Menu
2019-05-20T12:55:13-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
você pode participar

BC: Educação financeira precisa atingir milhões de brasileiros

Diretor de Relacionamento Institucional e Cidadania do BC, Mauricio Moura, faz abertura da Semana Nacional da Educação Financeira, que contará com mais de 5,5 mil ações em todo país

20 de maio de 2019
11:17 - atualizado às 12:55
educação financeira
Imagem: Print CVM

O diretor de Relacionamento Institucional e Cidadania do Banco Central (BC), Mauricio Moura, fez o discurso de abertura da 6ª Semana Nacional de Educação Financeira, que mobiliza atores públicos e privados em torno do objetivo comum de promover o letramento financeiro da população.

Segundo o diretor, o sistema financeiro não será plenamente eficiente se ele não for também composto por usuários financeiramente educados, que compreendam os produtos e serviços ofertados, para que deles possam obter o melhor retorno para si mesmos.

“Nesse sentido, educação financeira é um requisito fundamental para a democratização do sistema financeiro. Veremos cada vez mais essa expressão em nossas comunicações: ‘democratização do sistema financeiro’!”, disse Moura.

O tema tem importância crescente já que cada vez mais pessoas passam a fazer parte do fenômeno da desintermediação financeira e buscam por melhores investimentos e diferentes formas de relacionamento com as instituições financeiras.

Já temos mais de 1 milhão de CPFs inscritos na B3 e no Tesouro Direto, mas ainda temos  117 milhões de aplicadores na caderneta de poupança.

Os esforços se inserem em algo que vem sendo dito e repetido pelo presidente do BC, Roberto Campos Neto, de que o  intermediação financeira tem de se libertar das amarras que a prendem ao governo. O mercado precisa se libertar da necessidade de financiar o governo e se voltar para o financiamento ao empreendedorismo.

Ainda de acordo com o diretor, a Agenda BC+ está sendo reavaliada e ampliada, com o propósito de criar um amplo programa de estímulo à educação financeira, por meio de ações junto a agentes de mercado e a outros órgãos governamentais, também empregando cooperativas e provedores de microcrédito como parceiros nesse esforço para sua difusão.

“Em um país com 210 milhões de cidadãos, não seremos bem-sucedidos se nossas ações atingirem milhares. Precisamos alcançar milhões! A Semana ENEF nos ajuda nessa jornada, não apenas pelas ações que atingem milhões, mas pela publicidade gerada em torno dela”, disse.

A Semana ENEF

O programa acontece desde 2014 e, no ano passado, contou com mais de 7 mil ações, como palestras online, presenciais, cursos e outros eventos, que acabaram atingindo 4 milhões de pessoas.

Se o leitor se interessou pelo tema, pode conferir a agenda oficial do evento aqui e participar das ações. Também há um portal com ferramentas e materiais gratuitos sobre o tema.

Neste ano, também será apresentado o Projeto Educação Financeira nas escolas do ensino fundamental – BNCC (Base Nacional Comum Curricular).

O Comitê Nacional de Educação Financeira (Conef) é a entidade responsável pela coordenação da Estratégia Nacional de Educação Financeira (ENEF), que integra entidades públicas e privadas interessadas em promover a educação financeira no Brasil.

O Conef é composto por representantes do Banco Central, da CVM, da Susep, da Previc, do Ministério da Economia, do Ministério da Educação, do Ministério da Justiça e Segurança Pública, da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), da Associação de Educação Financeira do Brasil (AEF-Brasil), da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), da Brasil, Bolsa e Balcão (B3), da Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (Cnseg), do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) e do Sebrae Nacional.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Avião-problema

Fabricante de aviões trilha novo caminho: Boeing aposta no MAX

Mesmo começando a ficar otimista com relação ao futuro do Max, acredito que comprar ações da Boeing continua sendo mau negócio

ranking

Os títulos públicos mais rentáveis do 1º semestre; indicações do Seu Dinheiro estiveram entre eles

Em março, levantamos a bola para uma oportunidade aberta no Tesouro Direto com a alta dos juros no mês, e alguns dos títulos indicados ficaram entre os mais rentáveis do semestre. Confira a lista completa dos melhores e piores títulos públicos do ano até agora

Recuperação mais lenta

Ipea diz que efeitos da pandemia tendem a persistir sobre mercado de trabalho

“É provável que a taxa de desemprego continue alta, mas não por uma piora do mercado de trabalho, e sim pela melhora da percepção das pessoas sobre o ambiente para procurar emprego”, diz diretor da instituição

Sem pessoa física

Modelo de abertura de capital da Aura Minerals pode ser replicado

Modelo de esforços restritos, inaugurado no Brasil pela companhia produtora de ouro, só permite a entrada de fundos na abertura de capital

Conselho da Cosan aprova reorganização societária com holding única

A partir da consolidação da nova estrutura, os acionistas da própria Cosan, da CZZ e da Cosan Log vão passar a deter ações da holding, que continuará sendo controlada pela Aguassanta, veículo de investimento da família de Rubens Ometto

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements