Menu
2019-04-20T15:38:19+00:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
A culpa é dos iPhones

Mesmo com lucro recorde, balanço da Apple não agrada, ações despencam e empresa abandona o US$ 1 trilhão em valor de mercado

Investidores ignoraram lucro da empresa e reagiram muito mal à estabilidade na venda de iPhones

1 de novembro de 2018
19:06 - atualizado às 15:38
tim-cook
Balanço da Apple pegou mal no mercado - Imagem: Shutterstock

De nada importou o fato de a gigante de tecnologia Apple ter apresentado um lucro líquido recorde de US$ 14,125 bilhões no 3º trimestre de 2018. Os resultados de iPhones abaixo do esperado pesaram (e muito) na avaliação dos investidores sobre a empresa e fizeram com que a ação da companhia despencasse mais de 7% nos negócios do after market da bolsa de Nova York. Com isso, a gigante abandonou a marca de US$ 1 trilhão em valor de mercado.

No geral, o balanço em si veio incrível: forte avanço do lucro em relação ao ganho de US$ 10,714 bilhões no quarto trimestre fiscal de 2017; recorde do lucro da companhia e do ganho por ação, que subiu 41% na mesma base comparativa e chegou a US$ 2,91; e vendas recordes, passando de US$ 52,579 bilhões entre julho e setembro de 2017 para US$ 62,900 bilhões no mesmo período deste ano, uma alta de 20%.

Mas nada disso interessou. O que valeu mesmo foi esse número aqui: vendas de 46,889 milhões de iPhones entre julho e setembro, abaixo das previsões de analistas que esperavam 47 milhões de unidades vendidas. O resultado mostrou uma estabilidade na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior e acende um sinal amarelo na bolsa.

Em suas projeções para o trimestre a ser encerrado em dezembro, a empresa sinalizou que espera sustentar as fortes vendas de iPhones, com uma previsão total de receita entre US$ 89 bilhões e US$ 93 bilhões.

A Apple sabe que, nesse quesito, trouxe notícias pouco animadoras para o mercado. Tanto é que anunciou que vai deixar de divulgar a quantidade de produtos vendidos em seus balanços. A justificativa é que esses números não são representativos do negócio.

E por falar em vendas...

A quantidade de iPads vendidos pela Apple no trimestre caiu 6%, passando de 10.326 unidades no quarto trimestre fiscal de 2017 para 9.699 unidades. Já a quantidade de Macs vendidos caiu 2% na mesma base comparativa, passando de 5.386 unidades para 5.299 computadores vendidos.

A receita de serviços, que engloba a Apple Music, o iCloud e a App Store, entre outros, apresentou avanço de 17% entre julho e setembro deste ano na comparação com o mesmo período de 2017, passando de US$ 8,501 bilhões para US$ 9,981 bilhões. No quesito outros produtos, como os AirPods, a Apple TV e o Apple Watch, houve salto de 31%, subindo de US$ 3,231 bilhões entre julho e setembro do ano passado para US$ 4,234 bilhões no mesmo período deste ano.

*Com Estadão Conteúdo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Agora vai?

Governo enviará ao Congresso na próxima semana projeto para destravar privatização da Eletrobras

Proposta deve conter os mesmos itens que estavam na Medida Provisória 879, que não foi votada pela Câmara

Olha quem apareceu

Rede de varejo Le Biscuit, da Vinci Partners, estreia no comércio online

Entrada da empresa no mundo online ocorrerá em etapas e segue uma tendência mundial

Olha a oportunidade aí

Movimentos para ofertas de ações no 2º semestre aceleram

Reuniões com os bancos de investimento se intensificam e companhias começam a fechar acordos para levar as ofertas adiante

Eita!

Chefes da Receita Federal ameaçam entrega de cargos por interferência política

De acordo com apuração, seis subsecretários do órgão estão fechados nessa posição

À beira do abismo

Sob pressão financeira, Oi procura bancos para encontrar saída

Operadora precisa levantar R$ 2,5 bilhões, mas ainda não tem ideia de como fará essa captação de recursos

Batalha contra a desaceleração

China divulga reforma de juros para reduzir custo de financiamento de empresas

Movimento anunciado deve reduzir ainda mais as taxas de juros reais para as companhias do país

Entrevista

Criador da CVM diz que mercado brasileiro não precisa de mais regulação

Para Roberto Teixeira da Costa, momento é de libertar a capacidade criativa das pessoas; em entrevista ao Seu Dinheiro, ele fala sobre mercado de capitais, economia brasileira e a figura do analista de investimentos

Seu Dinheiro na sua noite

Lucro, pra que te quero?

Podem me chamar de antiquado ou de romântico, mas sou do tempo em que empresa boa é empresa que dá lucro. Mas reconheço que, diante das mudanças abruptas na forma como consumimos produtos e serviços, olhar para a chamada última linha do balanço das companhias ficou meio fora de moda. No lugar do lucro, o […]

Xiiii...

Oi avisa Anatel que pode ficar sem dinheiro para operar a partir de fevereiro

Diagnóstico da situação da empresa indicou que o dinheiro em caixa da operadora chegou ao “mínimo necessário”

Ouça o que bombou na semana

Podcast Touros e Ursos: O furacão das eleições na Argentina e o fantasma da recessão mundial

Seu Dinheiro traz um panorama sobre tudo o que movimentou os seus investimentos nesta semana

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements