Menu
2018-11-05T08:33:32-02:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Esquenta dos mercados

Semana cheia para os mercados tem início da transição de governo

Amanhã, o presidente eleito viaja para Brasília, onde deve se encontrar com Temer na quarta-feira; semana ainda tem balanços, como o da Petrobras

5 de novembro de 2018
8:21 - atualizado às 8:33
Selo esquenta mercados
Horários das bolsas locais e americanas mudam nesta segunda por conta do horário de verão - Imagem: Seu Dinheiro

Bom dia, investidor! Semana de agenda cheia para os mercados, com a primeira viagem de Bolsonaro a Brasília e seu encontro com Temer, possível aprovação da cessão onerosa, balanço da Petrobras, IPCA de outubro, ata do Copom e decisão do Fed sobre juros, nos EUA.

O otimismo deve continuar pairando sobre os mercados locais nesta semana, principalmente se surgirem novidades positivas sobre a Reforma da Previdência.

Amanhã, o presidente eleito viaja para Brasília, onde já tem encontro marcado com Temer na quarta-feira. Uma eventual negociação para votar parte da reforma da Previdência ainda neste ano poderia impulsionar fortemente os mercados.

Com o horário de verão começando no Brasil e terminando nos EUA, os horários de funcionamento das bolsas mudam.

Aqui, o mercado à vista funciona ininterruptamente das 10h às 17h55, sem after market. O Call de fechamento acontece das 17h55 às 18h, e o de opções das 17h55 às 18h15.

As bolsas americanas funcionam das 12h30 às 19h, horário de Brasília.

Feriado agitado

No último pregão, antes do feriado, a bolsa brasileira bateu recordes de máximas intraday (89.017 pontos) e de fechamento (88.419 pontos), com o dólar novamente fechando em baixa, a R$ 3,6979.

Na sexta os mercados não abriram, mas lá fora os ativos brasileiros se saíram bem, mesmo com Nova York fechando em queda.

O EWZ, principal fundo de índice de ações brasileiras negociado no exterior, fechou o pregão de sexta com alta de 1,36%.

A maior parte dos ADRs (recibos de ações brasileiras negociadas no exterior) também se saiu bem: Itaú e Bradesco subiram mais de 1%, Santander avançou 1,94%, BB teve alta de 1,58%, Eletrobrás subiu 2,85% e Gerdau disparou 4,83%.

Petrobras teve leve queda de 0,12% em razão do recuo no preço do petróleo, e Vale caiu 0,45%.

As bolsas americanas fecharam em queda após a divulgação do Payroll, relatório de emprego dos EUA. Os números robustos reforçaram o temor de aperto monetário maior que o previsto, ainda que os mercados esperem manutenção do juro na reunião desta semana.

O mercado de trabalho americano criou 250 mil vagas em outubro, bem acima da previsão de 188 mil, mantendo a taxa de desemprego em 3,7%, menor patamar em 49 anos.

O salário médio por hora avançou 3,1% na comparação anual, o que elevou o temor de pressão inflacionária.

A declaração de Trump de que estaria perto de um acordo comercial com a China diminuiu as perdas nas bolsas, mas mesmo assim, o Dow Jones caiu 0,43%, o S&P500 recuou 0,63% e a Nasdaq cedeu 1,04%. Os índices tiveram desempenho positivo na semana, porém, com altas superiores a 2%.

As ações da Apple despencaram 6,63% após divulgação de balanço decepcionante, que mostrou vendas de iPhones abaixo do esperado. A companhia perdeu a marca histórica de US$ 1 trilhão em valor de mercado no último pregão.

O que tem pra hoje

No Brasil, tem IPC-Fipe de outubro às 8h, com previsão de 0,51%, segundo a mediana do "Broadcast", contra 0,39% em setembro.

Também estão previstos resultados de AES Tietê, Banco Pan, BB Seguridade, BR Distribuidora, BTG Pactual,
Duratex, Magazine Luiza, Marcopolo, Marfrig, Porto Seguro e Vulcabras. Todos depois do fechamento.

Nos EUA, ocorre a retomada de sanções contra o Irã. Também ocorre a divulgação do PMI (Purchasing Managers' Index) de serviços medido pelo Instituto Markit (12h45) e pelo ISM (13h) para o mês de outubro.

E o que tem pra semana?

Amanhã, a Petrobras divulga seus resultados trimestrais, cujas perspectivas são positivas. Também será feita nova tentativa de votar a urgência do projeto de cessão onerosa no Senado, benéfica para a estatal.

Ainda nesta terça sai a ata do Copom, que deve repetir a leitura de alívio que o mercado fez do comunicado do Banco Central, de que o balanço de riscos diminuiu e a agenda de reformas econômicas tem mais chance de ser emplacada.

O texto do comunicado deixou claro, porém, que "a política monetária estimulativa poderá ser gradualmente removida caso o balanço de riscos apresente piora", citando frustrações com as reformas e os desafios do cenário externo.

As incertezas sobre a normalização das taxas de juro das economias avançadas, em especial nos EUA, seriam o risco mais imediato para os países emergentes, que poderiam sofrer com o influxo de capital.

No exterior, a terça-feira reserva eleições legislativas nos EUA. Para analistas, os democratas devem ganhar de volta apenas o controle da Câmara, mas uma maioria também no Senado poderia significar mais investigações sobre Trump, o que seria negativo para os mercados.

Se os republicanos mantiverem o comando de ambas as casas, as bolsas podem subir, na expectativa de mais cortes de impostos.

A quarta-feira nos reserva o IPCA de outubro, que não deve alterar as apostas de manutenção da Selic em 6,5% ao ano até o fim de 2018, além do IGP-DI.

Na quinta, ocorre a decisão do Fed sobre juros, e o consenso é de manutenção da taxa. Porém, o mercado espera que o comunicado do banco central americano aponte para um aperto monetário mais acelerado no ano que vem, depois dos dados fortes do Payroll.

O Barclays prevê quatro elevações de juros em 2019, levando a taxa à faixa entre 3,25% e 3,50%. Já as apostas do CME Group indicam um intervalo de 2,75% a 3,00%.

Ainda na quinta, a China divulga sua inflação ao consumidor (CPI) e a balança comercial.

*Com informações do Bom Dia Mercado, de Rosa Riscala. Para ler o Bom Dia Mercado na íntegra, acesse www.bomdiamercado.com.br

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Seu Dinheiro na sua noite

O pior pregão desde o ‘Joesley Day’

Se o ano no Brasil só começa mesmo depois do Carnaval, 2020 resolveu chegar logo com uma voadora no peito dos brasileiros. Enquanto nós descansávamos ou curtíamos a folia, os mercados no exterior amargavam fortes perdas diante do agravamento da disseminação do coronavírus fora da China, notadamente na Itália. Pois bem, após a batucada pela […]

Gigante de tecnologia

Microsoft revê projeção trimestral e cita impactos do coronavírus

Empresa de tecnologia vive uma demora maior do que a esperada para a volta ao normal das operações em suas cadeias de suprimento

Caos na bolsa

Pressionado pelo coronavírus, Ibovespa cai 7% e tem o pior pregão desde o Joesley Day

O Ibovespa perdeu quase oito mil pontos nesta quarta-feira, impactado por um forte movimento de correção por causa da disparada de casos do coronavírus fora da China — todas as ações do índice fecharam em queda. Já o dólar à vista subiu a R$ 4,44, cravando mais um recorde nominal de encerramento

Mais uma polêmica

Vídeo de Eduardo Bolsonaro defendendo Orçamento impositivo circula pelo WhasApp

Vídeo mostra a fala do parlamentar no plenário da Câmara, no dia 26 de março do ano passado

Surto mundial

Por coronavírus, Costa Cruzeiros amplia medida de segurança em seus navios; Nestlé aconselha funcionários a não viajarem

Entre as providências está a proibição da entrada de pessoas que tenham viajado para países e regiões afetadas pela doença

FORA DO AR

Investidores da XP relatam problemas para acessar home broker nesta quarta-feira

Ao ser procurada, a assessoria de imprensa informou que “a plataforma apresentou lentidão para alguns clientes no início da tarde desta quarta-feira”

Medida do BC

Moody’s: diminuição de compulsório para depósitos a prazo é positiva

Para a agência, os gigantes do mercado são os mais beneficiados, por deterem 72% de todos os depósitos a prazo no Brasil

CDS no radar

Risco-país do Brasil tem novo dia de alta e vai a 106 pontos

Desde o começo de fevereiro o CDS vinha sendo negociado abaixo dos 100 pontos

CRIPTOMOEDAS

Criptomoedas ainda mantêm um papel limitado como forma de proteção, para analistas do JPMorgan

Apesar da baixa correlação das criptomoedas com ativos tradicionais, analistas do banco acreditam que elas ainda não podem servir como hedge da carteira

Gastos no exterior

Compras com cartão no exterior serão cobradas conforme a taxa de câmbio do dia

Opção estará disponível a consumidores a partir de 1º de março e já estava autorizada pelo BC desde 2016; atualmente, valor a ser pago na fatura é definido dez dias antes do fechamento

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements