Menu
2018-10-01T11:35:27-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mercados

Buy acima de tudo, Deus acima de todos

Setembro terminou com alta na bolsa e queda do dólar, mas e a eleição?

1 de outubro de 2018
5:15 - atualizado às 11:35
Ex-presidenciável Fernando Haddad (PT) em debate do SBT
Ex-presidenciável Fernando Haddad (PT) em debate do SBT - Imagem: Marcelo Chello/Seu Dinheiro

O que antes era visto como um cenário desastroso se consolidou. A uma semana da eleição, Jair Bolsonaro deve enfrentar Fernando Haddad em um segundo turno. E o mercado não parece mais tão preocupado com isso. Não parece...

Nas conversas com “gente de mercado”, a impressão que foi se consolidando ao longo da última semana é de que o PT, no caso de retorno ao poder, será pragmático. Vai sim conter a ala mais radical do partido e fazer um ajuste fiscal e algum tipo de reforma da Previdência.

Fernando Haddad abandonou o programa que ajudou a escrever e passou a adotar um discurso mais “market friendly”. E ele tem se esforçado. Desautorizou o eterno assessor econômico Márcio Pochmann, que também baixou o tom, acenou ao presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, e teve encontros com analistas e gestores.

Falta dizer quem vai ocupar o Ministério da Fazenda. E a escolha pode sedimentar essa tese de que o PT não seria tão ruim assim. O nome que vai comandar o Bloco P da Esplanada dos Ministérios e seu anúncio, no entanto, devem vir após deliberação a ocorrer lá em Curitiba.

A visão estrangeira

Outro ponto interessante é a diferença de avaliação entre locais e estrangeiros. Segundo um amigo, “lá fora os investidores não têm medo dele [Haddad]”.

Fui conferir com um “gringo original”, que acompanha de perto o Brasil. E ele me confirmou.

“É isso mesmo. O estrangeiro ainda considera que o PT não é tão ruim assim. Ele acredita que o PT não terá muito espaço para promover ainda mais estragos.”

Esse mesmo amigo gringo discorda frontalmente de seus pares, mas pondera que “eles têm o dinheiro”. E de forma bem-humorada completa dizendo: “eles leem a ‘The Economist’ e o ‘Financial Times’”. Além disso, conta que algumas consultorias políticas têm dito ao estrangeiro que o Haddad não é tão perigoso assim.

Para esse gringo, o estrangeiro não tem dimensão de quão grave é a situação fiscal do Brasil. E não importa quem assuma o Planalto, se não atacar essa questão vai colocar o país em um caminho de destruição.

A cor local

Por aqui, mesmo com muitos “locais” também entrando nessa tese. A dispersão de percepções é maior. Ouvi com frequência um “não sei, não”. E de alguns o famoso “vai dar merda”, seguido da previsão de dólar para cima e bolsa para baixo. Também ouvi que se o PT de fato voltar, a preocupação é com as ruas. Ou que o movimento da semana é mera “correção de preços”, e que há, sim, preocupação com o PT.

Outra postura em voga é de que confirmado um segundo turno PT contra Bolsonaro, a eleição é plebiscitária e que “não tem como o PT voltar depois de tudo que aconteceu”.

O que se nota também é que é mais fácil para o mercado acreditar em uma conversão de Bolsonaro de estatal-desenvolvimentista em liberal do que em um Haddad convictamente reformista. Tentando resumir a questão:

Bolsonaro é aceito, não por seus predicados, mas por outras razões. Haddad é engolido, tolerado ou nem isso.

Quando um mesmo fato tem mais de uma explicação é sinal de que ninguém sabe nada. E não poderia ser diferente. A resposta vem domingo e a semana deve trazer surpresas variadas. Há quem aposte que as tais pesquisas vão mostrar Haddad na frente, há quem diga que podemos ter algum “dossiê”, que aliás estão desaparecidos nesta campanha, e há, também, quem não espere nada.

Aliás, o trocadilho “buy acima de tudo, Deus acima de todos”, que ouvi de alguns participantes do mercado na semana, aceita variações, como “buy acima de tudo, Volatilidade acima de todos”. Quem estiver na Bolsa, é bom preparar o estômago.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

pandemia no país

Brasil tem 33,5 mil novos casos de coronavírus e 836 mortes em 24 horas

O total de mortes causadas por covid-19 chega a 138.108, um acréscimo de 0,6% sobre a soma de ontem, quando o painel do ministério marcava 137.272 falecimentos. Ainda há 2.423 mortes em investigação

seu dinheiro na sua noite

Um novo flerte do dólar a R$ 5,50

“Nunca aposte contra a América”, alertou Warren Buffett no tradicional encontro de acionistas de sua holding de investimentos em maio deste ano. O bilionário não falava especificamente da moeda dos Estados Unidos, mas toda vez que o dólar mostra sinais de força, alguém (como eu) acaba trazendo a frase à tona. Afinal, é para as […]

aquisição à vista

Stone vai lançar BDRs na bolsa brasileira e pretende usar papéis na compra da Linx

Aprovação pelos acionistas da Linx e da Stone e prévia autorização do CADE (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) estão entre as condições para finalizar a operação

Receita de volatilidade

Dólar tem forte alta com depoimento do presidente do Fed; volatilidade limita o Ibovespa

Moeda norte-americana registrou alta acentuada no início de uma série de depoimentos de Jerome Powell perante o Congresso dos EUA

recuperação econômica

Só teremos um ano cheio no turismo novamente em 2023, diz presidente da CVC

O presidente da CVC, Leonel Andrade, disse nesta terça-feira, 22, que o setor de turismo só deve voltar ao movimento pré-pandemia em 2023

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements