Menu
2018-11-14T15:46:03-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mercados

BTG estima que R$ 451 bilhões podem ingressar no mercado de ações

Banco fez um breve exercício estimando qual seria o impacto se gestores locais e externos voltassem a ter a mesma exposição às ações que tinham no fim de 2014

14 de novembro de 2018
14:55 - atualizado às 15:46
balde com dinheiro
Baldei com dinheiro - Imagem: Shutterstock

O potencial de entrada de recursos para o mercado de ações brasileira é enorme. A afirmação é dos analistas do BTG Pactual, que avaliaram a alocação atual de fundos externos e locais ao mercado. O que vai ditar o ritmo e o volume de entrada são as medidas econômicas do novo governo.

Segundo o banco, conforme aumente a confiança dos investidores na capacidade de o governo lidar com a questão fiscal, as taxas de juros de longo prazo devem recuar ainda mais, tornando o mercado de ações mais atrativo.

“Com as taxas de juros de longo prazo prontas para cair, o fluxo para ações está pronto para disparar”, diz o relatório.

De fato, as taxas longas já recuaram recentemente, antecipando o comprometimento do governo com o problema fiscal. O banco lembra que a Nota do Tesouro Nacional (NTN-B) com vencimento de 2035 tem uma taxa de 5,2% em comparação com cerca de 5,6% cerca de dois meses atrás. “Esse ainda é um retorno suculento, mas que deve apontar para baixo à medida que as contas fiscais do Brasil melhorem”, diz a instituição.

Aos números

Usando os dados da consultoria EPFR Global, os analistas notaram que a exposição ao mercado de ações do Brasil de fundos globais e fundos emergentes (GEM, na sigla em inglês) está perto das mínimas históricas. A EPFR acompanha mais de 100 mil fundos ao redor do mundo, com cerca de US$ 34 trilhões em ativos.

Em setembro (último dado disponível), apenas 0,37% do dinheiro dos fundos globais estavam estacionados por aqui em comparação com 1,4% de outubro de 2014, pouco antes de confirmada a reeleição de Dilma Rousseff. Dos fundos emergentes, o percentual de setembro era de 6,4%, contra 11,1% em 2014.

Fazendo uma “conta de padaria” e considerando apenas o retorno dessas exposições ao patamar de 2014, o valor estimado que pode vir para o mercado de ações ficou em R$ 251 bilhões, ou US$ 68 bilhões.

Repetindo o mesmo exercício, mas considerando as exposições dos fundos locais, o potencial de entrada seria de outros R$ 200 bilhões.

Considerando dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), a alocação média dos fundos em ações está em 9,2%. Se esse percentual voltar para os 11,9% de 2014, cerca de R$ 100 bilhões podem ser direcionados ao mercado. Agora, se a alocação voltar à média de 14%, vista entre 2011 e 2013, estamos falando de algo em torno de R$ 200 bilhões.

Desfecho eleitoral deixa cenário mais construtivo

Segundo o BTG, o que assustou os investidores foi uma eleição complexa e difícil de se entender, mas com esse evento ficando para trás e com a redução do prêmio político dos ativos brasileiros, todas as atenções estão voltadas à política econômica do novo governo.

E não é só o BTG, que tem avaliação prospectiva positiva. Em carta aos cotistas, o chefe de investimento de renda variável da Franklin Templeton, Frederico Sampaio, afirma que as intenções declaradas até o momento pelo novo governo vão no caminho da recuperação da confiança e do crescimento econômico.

“Ainda não se sabe ao certo como será o governo Bolsonaro, mas o afastamento do risco de retrocesso da política econômica e da volta do populismo representado pela candidatura do PT foi celebrado pelos investidores”, diz o gesto na carta.

Sampaio, pondera, no entanto, que ainda resta muita desconfiança com relação à convicção de Jair Bolsonaro nessa agenda econômica liberal, mas que as “intenções declaradas” são favoráveis.

Para Sampaio, até a posse do novo governo, a tendência é que ocorra uma “lua de mel” em função das boas intenções, “mas a efetiva implementação ainda não é testada”. O especialista também chama atenção para a reforma da Previdência, que voltando a tramitar, pode alimentar ainda mais o otimismo.

Ainda de acordo com Sampaio, a bolsa está negociando por múltiplo preço/lucro projetado de 11,9 vezes, o que é visto como “muito atraente” considerando o cenário de recuperação econômica e de crescimento de lucros aliado ao nível historicamente baixo dos juros.

“A perspectiva de aprovação de reformas pode motivar revisões para cima do crescimento esperado para os anos por vir. Se o país conseguir realmente avançar na agenda econômica proposta, é possível vislumbrar longo período de valorização consistente do mercado”, diz Sampaio.

O especialista afirma que já mudou suas posições em mercado. A incerteza eleitoral e o choque na atividade proveniente da paralisação dos caminhoneiros, tinha levado a ajustes na estratégia do fundo Franklin Valor e Liquidez (FVL).

A carteira estava mais balanceada entre setores, com maior exposição a exportadoras e menor exposição a segmentos mais alavancados à recuperação econômica.

Agora, Sampaio afirma que a posição em exportadoras, como a Suzano, foi desfeita, bem como nas empresas de menor alavancagem.

“Voltamos a apostar em empresas estatais que têm perspectiva de melhora na gestão e/ou possibilidade de privatização. Nesse sentido, em adição à posição em Cemig, adquirimos ações da BR Distribuidora e da Petrobras”, diz Sampaio.

Renda fixa

Também em carta, o gestor de renda fixa da Franklin Templeton, Rodrigo Borges, afirma que a exposição a risco do fundo nos últimos meses foi mantida em patamares reduzidos quando comparada à média histórica.

Mesmo com dúvidas sobre a capacidade de Bolsonaro em angariar apoio político, Borges avalia que o fato de Paulo Guedes, que é o fiador do presidente eleito na área econômica, possuir uma orientação claramente liberal, fez com que os preços dos ativos brasileiros melhorassem bastante.

“Nos parece que a indicação de nomes técnicos para cargos importantes dentro do governo será a regra, o que tornará a política econômica mais robusta e eficiente e, portanto, capaz de impulsionar o crescimento”, escreve Borges.

Avaliando a última decisão do Comitê de Política Monetária (Copom), que manteve a Selic em 6,5%, Borges diz que como a assimetria entre os riscos de alta e baixa da inflação diminuiu, a taxa básica de juros pode permanecer inalterada por um período de tempo maior do que o anteriormente antecipado.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Ano de eleição

Promessas de Bolsonaro estouram “folga” do Orçamento em 2022

A ampliação do Bolsa Família e um eventual aumento de 5% nos salários do funcionalismo público já superam o espaço adicional de R$ 25 bilhões para o próximo ano

Nova esperança?

Estados Unidos planejam investir US$ 3,2 bilhões em antivirais para tratar covid-19 e outras doenças

Segundo o Dr. Fauci, principal conselheiro do presidente Joe Biden no combate à pandemia, novo programa vai acelerar o que já está em andamento

PODCAST MESA QUADRADA

De pintor de parede a chef renomado, Alex Atala diz que competitividade foi empurrão: ‘se não fosse provocado, seria um bundão’

Chef de cozinha fala sobre sua trajetória e comenta crises e investimentos bem sucedidos

Amor e presentes

Demanda por crédito no País sobe 13% em maio, impulsionada por Dia das Mães

Índice Neurotech revela que o aumento das vendas no varejo, especialmente nas lojas de departamento e vestuário durante a data comemorativa

Vou de táxi

Etanol bate marca de R$ 5 nos postos em junho, segundo a Ticket Log

Valor representa um aumento de 3,77% na comparação com o preço médio de maio, enquanto a gasolina sobe 0,95% e chega a R$ 5,85

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies