Menu
2019-05-20T08:43:35-03:00
Estadão Conteúdo
carteira cheia

Em busca de cliente, banco médio oferece ganho maior na renda fixa

Levantamento feito pelo buscador de investimentos Yubb mostra que o rendimento do CDB chega a 28,9% a mais nos bancos médios do que nas cinco maiores instituições do País, considerando opções de liquidez diária

20 de maio de 2019
8:26 - atualizado às 8:43
Investimentos
Investimentos - Imagem: Mind and I/Shutterstock

Na hora de escolher um investimento em renda fixa, bancos médios, digitais ou mesmo algumas fintechs podem ser opção mais rentável do que instituições tradicionais. Levantamento feito pelo buscador de investimentos Yubb mostra que o rendimento do CDB chega a 28,9% a mais nos bancos médios do que nas cinco maiores instituições do País, considerando opções de liquidez diária.

Há ainda a possibilidade de começar a investir com menos dinheiro. Aportes iniciais em bancos tradicionais ficam na média em R$ 1 mil. Em novos players é possível investir em um CDB com qualquer valor a partir de R$ 1.

Bancos médios ficam na liderança de rendimentos em relação aos grandes em todas as faixas de valor investido. Em valores de até R$ 1 mil, a rentabilidade é em média 29,51% maior que nas instituições de grande porte; de R$ 1.001 a R$ 10 mil, essa porcentagem é de 23,12%; e de R$ 10.001 mil a R$ 50 mil, de 16,03%.

De acordo com Thiago Brehmer, líder de serviços financeiros da Grant Thornton Brasil, empresas mais jovens têm, com sua linguagem e modelo de negócios focado em tecnologia, a possibilidade de alcançar um público diferente dos grandes bancos. "Alguns deles falam muito em 'desbancarização', mas no fim o que proporcionam é um maior acesso ao mercado financeiro. 'Bancarizam' mais pessoas por serem mais acessíveis e ágeis", explica.

Para o especialista, não há, necessariamente, uma ameaça às instituições tradicionais em virtude da rentabilidade dos bancos menores, já que, por sua estabilidade, os grandes bancos podem proporcionar outros benefícios, como investimentos diferenciados para clientes de maior poder aquisitivo.

O professor Michael Viriato, do Insper, explica que a oferta mais agressiva das novas empresas é possível graças às condições em que se encontram. Com estrutura já montada, mas sem carteira de clientes estabelecida, elas têm de aumentar seu alcance. Em contrapartida, bancos maiores, com carteira de clientes sólida, avaliam mais os custos de operação ao criar produtos de investimento.

"Toda aplicação tem um custo para armazenar informações e registros. Ao aceitar aportes menores e com maior rentabilidade, os bancos arcam com esses custos. No caso de instituições mais jovens, o custo da estrutura já existe, logo, compensa preencher essa ociosidade com menor lucro. São como um avião voando vazio", diz Viriato.

Quando se fala da segurança dos clientes em confiar seu dinheiro às instituições mais novas outras questões entram em jogo. O fato de bancos tradicionais contarem com a vantagem de serem "muito grandes para quebrar" faz com que clientes prefiram ter uma rentabilidade menor, em troca da sensação de tranquilidade de não perder seus recursos.

Para Brehmer, o primeiro passo para quem deseja a lucratividade de bancos menores com segurança é fugir de produtos que não sejam cobertos pelo Fundo Garantidor de Crédito, que garante depósitos de até R$ 250 mil por emissor. Letras de crédito privado, como debêntures de empresas, são exemplos de renda fixa que não têm essa proteção.

Nesse sentido, valeria mais a pena concentrar investimentos em CDBs e RDBs, diz o especialista.

"Muitas vezes quem oferece a segurança ou o risco é o próprio produto e não a instituição pela qual você investe. Quando se trata de fundos, por exemplo, o mesmo produto pode ser vendido em instituições diferentes, portanto, a segurança da aplicação será a mesma em um grande ou médio banco e em bancos digitais", diz Viriato.

Outra dica frequente de especialistas é não deixar toda a sua reserva financeira em uma instituição só, assim, no caso de uma delas quebrar, o cliente não perderá a liquidez de todos os seus recursos.

Com informações do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Energia elétrica

IPCA pode ir a 6,5% na bandeira vermelha

A bandeira vermelha 2, que tem custo adicional de R$ 6,243, iria a R$ 7,571 caso adotada a proposta da consulta pública

Esquenta dos Mercados

Relatório da inflação, leitura do PIB dos EUA e queda de ministro devem guiar a bolsa hoje

Assim como uma noite no deserto, o investidor deve ficar atento aos sinais para atravessar um momento de dificuldade

Volta ao original

Câmara rejeita emendas do Senado e retoma texto original de MP que eleva imposto para bancos

Deputados retomaram a alíquota de 25% na CSLL também para as agências de fomento e bancos de desenvolvimento estaduais

Para dar e vender

Defensivas e com potencial de crescimento: como as ações do setor de saúde ainda podem dar muitas alegrias na bolsa

A combinação de baixo endividamento, bons níveis de caixa e espaço para consolidação tornam as ações do segmento muito atrativas, segundo analistas

Fernando Cirne

A importância das fusões e aquisições para a Locaweb

Já avaliamos mais de 1.900 empresas e, desde o IPO, concluímos 10 importantes aquisições, que se somaram às outras seis concretizadas antes da abertura de capital

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies