2019-04-04T14:49:51-03:00
Mirando leilão

Petrobras e Eletrobras fecham acordo para regularizar dívidas e disputas judiciais

Negociação tem objetivo de tornar mais atrativo o leilão da Amazonas Energia, subsidiária da Eletrobras, marcado para acontecer neste mês

4 de dezembro de 2018
9:14 - atualizado às 14:49

A Petrobras assinou um novo acordo com a Eletrobras e as suas subsidiárias Amazonas Energia e Amazonas Geração e Transmissão visando a recomposição de garantias e o equacionamento de dívidas. O acordo, segundo fato relevante divulgado pela estatal nesta terça-feira, 4, ainda acrescenta novos termos aos contratos de fornecimento de gás para geração de energia no âmbito do Estado do Amazonas.

Entre os termos do novo contrato está o parcelamento de uma dívida feita em 2014 para recomposição de garantias pela Eletrobras, que tinha o valor original de R$ 3,826 bilhões. Além disso, as empresas chegaram a um novo acordo para uma dívida fechada em 2018 com a Amazonas Energia, referente à inadimplência de fornecimento de gás no montante de R$ 571,8 milhões, com garantia integral da Eletrobras, valor já provisionado nas demonstrações financeiras.

Foi acrescentado ainda um aditivo visando regular a implementação de conta vinculada (Escrow Account) e de conta de pagamento, para garantir e operacionalizar o pagamento dos fornecimentos futuros de gás.

Leilão

Com o objetivo de tornar mais atrativo o leilão de desestatização da Amazonas Energia, o acordo também prevê a assunção, pela Eletrobras, de dívidas já parcelada pela Amazonas Energia, no montante de R$ 3,069 bilhões. Entram nas medidas, também, a extinção da ação judicial de cobrança ajuizada pela Petrobras em face da Amazonas Energia, Eletrobras e Cigás, condicionada também a outros eventos, incluindo a aceitação pela Petrobras das garantias a serem apresentadas pelo novo controlador da Amazonas Energia.

A Petrobras destaca que resguardou no âmbito das negociações o seu direito de buscar o pagamento dos custos relacionados a obrigações de ship or pay, conforme acordado em aditivos anteriores. Para a petroleira, a negociação reforça suas garantias, melhora seu procedimento de cobrança e assegura a contínua busca de seus direitos.

*Com Estadão Conteúdo 

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

MUDANDO A RECOMENDAÇÃO

Itaú BBA vê Gerdau (GGBR4) como ação defensiva, mas a siderúrgica que pode subir mais de 50% é outra; confira as apostas do banco

A queda de mais de 39% das ações da Usiminas abriram um bom ponto de entrada, segundo os analistas do Itaú BBA

Análise SD

Jogou a toalha? Azul (AZUL4) critica plano de recuperação da LATAM e dá a entender que não vai aumentar a proposta

A Latam pretende injetar mais de US$ 8 bi com as medidas de seu plano de recuperação judicial, cifra superior à proposta pela Azul (AZUL4)

bitcoin (BTC) hoje

Alívio com variante da covid-19 chega primeiro ao mercado de criptomoedas e bitcoin (BTC) volta aos US$ 57 mil

O mercado de criptomoedas, que não para nunca, sentiu o alívio ainda no final do sábado (27) e segue em alta hoje

Radiocash

“Esses 4 milhões de pessoas na Bolsa vieram para ficar”, diz Gustavo Cerbasi

Com 16 livros publicados e 1,5 milhão de seguidores no Instagram, o ex-professor universitário encara com cautela a fama, e rejeita alguns rótulos

Ao acionista com carinho

Ação da Petrobras (PETR4) pode render 100% só em dividendos nos próximos cinco anos

Relação ‘risco-recompensa’ é como comparar um formigueiro ao Everest, avalia o UBS