Menu
2018-11-12T21:51:16-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Investimentos

O que a cessão onerosa significa para você, acionista da Petrobras

Revisão de contrato entre a União e a estatal pode impulsionar valorização das ações e ainda melhorar o caixa do governo

13 de novembro de 2018
6:01 - atualizado às 21:51
Prédio da Petrobras no Rio de Janeiro
Imagem: Shutterstock

O Senado Federal aprovou regime de urgência e pode votar, em breve, o projeto de lei que vai permitir uma revisão do contrato de cessão onerosa firmado entre a Petrobras e o governo e autoriza a empresa a transferir até 70% dos direitos de exploração na área do pré-sal. Mas o que isso significa para os milhares de investidores pessoa física da estatal?

Direto ao ponto, pode significar movimento de alta nas ações, segundo gestores. O que está em aberto é quão positivo isso pode ser e, até o momento, ninguém tem essa resposta. “No preço de tela de hoje da Petrobras tem pouca coisa ou quase nada refletindo cessão onerosa”, diz um gestor que prefere não se identificar.

O assunto é um tanto complexo, mas para traçar uma linha de acontecimentos, antes de entrar nos detalhes, o projeto que está em discussão seria o primeiro passo que vai permitir um leilão de venda de barris de petróleo do pré-sal. Isso é importante, pois Petrobras e União estão revendo os termos de um contrato firmado em 2010, e a Petrobras tem dinheiro ou barris de petróleo a receber da União.

E é justamente esse acerto de contas entre Petrobras e governo que vai ditar o quão potencialmente positivo a questão será para a empresa. Ainda de acordo com esse gestor, é muito difícil que todo esse complexo processo de negociação tenha um resultado negativo para a estatal.

“A pergunta de um milhão é o resultado dessas negociações entre a Petrobras e  a União. Pode ser algo apenas positivo ou uma pancada”, diz o especialista.

De acordo com outro gestor, que tem ações da empresa em seu portfólio, as estimativas que circulam pelo mercado dão conta de que esse “ajuste de contas” entre Petrobras e União fique na casa dos R$ 40 bilhões. “É algo bem relevante”, diz ele, lembrando que o valor de mercado da Petrobras está na casa dos R$ 350 bilhões.

Para o gestor, é difícil dizer se isso já estaria no preço atual da ação, de cerca de R$ 25 para o papel preferencial (PETR4). O mais importante no momento seria a definição do novo presidente da companhia.

Uma avaliação possível é que Petrobras e União já tenham chegado a um acordo, mas estão esperando a votação da lei para divulgar os termos finais.

A cessão onerosa

O contrato original de cessão onerosa é de 2010. A União, que é dona do petróleo, cedeu à Petrobras o direito de explorar um volume máximo de 5 bilhões de barris de petróleo equivalente (óleo e gás) das áreas do pré-sal, ao custo de R$ 74,8 bilhões. O governo utilizou esse recurso para participar do aumento de capital da estatal, que ficou em R$ 120 bilhões na época, e manter sua participação na empresa. Foi uma engenharia financeira buscando dar capital para empresa explorar o pré-sal. Esse é um dos modelos de exploração e produção de petróleo, existem também o modelo de partilha e a concessão.

Uma revisão deste contrato, para acertar ganhos e perdas entre a estatal e o governo, já estava previsto e deveria ter ocorrido em 2016. Dentro dessa revisão, a Petrobras quer ser ressarcida em função da queda do preço do petróleo desde que o contrato foi firmado. Após longa negociação ficou estabelecido que a estatal tem créditos a receber, mas o governo ainda não fechou o valor desse ressarcimento que poderá ser feito em dinheiro ou barris equivalentes.

Tudo indica que a opção será por barris equivalentes. A Petrobras pode escolher ficar com os barris a explorar ou entrar como vendedora junto com o governo em um leilão que está sendo programado para acontecer assim que todos esses trâmites legais se encerrarem. Outra opção é o governo fazer o leilão e entregar o dinheiro diretamente à estatal.

A expectativa é que a empresa opte por vender os barris que têm a receber e coloque dinheiro no caixa, o que ajuda no processo de redução de dívida que a Petrobras tem feito nos últimos anos. É essa quantidade de recursos que vai ditar o quão positivo o processo será para a empresa.

Depois de fechado esse contrato envolvendo os 5 bilhões de barris, foi descoberto que o volume de petróleo do pré-sal pode ser bastante superior a isso. Esse é outro ponto que passa pela aprovação do projeto.

Em 2014 foi fechado um acordo para a contratação direta da Petrobras para a exploração dos  chamados excedentes do pré-sal, prevendo pagamento pela estatal e participação do governo. O Tribunal de Contas da União (TCU), no entanto, barrou a medida, pois entendeu que ela não poderia ser tomada antes da renegociação do contrato original.

O projeto em discussão no Senado versa que o volume que exceder 5 bilhões de barris deverá ser licitado pelo modelo de partilha, no qual custos são descontados do valor total e o chamado excedente em óleo é partilhado entre a União e o consórcio que vai explorar a área leiloada.

A Agência Nacional do Petróleo (ANP) contratou uma empresa independente, a Gaffney, Cline & Associates, que realizou estudos e estimou que o volume excedente de óleo oscila entre 6 bilhões e 15 bilhões de barris, no fim de 2017. Outras estimativas chegam a mais de 17 bilhões de barris.

O projeto também permite que a Petrobras transfira para empresas privadas até 70% de seus direitos de exploração na área do pré-sal. Assim a empresa ganha parceiros para a exploração se assim desejar. O projeto original previa a empresa como operadora única. Agora se pretende que a empresa divida riscos e investimentos com outros atores do setor.

A definição do novo contrato de cessão onerosa e o projeto de lei abrem caminho para que aconteça esse leilão das áreas excedentes do pré-sal. Os valores movimentados por esse leilão são estimados em mais de R$ 100 bilhões, recursos que entrariam para o caixa do governo.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Contas analisadas

CMN aprova balanço do Banco Central no 2º semestre de 2019, com lucro de R$ 64,5 bilhões

Com os R$ 21,04 bilhões de lucro no primeiro semestre, o resultado total do ano para a instituição em 2019 foi de R$ 85,57 bilhões

Novidade na área

Caixa confirma parceria om Visa em cartões

Acordo marca o primeiro negócio fechado pelo banco público para constituir um braço de meios de pagamentos

Ano trágico

Vale tem prejuízo de US$ 1,7 bilhão em 2019; provisões e despesas por Brumadinho chegam a US$ 7,4 bilhões

A Vale fechou 2019 com um prejuízo bilionário, fortemente pressionada pelas provisões relacionadas ao rompimento da barragem em Brumadinho — efeitos que superaram em muito os ganhos relacionados à valorização do minério de ferro no ano

Gigante do varejo

Carrefour registra lucro líquido a controladores de R$ 636 milhões no 4º trimestre de 2019

Resultado representa uma alta de quase 20% na comparação com o mesmo período do ano anterior

Adiou de vez

Bolsonaro confirma envio de reforma administrativa só depois do carnaval

Presidente disse que a reforma administrativa está “madura”, embora ainda não esteja pronta

Na ponta do lápis

Vale, SulAmérica, Carrefour e B2W: os balanços que movimentam o mercado no pré-Carnaval

Na maratona de balanços anuais de 2019, novos peso-pesados do mercado anunciaram seus números

Retorno maior com juro baixo

Menos liquidez, mais diversificação: como os clientes ricos do Itaú andam investindo

Com juro baixo, clientes private do Itaú vêm reduzindo alocação em renda fixa pós-fixada e migrando para ativos com mais risco de mercado ou liquidez, como ações, multimercados e investimentos de baixa liquidez.

Seu Dinheiro na sua noite

Hoje tem recorde do dólar?

Tem, sim senhor. Em mais um dia sem a presença do Banco Central no mercado, a moeda do país de Donald Trump tirou tinta dos R$ 4,40, mas perdeu um pouco de força e fechou aos R$ 4,391, alta de 0,60%. A alta recente do dólar, um movimento que na verdade começou lá em agosto […]

Sem alívio

Mais uma sessão, mais um recorde: dólar segue em alta e chega pela primeira vez aos R$ 4,39

O mercado de câmbio continuou pressionado pelo coronavírus e pela fraqueza da economia doméstica. Nesse cenário, o dólar à vista ficou a um triz de bater os R$ 4,40, enquanto o Ibovespa caiu mais de 1% e voltou aos 114 mil pontos

Ele fica

Ministro chama de ‘maior mentira’ história de pedido de saída de Guedes

Ruído sobre eventual saída do titular da Economia do governo se espalhou pelos mercados nesta semana

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements