Menu
2020-03-17T14:48:17-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Fundos de investimento

O que fizeram as maiores gestoras de fundos com a crise do coronavírus? Só o Banco do Brasil respondeu

BB DTVM reduziu posições de ativos de maior risco e buscou ações de setores mais resilientes. Bradesco, BTG, Caixa, Itaú, Safra, Santander e XP não responderam o que estão fazendo com o dinheiro dos clientes

17 de março de 2020
13:59 - atualizado às 14:48
Coronavírus derruba países
Imagem: Shutterstock

O que fizeram as maiores gestoras de fundos do país diante do choque provocado pelo coronavírus? Eu procurei oito das líderes do mercado de gestão de recursos na quinta-feira passada com três perguntas:

  • Quais movimentações a gestora fez na carteira ou pretende fazer?
  • Houve resgates de recursos pelos investidores nas últimas semanas?
  • Quais as perspectivas para a bolsa, câmbio e juros?

Até o momento, apenas a BB DTVM, gestora de fundos do Banco do Brasil, respondeu (em parte) às questões.

Quatro instituições me disseram que não iriam comentar o que estão fazendo com o dinheiro de seus clientes: Bradesco, BTG Pactual, Santander e XP.

O Itaú não quis responder, mas informou por meio da assessoria de imprensa que pretende dar uma entrevista ao Seu Dinheiro até o começo de abril.

As outras duas instituições – Caixa Econômica Federal e Safra – não responderam ao pedido até o momento.

Menos risco

A BB DTVM, maior gestora do país, com um total de R$ 1,057 trilhão em patrimônio, informou que reduziu as posições em ativos de maior risco entre os fundos multimercados. Em bolsa, a estratégia foi buscar setores que são considerados mais resilientes.

Nas últimas semanas, a gestora registrou saques tanto nos fundos multimercados como nos de ações, mas não revelou valores. A BB DTVM também não fez comentários sobre as perspectivas para os ativos no atual cenário.

Leia a seguir a íntegra das respostas enviadas por e-mail:

A gestora fez alguma movimentação recente na carteira ou pretende fazer em meio ao choque provocado pelo coronavírus? Se fez movimentações, quais foram?

A BB DTVM vem adotando estratégias mais balanceadas, reduzindo nossas posições em ativos de maior risco, buscando a proteção do portfólio. Tais estratégias foram adotadas mais intensamente nos fundos multimercados. O mesmo movimento foi realizado nos fundos de ações, que também passaram a alocar em setores mais resilientes.

Com a intensificação das crises, continuamos com essa estratégia, porém sem necessitar fazer grandes mudanças, visto termos antecipado parte deste movimento de mercado.

A gestora teve resgates líquidos nas últimas semanas? Qual o valor?

Observamos movimento de saída de recursos em fundos Multimercado e de Ações, acompanhando o sentimento de aversão ao risco iniciado globalmente.

Em termos patrimoniais, o resultado líquido da captação está dentro do esperado para momentos de turbulência e, dado o processo de assessoria realizado pela distribuição do Banco do Brasil, com base no perfil dos clientes e indicação de carteiras diversificadas de produtos de investimento, acreditamos que a intensificação das ações de comunicação e educação financeira dos investidores promovidas pelo BB estão apresentando cada vez mais resultados.

Como vê as perspectivas para a bolsa, câmbio e juros diante da atual conjuntura?

A BB DTVM não disponibiliza informações sobre cenário econômico.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

seu dinheiro na sua noite

Fidelidade em baixa com a pandemia

Não, não estou falando da fidelidade entre casais. Até porque, por mais que a convivência excessiva em família na quarentena tenha abalado alguns casamentos, o momento não anda muito propício às puladas de cerca. Estou falando do setor de fidelidade, que abarca as empresas de programas de pontos e milhagem, sobretudo aqueles ligados às companhias […]

Empresa ligada à Vale

Justiça aprova pedido de Recuperação Judicial da Samarco

RJ não terá impacto nas atividades operacionais da mineradora, nem nas ações de reparação e compensação pela tragédia de Mariana

FECHAMENTO

Ibovespa ignora tensão em Brasília e NY no vermelho e avança 1%; dólar também sobe

Enquanto as blue chips garantiram o bom desempenho do Ibovespa, o dólar avançou 0,84%, pressionado pelo noticiário em Brasília

Exaltou integração

Presidente do Banco Central não enxerga competição entre bancos e fintechs

Segundo Campos Neto, a integração entre as mídias sociais e o sistema financeiro é maior inovação que existe no momento

Menos pontos e milhas

Setor de empresas de fidelidade encolhe quase 30% em 2020

O segmento de fidelidade movimentou R$ 5,3 bilhões em 2020, segundo a Associação Brasileira das Empresas do Mercado de Fidelização (ABEMF)

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies