Menu
2019-06-28T16:26:47-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Inovar para crescer

Banco Safra entra de vez no varejo com o lançamento de carteira digital

Projeto nasce com o objetivo de fazer frente aos grandes bancos privados como Itaú, Bradesco e Santander

28 de junho de 2019
16:26
Banco Safra
Banco Safra - Imagem: Shutterstock

Em meio à disputa ferrenha entre os maiores bancos privados do Brasil pelo mercado de varejo, o Safra resolveu trazer uma dose extra de competição. A instituição financeira lançou nesta sexta-feira (28) uma carteira digital com a proposta de transformar a maneira como as pessoas fazem pagamentos e recebimentos no seu dia a dia.

Batizado de "SafraWallet", o projeto nasce em forma de aplicativo e permite aos clientes fazer compras em estabelecimentos por meio de QR Code e NFC. O produto também conta com transferências e saques via QR Code.

Uma grande novidade é que, para usar o serviço, não é necessário ser cliente do Banco Safra e o processo de cadastramento é gratuito e sem necessidade de comprovação de renda. O movimento é bem diferente da estratégia pela qual o Safra é conhecido no mercado: ser uma espécie de "banco premium", que atende somente clientes de alta renda.

Transferências, saques e pagamentos pela SafraWallet serão isentos de cobrança. De acordo com o banco, o cliente vai poder carregar a SafraWallet de três maneiras: transferência de recursos de outra conta, portabilidade de salário e cadastro de cartões de crédito de qualquer banco.

Na busca pelo pódio

O lançamento da SafraWallet é um dos passos que o Safra está dando rumo a um objetivo muito maior: o que se consolidar entre os quatro maiores bancos privados no varejo.

A instituição quer concorrer de igual para igual com os bancões em um novo mercado - te cuida Itaú, Bradesco e Santander! Para isso, a estratégia será transferir para o cliente o baixo custo da rede de agências, a partir de produtos e serviços com condições mais competitivas.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

CARREIRA

Empiricus lança MBA de Análise de Ações com Estácio e oferece emprego de até R$ 25 mil a melhor aluno

Curso terá diploma de pós-graduação do MEC; programa alia conteúdo acadêmico com a prática de mercado dos profissionais de investimento.

Custo bilionário

Governo prevê a contratação de quase 51 mil servidores no orçamento de 2021

A partir de 2022, o custo anualizado do governo para manter essas novas despesas sobe para R$ 4,5 bilhões.

SÓ ELOGIOS

O bom, o ótimo e a Weg: BofA eleva preço-alvo das ações a R$ 90

Para analistas, empresa tem tudo para manter os resultados em patamares alto, justificando valor de mercado caro

MAIS UMA

Dona da Puket e da Imaginarium quer listar ações na bolsa

Uni.co, controladora das marcas, pretende utilizar recursos para expandir operações e vender participação do fundo Squadra

Desemprego

Brasil perdeu 382,5 mil empresas em 5 anos de saldos negativos, diz IBGE

Em cinco anos de dificuldades e fechamentos de empreendimentos, 2,9 milhões de trabalhadores perderam seus postos de trabalho

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies