IPCA + 8% e outros títulos ‘premium’: receba as melhores ofertas de renda fixa no seu WhatsApp

Cotações por TradingView
2018-09-22T12:38:29-03:00
Luis Ottoni
Luis Ottoni
Jornalista formado pela Universidade Mackenzie e pós-graduando em negócios pela Fundação Getúlio Vargas. Atuou nas editorias de economia nos portais G1, da Rede Globo, e iG.
Abrindo o jogo

Autor de possível ‘CPMF’ de Bolsonaro explica como o tributo funcionaria

Em entrevista ao Valor Econômico, Marcos Cintra defende imposto único com alíquota de 1,28%

21 de setembro de 2018
10:01 - atualizado às 12:38
Empresário com medo
Imposto único teria alíquota de 1,28%, de acordo com CintraImagem: Shutterstock

O economista da campanha de Jair Bolsonaro (PSL), Paulo Guedes, disse, na última quarta-feira, 19, que estava pensando em unificar impostos em uma única taxa por movimentação financeira.

Apelidada de 'nova CPMF' desde então, o projeto acabou causando polêmica ao ponto de Bolsonaro pedir para que o economista preservasse suas ideias na reta final da campanha.

Em entrevista ao jornal 'Valor Econômico', Marcos Cintra, citado pelo presidenciável como um dos autores da reforma tributária de seu possível governo, defendeu substituição de vários tributos por uma cobrança única, que teria alíquota de 1,28%.

Desmembrando a 'nova CPMF'

Cintra explica que a taxa seria dividida em:

  • 0,43%, que substituiria a contribuição patronal de 20% sobre folha, salário e educação além das cobranças do "Sistema S"
  • 0,85% corresponderia aos tributos como IPI, Cide sobre combustíveis, IOF, Cofins e ITR.

'Preconceito Absurdo'

O economista chamou de "absurdo" o preconceito sobre a tarifa, a qual defende trazer "flexibilidade técnica fantástica e não ter sonegação".

É diferente

Cintra explicou ainda que a nova tarifa seria diferente da antiga CPMF, cobrada até 2007, pois a nova contribuição seria incidente nas compras de débito e crédito. No caso de depósitos ou saques em dinheiro, a cobrança seria dobrada. "Isso vai desestimular as pessoas de receber ou fazer pagamentos em dinheiro", disse.

Além disso, estariam de fora o imposto cobrado sobre o lucro, como Imposto de Renda de pessoa física ou jurídica. A Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) também não entra.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Governo eleito

Alckmin avisa que anúncio de novo ministro da Fazenda está próximo

26 de novembro de 2022 - 16:11

Em evento com empresários, vice-presidente eleito prometeu ajuste fiscal permanente e conjunto de reformas

Troca ou devolução

Comprou na Black Friday e se arrependeu? Veja quais são seus direitos

26 de novembro de 2022 - 11:59

O excesso de compras para aproveitar as oportunidades da Black Friday podem se transformar numa ‘ressaca’ no cartão de crédito

Recomendação de compra

Cielo (CIEL3) já dobrou de preço, mas ainda pode subir mais de 50% na bolsa, diz Santander. Confira detalhes

26 de novembro de 2022 - 9:48

Analistas do banco veem a Cielo (CIEL3) com vantagem competitiva em relação a adquirentes como Stone e PagSeguro

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: PIB do 3º trimestre no Brasil e payroll nos EUA são destaques de semana cheia

26 de novembro de 2022 - 8:11

A agenda econômica estará carregada nesta semana, com dados importantes de atividade e inflação a serem divulgados no mundo

Aperte o play!

Só acaba quando termina: Lula talvez não consiga gastar tanto assim; como isso mexe com seus investimentos?

26 de novembro de 2022 - 8:00

No podcast Touros e Ursos desta semana, PEC da Transição, Haddad na Fazenda, Petrobras e, é claro, futebol

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies