2022-07-12T15:29:17-03:00
Carolina Gama
SOB NOVA DIREÇÃO

E agora, Eletrobras? Dois bancos refizeram as projeções para as ações após a privatização. Saiba se é hora de comprar ou vender ELET3

Ações da Eletrobras (ELET3) têm potencial de alta de mais de 40% nas contas de J.P. Morgan e BTG Pactual; saiba as razões do otimismo dos analistas

11 de julho de 2022
14:28 - atualizado às 15:29
Logo da Eletrobras
Logo da Eletrobras - Imagem: Reprodução

Passado todo o barulho em torno da privatização da Eletrobras (ELET3), o que esperar das ações da agora ex-estatal na bolsa? 

Foram 25 anos até que a companhia passasse para as mãos da iniciativa privada por meio de uma oferta de ações que levantou R$ 33,7 bilhões, diluindo a participação votante do governo de 69% para 40%.

Após esse processo, os bancos BTG Pactual e JP Morgan decidiram refazer as projeções para os papéis da Eletrobras, e seguem bastante otimistas quanto às perspectivas para a companhia.

Motivos para isso não faltam: avaliação atraente, liquidez das ações e melhoras em ESG (sigla em inglês para boas práticas na áreas Ambiental, Social e Governança Corporativa).

É bem verdade que os papéis ainda não brilharam desde a privatização. Por volta de 13h50, as ações ELET3 operavam em queda de 3,69%, cotadas a R$ 42,33, praticamente no mesmo patamar do preço da oferta de ações realizada em junho.

Então o que o JP Morgan viu na Eletrobras (ELET3)?

O banco norte-americano, que tem recomendação de compra para a Eletrobras, elevou preço-alvo dos papéis ELET3 de R$ 53 para R$ 64 para dezembro de 2023 — o que representa um potencial de valorização de 46% em relação ao fechamento de sexta-feira (08). 

Nos próximos dois meses, o JP Morgan acredita que o principal impulsionador da ação será a definição da nova diretoria e equipe de gestão e o que isso significará para governança e estratégia. 

Para os próximos 12 meses, o banco definiu sete impulsionadores e fontes de valorização para a Eletrobras: 

  • Potencial migração para o Novo Mercado; 
  • Estratégia corporativa, alocação de capital e política de dividendos; 
  • Novas demonstrações financeiras, sinalizando o impacto da privatização no balanço patrimonial e nos resultados; 
  • Gestão de passivos, incluindo renegociação de provisões de empréstimos compulsórios; 
  • Reprecificação da energia não contratada; 
  • Redução de custos; 
  • Eleições e condições de mercado. 

Eletrobras (ELET3): uma empresa que tem tudo

Essa é a definição do JP Morgan para a Eletrobras (ELET3): uma empresa que tem tudo — avaliação atrativa, gatilhos positivos, liquidez das ações e boas pontuações de ESG. 

  • Avaliação atrativa: A Eletrobras oferece uma taxa interna de retorno (TIR) implícita de 12% versus a média do setor de 10%. A ação está sendo negociada a 6,7x/5,3x valor da firma/ebitda (EV/Ebitda) e 9,7x/7,3x preço/lucro (P/E) em 2023-2024 contra a média do setor de 16,6x/12,4x. Esses são alguns dos múltiplos de avaliação mais atraentes na cobertura do JP Morgan no Brasil, mas o banco observa que a reclassificação total pode se materializar ao longo de vários trimestres, à medida que a empresa atende às expectativas de privatização.
  • Gatilhos: A Eletrobras é uma história com um conjunto de gatilhos  — principalmente positivos — para os próximos trimestres e anos, incluindo a eleição de uma nova diretoria e administração, nova estratégia corporativa, plano de alocação de capital, política de dividendos, migração para o Novo Mercado (apenas ações ordinárias), corte de custos, crescimento e re-alavancagem, gestão de passivos, entre muitos outros.
  • Liquidez das ações: Nas últimas duas semanas, as ações ELET3 imprimiram volume médio negociado (ADTV) de US$ 115 milhões, o maior do setor, enquanto os papéis ELET6 registraram ADTV de US$ 27 milhões. 
  • Boas pontuações ESG: As credenciais ESG da Eletrobras devem aumentar substancialmente agora que a empresa não é mais uma estatal, mas sim uma empresa privatizada com controle disperso e forte governança; a companhia tem um forte histórico de investimentos sociais e é a maior empresa de energia limpa da América Latina, com cerca 95% da capacidade instalada baseada em energia hidrelétrica.

A Eletrobras (ELET3) é tudo isso mesmo, BTG Pactual?

O BTG Pactual também vê a privatização como a chave para a virada da Eletrobras (ELET3). 

Segundo o banco, a empresa finalmente pode se libertar das ineficiências de operar como uma estatal e começar a ser administrada mais como seus pares privados (e mais eficientes) de transmissão e geração. 

Por isso, o BTG retomou a cobertura da Eletrobras com recomendação de compra e preço-alvo de R$ 62, um potencial de valorização de 41% nos próximos 12 meses, reiterando ELET3 como uma das principais escolhas no setor.

A visão do banco é apoiada por uma avaliação atrativa — a Eletrobras negocia a uma TIR real de 13,5% (6,4x EV/EBITDA em 2023), tornando-se um dos nomes mais baratos da cobertura do BTG. 

Além disso, o banco destaca o potencial significativo de redução de custos e a reprecificação do portfólio hidrelétrico.

Muito já foi feito, mas há espaço para mais

O BTG lembra que entender uma empresa tão grande e complexa pode ser um desafio, e é por isso que é importante primeiro reconhecer os esforços da administração nos últimos seis anos para simplificar a estrutura de capital da empresa, maximizar a eficiência e cortar alavancagem para níveis mais sustentáveis. 

Nos preços atuais, a ação da Eletrobras (ELET3) ainda está precificando o que o banco vê como um cenário de estatal bem administrada, mas incorporando muito pouco do potencial privatizado. 

Para o BTG, a combinação de uma base de acionistas muito boa (e ativa) e uma equipe de gerenciamento de alto nível abrirá o caminho para uma história de recuperação bem-sucedida. 

Esse cenário aumenta significativamente a geração de fluxo de caixa e permite que a empresa pague dividendos robustos e/ou aumente o poder de fogo para novos investimentos, segundo o BTG.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Todos os olhos e ouvidos do Ibovespa voltados para a inflação de hoje enquanto as bolsas internacionais aguardam os dados dos EUA

9 de agosto de 2022 - 7:43

Os índices internacionais aguardam os números de inflação dos EUA, que só devem ser conhecidos na quarta-feira

Balanço

BTG Pactual (BPAC11) tem lucro de R$ 2,175 bilhões no 2T22 e renova recorde

9 de agosto de 2022 - 7:26

Lucro líquido recorrente de R$ 2,175 bilhões do BTG no segundo trimestre representa um avanço de 26,5% em relação ao mesmo período de 2021

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Um mundo tomado pela inflação: entenda ao que é preciso prestar atenção para saber se os preços vão finalmente parar de subir

9 de agosto de 2022 - 6:10

O processo de normalização dos preços será fundamental para que consigamos ter maior previsibilidade quanto ao futuro dos ativos de risco

COMBUSTÍVEIS

Mudou de ideia? Bolsonaro diz que política de paridade de preços da Petrobras (PETR4) pode ser mantida como está

8 de agosto de 2022 - 20:43

Bolsonaro anunciou que vai manter os impostos federais dos combustíveis zerados no próximo ano

NOITE CRIPTO

Bitcoin (BTC) perde um pouco de tração, mas segue operando em alta; saiba o que mexe com a maior criptomoeda do mundo

8 de agosto de 2022 - 20:04

O destaque do dia foi para o ethereum (ETH), mas não pela alta de preços e sim pelo volume negociado nas últimas 24h

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies