomoeda fez movimento de correçãoImagem: Shutterstock

Depois de registrar seguidas altas, o bitcoin (BTC) registrou mais um marco na sua recente onda de valorização. Nesta quarta-feira (26), a criptomoeda atingiu a marca de US$ 13,8 mil, maior valor registrado desde janeiro de 2019.

Mas, como lembrete de que se trata de uma moeda de natureza extremamente volátil, o bitcoin registrou uma queda de quase US$ 2 mil dólares em poucos minutos. A moeda, que estava cotada acima dos US$ 13,8 mil passou a US$ 11,9 mil em menos de uma hora, segundo o Refinity data.

A onda de valorização recente viu o ativo passar de US$ 7,5 mil para US$ 13,8 mil nos últimos 17 dias. Hoje, por volta do meio-dia, a moeda estava cotada a US$ 11,9 mil (cerca de R$ 46 mil). Embora ainda esteja no patamar dos US$ 11 mil, a moeda já mostra sinais de recuperação.

Para os analistas, diversos fatores podem ajudar a explicar a queda recente. Segundo o CoinDesk, publicação especializada em criptomoedas, a desvalorização se deve a uma correção técnica um dia após o pico registrado. Para Alistair Milne, chefe do Altana Digital Currency Fund, é impossível que o valor suba tão rapidamente e se sustente por muito tempo.

Outros acreditam que a queda acentuada se deve a uma instabilidade na popular plataforma de criptomoedas Coinbase. Outras moedas digitais, como o Ethereum e Litecoin, também passaram a acumular baixas.

Mesmo com a desvalorização abrupta, o bitcoin ainda acumula uma alta de 183% nos últimos três meses, sendo o melhor resultado trimestral desde o 4º trimestre de 2017.

Libra puxa a alta

O recente entusiamo renovado em torno das criptomoedas pode ter a sua origem no Facebook. O nascimento da libra, a moeda digital própria da gigante de tecnologia, é uma das notícias que mais chama a atenção nas últimas semanas.

Os analistas estão confiantes de que a base de 2,4 bilhões de usuários da rede social pode ajudar a popularização as transações que utilizam criptomoedas como forma de pagamento. Além disso, o projeto também tem apoio de pesos-pesados do setor de pagamentos, como Visa, Mastercard e PayPal.

A moeda do Facebook, no entanto, tem alguns fatores importantes que a diferencia dos nomes já conhecido do mercado. A libra, por exemplo, está atrelada a uma série de reservas reais, como depósitos bancários e papéis do Tesouro, o que deve trazer uma estabilidade maior ao seu valor, um problema enfrentado por moedas como o bitcoin.

Além das novas aventuras do Facebook, o posicionamento mais suave (dovish) dos bancos centrais também ajuda a explicar o entusiasmo dos investidores, que aguardam novos cortes na taxa básica de juros e novas medidas de incentivo monetário para lidar com a desaceleração da economia mundial.

Tensões geopolíticas também influem na demanda pelas moedas digitais. Segundo analistas ouvidos pelo Financial Times, por ser independente de governos e instituições financeiras, a demanda cresce junto com a deterioração da confiança nas instituições.

Quer saber quais criptomoedas têm potencial de valorização a partir de agora? O analista gráfico Fausto Botelho listou 5 altcoins aqui. No vídeo, ele explica o que pode acontecer com as criptomoedas se o S&P cair.

*Com informações de CoinDesk e Financial Times

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Logística portuária

Alaska aceita proposta para vender a Log-In (LOGN3) para MSC; ação sobe mais 7% hoje

A gestora é a principal acionista da companhia, com uma participação de 45% do capital da Log-In; cota do fundo subiu ontem apesar da queda do Ibovespa

Céu aberto

Alívio nos ares: Gol (GOLL4) refinancia R$ 1,2 bi em dívidas de curto prazo

Com isso, o endividamento de curto prazo da companhia aérea ficará ao redor de R$ 500 milhões — o que representa o menor nível desde 2014

Exile on Wall Street

Entre renda e multiplicação de capital, você pode ficar com os dois — Veja como

Você se lembra da sua primeira conta poupança? A minha e a do meu irmão foram abertas por volta dos meus 11 anos, quando nossos pais nos levaram ao banco para depositar o dinheirinho acumulado de nossas três fontes de renda — as moedas de casa, o troco dos lanches da escola e as generosas […]

Não é 'block' mas é 'chain'

Aceita bitcoin: Tráfico de drogas no Rio de Janeiro aceitava criptomoedas por WhatsApp; envolvidos são presos

O grupo coordenava o envio, estoque, compra e venda por meio de um grupo “oficial” no aplicativo de mensagens

MERCADOS HOJE

Aumento do IOF e exterior pesado pegam mal e Ibovespa recua 2%; dólar sobe a R$ 5,39

Depois de meses de especulação e preocupação, a saída encontrada pelo governo federal para financiar o novo Bolsa Família, rebatizado de Auxílio Brasil, não agradou o mercado e o Ibovespa começa refletindo esse mau humor.  Ontem, o presidente Jair Bolsonaro assinou um decreto que eleva o Imposto sobre Operações Financeiras até dezembro, o que deve […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies