Menu
2021-06-04T19:36:39-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Novidade na B3

Vem aí mais um ETF de Ibovespa: SAET11, do Safra, estreia na bolsa na próxima semana

Com taxa de administração de 0,25% ao ano e aplicação mínima inferior a R$ 150, SAET11 é o sexto ETF de Ibovespa da B3

4 de junho de 2021
19:36
Fachada do Banco Safra
Imagem: Shutterstock

Buscando aproximação com o pequeno investidor pessoa física, o banco Safra acaba de lançar seu primeiro ETF (fundo de índice), cujo desempenho irá acompanhar a variação do Ibovespa.

O Safra Ibovespa Fundo de Índice (SAET11) estreia na bolsa brasileira na próxima segunda-feira (07), e o valor mínimo de aplicação é inferior a R$ 150.

ETF são fundos fechados com cotas negociadas em bolsa como se fossem ações. Seu desempenho costuma acompanhar o de um índice de mercado, o que equivale a investir em todos ativos que compõem aquele índice sem precisar dispender muitos recursos.

Por serem fundos passivos (pois se limitam a acompanhar um índice), suas taxas de administração também costumam ser bem baixas, inferiores aos de fundos abertos de renda fixa e ações que encontramos nas plataformas de investimento.

Sendo assim, ETFs são formas acessíveis e baratas de investir em carteiras diversificadas de determinada classe de ativos, sejam ações, renda fixa ou fundos imobiliários, dependendo da natureza do ETF.

Atualmente, a B3 já conta com outros cinco ETFs de Ibovespa. Com taxa de administração de 0,25% ao ano, o SAET11 se situa entre os mais baratos, mas há dois fundos com taxas ainda mais baixas:

  • BBOV11 (BB): 0,18%
  • BOVB11 (Bradesco): 0,20%
  • SAET11 (Safra): 0,25%
  • BOVA11 (BlackRock): 0,30%
  • BOVV11 (Itaú): 0,30%
  • XBOV11 (Caixa): 0,50%

"Com esse lançamento, o Banco Safra complementa sua ampla grade de investimentos disponíveis, que inclui fundos de gestão ativa consagrados, como Safra Galileo, bem como produtos estruturados e de renda fixa, além do seu fundo imobiliário JS Real Estate.

A instituição assim também estende a um público mais amplo a solidez e confiança de sua marca de mais 175 anos, uma vez que o SAET11 pode ser negociado por qualquer investidor na Bolsa, não apenas clientes do banco", diz o comunicado do banco.

O Safra diz ainda que pretende lançar ETFs de outros tipos ainda neste ano.

Como investir em ETF

Para negociar um ETF, é preciso ter conta aberta numa corretora de valores. A compra das cotas desses fundos é feita na bolsa, podendo ser efetuada por meio do próprio home broker da corretora.

ETFs não têm come-cotas e nem permitem resgates. Para reaver os recursos investidos, o investidor precisa vender suas cotas na bolsa. Se houver ganhos, eles são tributados em 15% na hora da venda, e o recolhimento do IR é de responsabilidade do investidor. Todo o tratamento tributário dos ETF é similar ao tratamento dispensado a ações, com a diferença de que não há limite de isenção de imposto.

Nesta matéria, falamos mais sobre o que são e como funcionam ETFs e sobre cada um dos fundos de Ibovespa já existentes na B3.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Insights Assimétricos

Preparado para a Super Quarta? O que você precisa saber antes das decisões do Fed e do Copom sobre juros

Um ajuste dos juros, mantendo-os ainda abaixo do neutro (entre 5,5% e 6,5%), seria salutar. Uma alta para além disso, contudo, poderá comprometer a retomada brasileira

Caçadores de tendências

Itaú Asset lança mais 3 ETFs com foco em inovação nas áreas de saúde, tecnologia e consumo dos millennials

Gestora do Itaú agora aposta em índices de empresas globais ligadas a tendências de consumo que estão mudando a sociedade

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

As ações das novas petroleiras valem a pena?

Nos recentes movimentos de rotação de carteiras nos mercados, temos nos deparado com a dicotomia Velha Economia (empresas de segmentos tradicionais) e Nova Economia (empresas ligadas à tecnologia e novas formas de consumo). Dentro do que se convencionou chamar de Velha Economia, temos visto o destaque das empresas de commodities, justamente o forte do Brasil. […]

Problemas no paraíso

Cesp, Engie, AES Brasil e mais: seca reduz brilho de ações do setor de geração hídrica

Com menos água, as empresas geram menos em hidrelétricas, mas não ficam livres de cumprir os contratos de fornecimento de energia

Jabuti do bem?

MP da Eletrobras: contratação de térmicas a gás pode diminuir conta de luz, diz estudo da Abegás

A medida vem sendo criticada pela maioria das elétricas, que alegam que ela vai na contramão da modernização e competitividade do setor

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies